Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira,
31 de março de 2020.
https://www.espacovital.com.br/images/on_off_2.jpg

A ética e a inteligência artificial



Cartunista Moisés

Imagem da Matéria

O tema da inteligência artificial tem dado o que falar, muitos discorrem sobre suas possibilidades e aplicabilidades, muitos se dizem especialistas no tema. Outros tantos pensam que basta contratar uma inteligência artificial e estaria tudo resolvido, não precisando mais de pessoas, nem de softwares, nem de fluxos…

Ledo engano!

Precisamos muito compreender bem o que é, quais as suas aplicabilidades, e como isto pode ser útil na advocacia e no mercado.

Além disto, a inteligência artificial incita a imaginação, quando pensamos em robôs como de filmes, conversando, executando tarefas e muito mais.

E não tem como não recordar das três leis da robótica, criadas por Isaac Asimov em 1939 (sim, você leu certo, há 80 anos atrás) e alguns anos após ele também criou a lei zero da robótica:

Primeira lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por ócio, permitir que um ser humano sofra algum mal.

Segunda lei: Um robô deve obedecer às ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens contrariem a Primeira Lei.

Terceira lei: Um robô deve proteger sua própria existência, desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e a Segunda Leis.

Interessante pensar que tudo isto foi debatido, foram escritos livros e revistas em 1939 e anos seguintes e até hoje ainda tudo nos traz reflexões sobre a ética dos robôs/inteligência artificial.

E, em pleno 2019, oitenta anos depois das três leis de Asimov, especialistas na União Europeia lançaram um documento denominado como ´As diretrizes éticas para nortear a inteligência artificial´.

Entre as diretrizes divulgadas está o fato de seres humanos serem obrigados a participarem do processo de criação da inteligência artificial, bem como deverão ser sempre transparentes os processamentos de dados dos sistemas criados. E ainda afirmam que os dados de um ser humano não podem ser utilizados contra ele (o que já nos remete à Lei de Proteção de Dados que está em pleno vigor na Europa e em breve no Brasil).

Ou seja, mais de 80 anos após, continuamos a dizer que os robôs produzidos pelos seres humanos não podem se voltar contra o criador. Pelo menos no papel, estamos com documentos que nos deixam no controle e nos remetem a uma pseudo segurança.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
Escreva ao articulista: gustavo@gustavorocha.com

__________________________________________________________________________________________
Siga o Espaço Vital no Facebook !

Estamos com perfil novo no Facebook, mais atuante e sempre levando as notícias do meio jurídico, humor e crítica. Aquele anterior perfil a que o leitor se acostumou até 2018, não mais está ativo. Interaja conosco no novo local certo. Siga-nos!

Este é o novo perfil do Espaço Vital no Facebook: clique aqui


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Mais artigos do autor

Visual Hunt

Home office mode ON!

 

Home office mode ON!

Seis dicas para que a atividade profissional seja produtiva em seu lar. A primeira: não inicie o trabalho se ainda estiver vestindo pijamas.

Camera Press

Direito ao esquecimento

 

Direito ao esquecimento

“O WhatsApp lançou recentemente fora do Brasil (breve deve chegar por aqui) uma atualização que dará ao usuário a possibilidade de escolher se a mensagem recebida ou enviada permanece no aparelho, backups, etc. por 1 dia, 1 mês ou 1 ano, ou indefinidamente”.