Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.

O preço e os ricochetes do beijo forçado



O TST restabeleceu sentença que confirmara a dispensa por justa causa de um ex-plataformista da Petrobras por ter beijado uma colega à força. “No atual estágio da nossa sociedade, em que ganhou voz e espaço a luta pelo respeito às liberdades individuais, especialmente os direitos das mulheres, não mais se admitem desculpas de que não teria havido a intenção ofensiva” - afirmou o julgado superior.

Na reclamação trabalhista, o obreiro considerou “desproporcional” a atitude da empresa. Disse ter trabalhado por 29 anos para a Petrobras e que “sofria de transtornos mentais e de alcoolismo”.

A empresa, na contestação, afirmou que “o trabalhador apresentava comportamento agressivo com colegas de trabalho, com ameaças, agressões, ofensas e discriminação a terceirizados” e que ele chegara a ser suspenso por dez dias. No episódio que resultou na justa causa, o obreiro entrou na sala da colega, abraçando-a por trás e tentando beijá-la na boca. Um outro empregado apartou.

O juízo da 16ª Vara do Trabalho de Belém (PA) classificou como “assédio sexual o fato de o empregado ter tentado beijar a colega sem o seu consentimento”. Todavia, o TRT da 8ª Região (PA) reformou a sentença, considerando desproporcional a dispensa por justa causa, “porque o empregado não deveria ter sido tratado como um trabalhador em situação de saúde normal”.

Para o relator do recurso de revista da Petrobras, ministro Cláudio Brandão, o tribunal regional paraense errou ao reavaliar as informações da perícia e chegar a conclusão oposta a respeito do comprometimento do estado psíquico do empregado sem mencionar de que tipo seria e sem indicar, de forma segura, as causas e as consequências do distúrbio.

“O juiz não tem formação técnica para avaliar a saúde mental ou emocional de quem quer que seja. Depende, para isso, da prova pericial, conduzida por profissionais habilitados”, afirmou. A decisão foi unânime. (Proc. em segredo de justiça).

_______________________________________________________
Siga o Espaço Vital no Facebook !

Estamos com perfil novo no Facebook, mais atuante e sempre levando as notícias do meio jurídico, humor e crítica. Aquele anterior perfil a que o leitor se acostumou até 2018, não mais está ativo. Interaja conosco no novo local certo. Siga-nos!

Este é o novo perfil do Espaço Vital no Facebook: clique aqui


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Segurança do Inter não receberá horas extras por trabalhar em jogos e eventos

Ele prestava serviços das 9 às 15h. Em dias de jogos, prosseguia até a meia-noite. O TST reforma decisão do TRT-RS e acolhe recurso de revista do clube gaúcho, ao aplicar precedente do STF: “a Constituição reconhece a validade da negociação coletiva e admite a possibilidade de pactuar até mesmo a redução de direitos trabalhistas”.