Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de junho de 2019.

Morte de cinegrafista no voo da Chapecoense não gera dever de a empregadora indenizar



Tv Globo (reprodução)

Imagem da Matéria

O operador de câmera Djalma foi um dos 21 membros da imprensa falecidos no acidente

A 3ª Câmara do TRT da 12ª Região (SC) decidiu, por unanimidade, isentar a emissora NSC (antiga RBS e afiliada à Rede Globo) de responsabilidade por acidente de trabalho no caso envolvendo a morte do operador de câmera Djalma Araújo Neto, 35 anos. Ele foi uma das 71 pessoas que morreram no acidente aéreo que vitimou a maior parte da delegação da Chapecoense, em novembro de 2016, na Colômbia.

A tragédia com o avião da Chapecoense teve repercussão mundial. O clube catarinense vivia o maior momento da sua história e tentava ganhar seu primeiro título internacional em Medellín, na Colômbia, enfrentando o Atlético Nacional.

As investigações apontaram que houve falta de combustível (pane seca) na aeronave e que a tripulação também foi negligente com o sinal de alerta emitido 40 minutos antes da queda, nos arredores do aeroporto de Medellín, na Colômbia.

O pedido indenizatório foi proposto pela esposa e pelos filhos do trabalhador, em abril de 2017, e cobrava da empresa indenização por dano moral e pensão vitalícia. Na interpretação dos parentes, a emissora teria colocado o empregado em situação de risco ao orientá-lo a viajar de “de carona” com a delegação da Chapecoense, em voo operado pela companhia boliviana Lamia.

Em sua defesa, a NSC apresentou documentos comprovando ter pago à Chapecoense R$ 2 mil pela passagem de cada um de seus cinco empregados que estavam a bordo. Outras ações semelhantes ainda não estão sentenciadas.

Os advogados da empresa afirmaram que a emissora não teve qualquer participação nos acontecimentos que resultaram na tragédia, argumentando que isso afastaria sua responsabilidade trabalhista sobre o caso.

A ação tramitou na 3ª Vara do Trabalho de Florianópolis, que indeferiu o pedido da família. Na sentença, a juíza do trabalho Maria Aparecida Ferreira Jeronimo explicou que “a Constituição consagra a chamada responsabilidade subjetiva do empregador nos acidentes de trabalho – assim, para que surja o dever de indenização, é preciso ficar comprovado que o acidente aconteceu por culpa ou negligência do empregador”.

A magistrada lembrou ainda que o dever de indenizar acidentes de trabalho independentemente de culpa ou dolo — a responsabilidade objetiva — é exceção à regra constitucional, aplicável apenas quando a atividade do trabalhador é considerada arriscada. “Entendo que não há falar em aplicação da exceção, pois a atividade de serviços de comunicação não implica, por sua natureza, risco para os direitos de outrem, nem tampouco expunha o empregado a riscos”, ponderou a juíza.

Na conclusão, a sentença refere que os laudos não apontaram qualquer ato ilícito da emissora, que apenas tentou, em sua visão, propiciar ao empregado o meio de transporte mais cômodo e adequado para a viagem. “Ele estaria acompanhado do time cujo jogo iria cobrir, se deslocando no menor tempo possível, evitando as conexões comerciais comuns”, analisou.

Recurso no TRT-SC

A família recorreu e a ação voltou a ser julgada na 3ª Câmara do TRT-SC, cujos desembargadores integrantes mantiveram a decisão de primeiro grau, concluindo que não há elementos que permitam a responsabilização da NSC por acidente de trabalho.

"Não há que falar em imputação de responsabilidade por acidente ocorrido com o trabalhador quando o empregador não participou da contratação da empresa de transporte", deduziu em seu voto o desembargador do trabalho Amarildo Carlos de Lima, relator do processo, lembrando que a Lamia foi contratada pela própria Chapecoense.

O desembargador Amarildo também afastou a aplicação da chamada responsabilidade subjetiva ao caso, apontando que a atividade do operador de câmera não pode ser considerada “arriscada”, quando comparada aos riscos enfrentados pelo trabalhador médio brasileiro.

O julgado arremata que “não se configurou a prática de ato ilícito por parte da ré que tenha contribuído para o lamentável dano à vida de seu empregado – e, diante desse contexto, não há como imputar à empresa responsabilidade pelo lastimável acidente”.

A decisão foi publicada na quarta-feira (10) e está em prazo de recurso. (Proc. nº. 0000364-40.2017.5.12.0026).

Confira a íntegra da decisão.

_______________________________________________________
Siga o Espaço Vital no Facebook !

Estamos com perfil novo no Facebook, mais atuante e sempre levando as notícias do meio jurídico, humor e crítica. Aquele anterior perfil a que o leitor se acostumou até 2018, não mais está ativo. Interaja conosco no novo local certo. Siga-nos!

Este é o novo perfil do Espaço Vital no Facebook: clique aqui


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Mesada em substituição à aposentadoria

O TRT de Minas cria original precedente: responsabiliza o empregador a pagar mensalmente, a um trabalhador que tenta se aposentar, o valor que ele teria direito de receber. A obrigação persistirá até que a situação dos recolhimentos previdenciários seja resolvida junto ao INSS.

Decisão do STF suspende acórdão do TRT da 4ª Região

Acolhimento liminar de reclamação suspende decisão que determinava que uma empresa gaúcha procedesse ao desconto da contribuição sindical de todos os trabalhadores, ainda que estes não tenham autorizado.

Cola prejudicial à saúde

TRT-RS condena empresa fornecedora de equipamentos hospitalares. Acórdão alerta para os riscos das lidas com a cola ciclohexanona.