Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de outubro de 2019.

TRT- 4 confunde direito material com processual



Por Marcelo Felix Oronoz, advogado (OAB-RS nº 56.308)
marcelo.oronoz@mfoadvogados.com.br

Há coisas que só a Justiça do Trabalho nos proporciona. São mais de 20 anos de atuação, desde a época de estagiário, em que ainda tínhamos juízes classistas e as Juntas de Conciliação e Julgamento. Não foram poucos os absurdos presenciados nesses anos.

Mas ainda não havia visto o Tribunal Regional do Trabalho confundir, de forma tão infantil, norma material com processual. Isto ocorreu por meio da Seção Especializada (!) em Execução.

Ocorre que um juiz de primeira instância decidiu solenemente por não aplicar as regras da Lei nº 13.467/2017, em relação aos arts. 878 e 879, §2º da CLT, mesmo após o início de sua vigência. Em outras palavras, o magistrado liquidou a sentença sem abrir prazo às partes para manifestação e iniciou a execução de ofício, determinando o bloqueio de contas bancárias sem qualquer intimação prévia e sem qualquer risco ao cumprimento da execução. Essa decisão foi proferida em 20 de novembro de 2017.

Provocada a se posicionar sobre o tema, a SEEX sustentou que a Lei nº 13.467/2017, “não é aplicável aos contratos de emprego extintos antes desta data em face do estabelecido no art. 6º da Lei de Introdução do Código Civil e artigo 5º, inciso XXXVI, da Constituição Federal” . E completou serem “inaplicáveis ao caso as novas redações dos artigos 878 e 879, §2º, da CLT, na forma estabelecida pela Lei nº 13.467/2017.”

Ora, os arts. 878 e 879, §2º da CLT são normas de cunho estritamente processual, ou seja, aplicáveis imediatamente aos processos em curso.

É a primeira vez que vejo um tribunal sustentar que o início da execução e o direito de manifestação sobre cálculos de liquidação são de cunho material.

Não estou entre aqueles que defendem o fim da Justiça do Trabalho, mas se não houver uma profunda reflexão sobre a quantidade de absurdos jurídicos cometidos frequentemente por ela, trazendo insegurança jurídica para a sociedade, esse é um destino que se aproxima.

Ø Processo em referência, para quem quiser conferir: AP nº 0021684-60.2015.5.04.0020


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Cuidado com as audiências em ação de despejo

 

Cuidado com as audiências em ação de despejo

“O inimaginável na 3ª Vara Cível de Porto Alegre: terceiros - não autorizados pela parte ré, tampouco munidos de instrumento de mandato - firmaram acordo em nome de uma octogenária, reconhecendo uma dívida e uma relação jurídica locatícia inexistente. E o pior: a transação foi homologada. Virou um elefante branco”. Artigo da advogada Cristine Batistella Darcie.

Liminar para rescisão indireta do contrato de trabalho

Impontualidade no pagamento dos salários e falta dos depósitos do FGTS. “A 1ª Seção de Dissídios Individuais do TRT-4 acolhe mandado de segurança de uma reclamante, sem necessidade de instrução do feito”. Empate de sete votos, com decisão pelo ´voto de Minerva´ da presidente.  Artigo do advogado Juvenal Ballista Kleinowski.

Montagem de Gerson Kauer sobre imagem Google

Janot x Gilmar – e o desejo de matar

 

Janot x Gilmar – e o desejo de matar

“Para me atrever a abordar o caso, busquei valiosos subsídios junto ao credenciado professor Ney Fayet Júnior. Entre um mate e outro, fui brindado com uma verdadeira aula. Assim, em conclusão, primeiramente, de tentativa de homicídio não se trata”. Artigo de Roberto Siegmann, advogado, hoje excepcionalmente fora de sua condição habitual de colunista do Jus Vermelha.

As dificuldades e as soluções para o uso do PJe-Calc

 

As dificuldades e as soluções para o uso do PJe-Calc

O prazo dado pelo CSJT, para início da obrigatoriedade a partir de 1º de janeiro de 2020, é insuficiente para que os usuários adquiram o domínio necessário ao uso do programa”. Artigo de Evori Veiga de Assis, economista, diretor do IPEJ.