Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 14 de julho de 2020.

CNJ sofre ataque de hacker



O Conselho Nacional de Justiça sofreu um vazamento de dados na madrugada de domingo para segunda-feira (1º/4). Não foi “primeiro de abril”!

Foram captados e divulgados nomes completos, números de contas bancárias, telefones, CPFs e senhas de pessoas que já utilizaram os serviços do CNJ. A (o) hacker usou o codinome “Aline 1”, integrante de uma equipe chamada Pryzraky.

Ela deixou uma mensagem em idioma indonésio:

"Uma criança nascida hoje crescerá sem uma concepção de privacidade.
Eles nunca saberão o que significa ter um certo momento para si
pensamentos que não são registrados e não analisados.
E isso é um problema porque a privacidade é importante;
a privacidade é o que é possível devemos determinar
quem somos e quem queremos ser”.

Em nota, o CNJ procurou minimizar parcialmente: "Nenhum sistema de informações processuais foi atingido". Adiante, complementou que o PJe e o banco de monitoramento de prisões (BNMP) não foram afetados.

Leia o comunicado do CNJ

“Nota de Esclarecimento

Nesta segunda-feira (1/4), o portal do Conselho Nacional de Justiça na Internet foi objeto de ataque de hackers.

Nenhum sistema de informações processuais, como o PJe (Processo Judicial Eletrônico), o BNMP (Banco Nacional de Monitoramento de Prisões) e o SEEU (Sistema Eletrônico de Execução Unificado), foi afetado.

O CNJ acionou as autoridades e tomou as medidas necessárias para apurar os fatos e manter a segurança do Portal”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Camera Press

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

 

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

Uma pesquisa recém concluída diz que um algoritmo da plataforma da empresa subsidiária do Google recomendou um vídeo inocente de menina brasileira, de dez anos de idade, a usuários de conteúdo sexual. “Fiquei assustada com os milhares de visualizações” – diz a mãe da criança. As informações são do jornal New York Times.

Multa de R$ 2.4 milhões ao Facebook

Informações de, no mínimo, 1 milhão de britânicos foram vazadas. A empresa falhou em lidar com a questão, mesmo após ter sido alertada.