Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

Jornalista gaúcho é condenado criminalmente por difamar magistrado da comarca de Gramado



Confirmando sentença de primeiro grau, a 1ª Câmara Criminal do TJRS admitiu ser crime a difamação reiterada de funcionário da Justiça de forma reiterada, com a imputação de fato ofensivo à reputação dele e à de seu cargo. O julgado condenou o colunista Pablo Samuel Pereira Nunes, do jornal Gazeta de Gramado, por – segundo a denúncia decorrente de representação – difamar o pretor Luiz Régis Goulart, “que acabou alvo de críticas ofensivas, após estacionar em local proibido”.

A pena – já com trânsito em julgado – é de detenção por quatro meses, em regime aberto, e multa de 10 dias à razão de 1/5 do salário mínimo. A pena privativa de liberdade foi substituída por uma restritiva de direitos, consistente na prestação de 160 horas de serviços à comunidade.

Para o relator, juiz convocado Mauro Evely Vieira de Borba, a acusação, com a observância do contraditório e da ampla defesa, conseguiu demonstrar a materialidade e a autoria do crime de difamação. As informações originais sobre o julgamento são do jornalista Jomar Martins, do Conjur.

Conforme o acórdão, “as reportagens jornalísticas confortam o relato da vítima e, apesar de não declinarem de forma expressa o nome do ofendido, a referência à atuação no Poder Judiciário não deixa dúvidas sobre o destinatário dos agravos, por se tratar de cidade pequena e com um único pretor, de modo que não merece acolhida a tese de atipicidade".

O colegiado reconheceu que o réu Pablo Samuel agiu com dolo, pois teve o propósito de ofender a honra objetiva da vítima, impingindo-lhe a mácula de funcionário público desonroso no exercício de sua atividade.

Os fatos e a denúncia do MP

 Os fatos que deram origem à denúncia ocorreram em quatro oportunidades em junho e julho de 2011. Numa delas, o colunista escreveu que o pretor - uma função em extinção no Judiciário - estava em Gramado apenas para se aposentar, pois não trabalhava.

 Na edição de 3 de junho de 2011, o colunista estampou no título: "Pretor??? Quase passei por ignorante!". No corpo da matéria veio afirmado que "pretor é um verdadeiro retrocesso jurídico para Estado como o Rio Grande, pois a palavra vem do latim 'Praetor'; era um cargo associado à carreira política na Roma antiga".

  Mesmo sem publicar o nome do pretor, o jornalista referiu que “enquanto aguarda a aposentadoria, o servidor do Judiciário curte o seu Camaro Chevrolet estacionado sobre as calçadas do Tênis Clube!".

 Nas edições de 10 e 17 de junho, o colunista voltou a criticar: "Atenção Conselho Nacional de Justiça" e "Alerta ao pretor". Este, em outra passagem, é qualificado como o "Sr. Arcaico".

Prescrição da injúria e difamação majorada

O Ministério Público apresentou denúncia contra o colunista pelos crimes de difamação e injúria, previsto nos artigos 139 e 140 do Código Penal, respectivamente. Durante a demorada tramitação da ação penal, o juízo de primeiro grau reconheceu a prescrição da pena em abstrato do delito de injúria, prosseguindo a persecução penal para o crime de difamação.

Na sentença, o juiz Carlos Eduardo Lima Pinto, da 2ª Vara Judicial de Gramado, condenou o réu nas sanções do artigo 139, caput, combinado com o artigo 141, incisos II e III, ambos do Código Penal — difamar funcionário público, imputando-lhe fato ofensivo a sua reputação, por meio que facilite a divulgação da difamação. (Proc. nº 70075301465).

Condenação cível

(Da redação do Espaço Vital)

O pretor Goulart também foi vencedor de uma ação cível por dano moral, ajuizada contra o jornal e o jornalista, ainda em decorrência das mesmas publicações que foram objeto da ação penal.

A indenização foi fixada em R$ 15 mil, com trânsito em julgado da sentença, que não foi atacada por apelação. A ação já está em fase de cumprimento de sentença, com uma singularidade sequencial:

a) Os atuais juízes da comarca de Gramado se deram por impedidos de seguir atuando no feito;

b) Remetidos os autos à comarca de Canela, igual situação ali se repetiu;

c) Passou a ser competente, na condição de substituto de tabela, a o Juízo da Vara Judicial de São Francisco de Paula.

Quando a fase de cumprimento ainda tramitava na comarca de Gramado, houve um incidente processual: um veículo penhorado foi levado, de forma indevida, a leilão porque o bem, apesar de pertencente ao devedor, está alienado fiduciariamente a uma instituição financeira.

O Juízo reconheceu que “ante a pendência que recai sobre o bem, é insustentável a penhora e leilão do mesmo”.

O leilão foi anulado, houve um depósito parcial de dinheiro por conta do débito e a ação ainda não terminou. (Proc. nº 101/1.11.0001365-8).

Leia a íntegra do acórdão da condenação criminal.

__________________________________________________________________________________________
Siga o Espaço Vital no Facebook !

Estamos com perfil novo no Facebook, mais atuante e sempre levando as notícias do meio jurídico, humor e crítica. Aquele anterior perfil a que o leitor se acostumou até 2018, não mais está ativo. Interaja conosco no novo local certo. Siga-nos!

Este é o novo perfil do Espaço Vital no Facebook: clique aqui


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Foto Diário da Manhã (Passo Fundo)

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

 

Primeira condenação penal de Maurício Dal Agnol é de oito anos e dois meses

Decisão da 4ª Câmara Criminal do TJRS confirma, na essência, a pena aplicada na comarca de Passo Fundo. Mas, com o provimento parcial dos recursos do MP estadual e do réu, a pena foi redimensionada para oito anos e dois meses de reclusão, em regime inicial fechado. Quatro fatos envolvem porte ilegal de armas de fogo, munição de uso restrito; um caso trata de receptação.