Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 19 de julho de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

A conexão como cereja do bolo nos processos da Lava Jato



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

PONTO UM:

Após a decisão proferida pelo Supremo Tribunal Federal - por maioria apertada - de que cumpriria à Justiça Eleitoral julgar os crimes conexos aos crimes eleitorais, estabeleceu-se uma polêmica sobre competências e outros quejandos entre a Justiça Eleitoral e a Justiça Federal, por conta dos processos crimes que envolvem a Lava-Jato e outras operações responsáveis pela apuração de crimes de corrupção ativa e passiva, lavagem de dinheiro, e outros que vitimam o patrimônio da União, todos envolvendo nomes do primeiro ou segundo escalão da política e de grandes empresas.

Na verdade, a discussão traz em seu bojo uma disputa pelo poder – no caso, o poder jurisdicional. Quem julga o quê? Duas instituições judiciais – uma especializada e outra comum - entendendo-se como competentes.

Ainda que se defenda que há razões para os dois lados da moeda, o fato é que - desde o Código Eleitoral de 1932 até a Constituição de 1988 - os crimes conexos aos crimes eleitorais são da competência da Justiça Eleitoral. Tanto é assim que o art. 109, inciso IV, da Constituição, ressalva expressamente a competência da Justiça Eleitoral, a saber: os crimes políticos e as infrações penais praticadas em detrimento de bens, serviços ou interesse da União ou de suas entidades autárquicas ou empresas públicas, excluídas as contravenções e ressalvada a competência da Justiça Militar e da Justiça Eleitoral.

E a competência criminal da Justiça Eleitoral se estabelece para julgar os crimes eleitorais e os que lhe são conexos, no que Gilmar Mendes chamou de “continuidade normativa”.

PONTO DOIS:

Aqui entra o instituto processual da conexão como a cereja do bolo. Até porque a decisão do Supremo Tribunal Federal, que causou todo esse imbróglio, definiu que cabe à Justiça Eleitoral analisar, caso a caso, a existência da conexão entre delitos comuns e delitos eleitorais.

Reconhecida a conexão, mantém-se o processo e julgamento na Justiça especializada para todas as imputações; não reconhecida, haverá a cisão processual, ficando apenas o crime eleitoral na sua seara e os demais encaminhados ou para a Justiça Federal – se houver ofensa aos bens, serviços ou interesse da União – ou para a Justiça Estadual comum, caso o interesse se limite ao Estado-membro ou ao Município.

A regra é simples; mas reconhecer a conexão não é simples!

Processualistas penais de plantão, a bola da vez está com Vossas Excelências, pois ao fim e ao cabo é o instituto de processo penal que vai determinar a competência, no caso concreto. A conexão será o fiel da balança!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Judiciário versus democracia: eleição direta

O exemplo que vem do Tribunal de Justiça de Roraima: “Independentemente da instância em que atuam, todos os juízes votam, com maior comprometimento nos programas de otimização e qualificação da prestação jurisdicional”.

Portal Fiscaliza Manaus

Constituição escrita a lápis

 

Constituição escrita a lápis

“Pela Emenda Constitucional nº 97/2017 alterou-se a Carta Magna para restringir as coligações partidárias exclusivamente às eleições majoritárias, vedando-se sua aplicação às eleições proporcionais. Contudo, já se fala nos corredores (do Congresso e da política) em rever essa reforma que ainda não foi aplicada”.

Chargista Duke

Fake news: o mal do século 21?

 

Fake news: o mal do século 21?

“Desinformação reproduzida e multiplicada em nada agrega nem ao espaço privado, nem ao público. Desinformação não constrói, desconstrói; é um mal e como tal deve ser tratada”.