Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de outubro de 2019.

CNJ sofre ataque de hacker



O Conselho Nacional de Justiça sofreu um vazamento de dados na madrugada de domingo para segunda-feira (1º/4). Não foi “primeiro de abril”!

Foram captados e divulgados nomes completos, números de contas bancárias, telefones, CPFs e senhas de pessoas que já utilizaram os serviços do CNJ. A (o) hacker usou o codinome “Aline 1”, integrante de uma equipe chamada Pryzraky.

Ela deixou uma mensagem em idioma indonésio:

"Uma criança nascida hoje crescerá sem uma concepção de privacidade.
Eles nunca saberão o que significa ter um certo momento para si
pensamentos que não são registrados e não analisados.
E isso é um problema porque a privacidade é importante;
a privacidade é o que é possível devemos determinar
quem somos e quem queremos ser”.

Em nota, o CNJ procurou minimizar parcialmente: "Nenhum sistema de informações processuais foi atingido". Adiante, complementou que o PJe e o banco de monitoramento de prisões (BNMP) não foram afetados.

Leia o comunicado do CNJ

“Nota de Esclarecimento

Nesta segunda-feira (1/4), o portal do Conselho Nacional de Justiça na Internet foi objeto de ataque de hackers.

Nenhum sistema de informações processuais, como o PJe (Processo Judicial Eletrônico), o BNMP (Banco Nacional de Monitoramento de Prisões) e o SEEU (Sistema Eletrônico de Execução Unificado), foi afetado.

O CNJ acionou as autoridades e tomou as medidas necessárias para apurar os fatos e manter a segurança do Portal”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Camera Press

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

 

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

Uma pesquisa recém concluída diz que um algoritmo da plataforma da empresa subsidiária do Google recomendou um vídeo inocente de menina brasileira, de dez anos de idade, a usuários de conteúdo sexual. “Fiquei assustada com os milhares de visualizações” – diz a mãe da criança. As informações são do jornal New York Times.

Multa de R$ 2.4 milhões ao Facebook

Informações de, no mínimo, 1 milhão de britânicos foram vazadas. A empresa falhou em lidar com a questão, mesmo após ter sido alertada.