Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

Justiça Federal de Uruguaiana recebe inquérito por estelionato contra o deputado Paulo Pimenta



Câmara dos Deputados (Divulgação)

Imagem da Matéria

A Justiça Federal de Uruguaiana (RS) recebeu o inquérito que investiga suspeitas de estelionato e lavagem de dinheiro contra o deputado federal Paulo Pimenta (PT), líder do partido na Câmara dos Deputados. Em manifestação ao saite de notícias G1, o deputado disse que espera que o inquérito seja arquivado. Segundo ele não existem elementos que o envolvam nos fatos investigados após quase dez anos. Além disso, Pimenta disse que “vou tomar providências legais contra as pessoas que me envolveram nisso”.

A decisão de enviar os autos processuais para o RS foi do ministro Luiz Fux, do STF. Ele negou recurso do parlamentar que pretendia manter a investigação na corte em Brasília. Pimenta é suspeito de atuar como operador de um sistema que lesou produtores rurais da cidade de São Borja, na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul, em pelo menos R$ 12 milhões.

Em entrevista à RBS TV, o médico veterinário Antônio Mário Pimenta, que é primo do deputado, denunciou o suposto esquema. Produtores de São Borja também alegam ter sofrido o golpe após vender a produção para a arrozeira. Entregaram os cereais, mas não receberam o pagamento.

O inquérito foi enviado para o primeiro grau devido ao entendimento do STF de que deputados não têm foro privilegiado quando investigados por crimes cometidos fora do mandato.

O processo está no STF desde 2012. No parecer, a Procuradoria Geral da República afirma existirem "indícios que apontam para o deputado federal como o verdadeiro proprietário da arrozeira, ou, ao menos, como quem mantinha com a citada empresa algum grau de vinculação que o faça também responsável pelas fraudes noticiadas".

A Justiça Federal de Uruguaiana informou que, após digitalizado nos próximos dias, o inquérito será remetido ao Ministério Público Federal, que pode decidir por pedir o arquivamento, oferecer denúncia, ou solicitar novas diligências.

Jornalista e técnico agrícola, natural de Santa Maria, Paulo Pimenta começou ali sua longa carreira política, inicialmente como vereador (1989). Em 2002, foi eleito deputado federal com a maior votação já obtida por um candidato da região central do Estado e o mais votado do PT no interior gaúcho. De 2003 a 2007 cumpriu mandato de deputado federal, para o qual foi reeleito em 2006 com 104.430 votos; em 2010 novamente reeleito, como o deputado mais votado pelo PT no Rio Grande do Sul, somando 153.172 votos. Em 2014 e 2018 reelegeu-se deputado federal, respectivamente com 140.868 e 151.719 votos.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Diário da Manhã (Passo Fundo)

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

 

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

Decisão da 4ª Câmara Criminal do TJRS confirma, na essência, a pena aplicada na comarca de Passo Fundo. Mas, com o provimento parcial dos recursos do MP estadual e do réu, a pena foi redimensionada para oito anos e dois meses de reclusão, em regime inicial fechado. Quatro fatos envolvem porte ilegal de armas de fogo, munição de uso restrito; um caso trata de receptação.