Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 02 de junho de 2020.

TRT- 4 confunde direito material com processual



Por Marcelo Felix Oronoz, advogado (OAB-RS nº 56.308)
marcelo.oronoz@mfoadvogados.com.br

Há coisas que só a Justiça do Trabalho nos proporciona. São mais de 20 anos de atuação, desde a época de estagiário, em que ainda tínhamos juízes classistas e as Juntas de Conciliação e Julgamento. Não foram poucos os absurdos presenciados nesses anos.

Mas ainda não havia visto o Tribunal Regional do Trabalho confundir, de forma tão infantil, norma material com processual. Isto ocorreu por meio da Seção Especializada (!) em Execução.

Ocorre que um juiz de primeira instância decidiu solenemente por não aplicar as regras da Lei nº 13.467/2017, em relação aos arts. 878 e 879, §2º da CLT, mesmo após o início de sua vigência. Em outras palavras, o magistrado liquidou a sentença sem abrir prazo às partes para manifestação e iniciou a execução de ofício, determinando o bloqueio de contas bancárias sem qualquer intimação prévia e sem qualquer risco ao cumprimento da execução. Essa decisão foi proferida em 20 de novembro de 2017.

Provocada a se posicionar sobre o tema, a SEEX sustentou que a Lei nº 13.467/2017, “não é aplicável aos contratos de emprego extintos antes desta data em face do estabelecido no art. 6º da Lei de Introdução do Código Civil e artigo 5º, inciso XXXVI, da Constituição Federal” . E completou serem “inaplicáveis ao caso as novas redações dos artigos 878 e 879, §2º, da CLT, na forma estabelecida pela Lei nº 13.467/2017.”

Ora, os arts. 878 e 879, §2º da CLT são normas de cunho estritamente processual, ou seja, aplicáveis imediatamente aos processos em curso.

É a primeira vez que vejo um tribunal sustentar que o início da execução e o direito de manifestação sobre cálculos de liquidação são de cunho material.

Não estou entre aqueles que defendem o fim da Justiça do Trabalho, mas se não houver uma profunda reflexão sobre a quantidade de absurdos jurídicos cometidos frequentemente por ela, trazendo insegurança jurídica para a sociedade, esse é um destino que se aproxima.

Ø Processo em referência, para quem quiser conferir: AP nº 0021684-60.2015.5.04.0020


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Tutela judicial debilitada e crise do Estado Social

“O atual conflito entre o Poder Executivo e o Poder Judiciário, com a ausência alarmante do Congresso Nacional, não é um conflito clássico entre poderes. E aponta a emergência da ordem arbitrária  e discricionária oculta, mas presente na gênese absolutista do Estado Moderno”. Artigo de Tarso Genro, advogado e ex-governador do RS.

Reprodução do YouTube

Mundo pós-pandemia e a indenização

 

Mundo pós-pandemia e a indenização

A professora emérita Sandra Szurek (foto), da Universidade Nanterre (França), escreveu - em artigo publicado num dos mais importantes jornais do mundo, o Le Monde - que "é legítimo colocar a questão da responsabilidade legal da China". Artigo de Eduardo Barbosa, advogado e conselheiro seccional da OAB-RS.

Imagem Youtube

O Processo do Trabalho também vítima da Covid-19

 

O Processo do Trabalho também vítima da Covid-19

“Na angústia de atingir as metas que lhes são impostas, as varas e os tribunais implementam, cada um a seu gosto, diferentes regulamentações. E é nesse contexto, na ausência do ponteiro da tropa, que a boiada passa, atropela e acaba se perdendo”. Artigo do advogado Jonatan Teixeira (OAB-RS nº 69.752).

Fake news é crime no Brasil?

“Observando nossa legislação, verifica-se que as ´fake news´ não se constituem em crime no nosso país. Tanto pela inexistência de previsão de seu tipo normativo, assim como pela ausência de qualquer cominação de pena. Mas isso não significa que elas não possam servir como um dos vários atos ou meio para a prática de determinado crime - como, por hipótese, a difamação”. Artigo de Carlos Eduardo Rios do Amaral, defensor público do Estado Espírito Santo.