Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 11 de outubro de 2019.

Uma nova pérola jurídica



Arte de Camila Adamoli sobre foto divulgação TRF-4

Imagem da Matéria

Guaporé, 20 de março de 2019.

Ao
Espaço Vital

Ref.: Uma nova pérola jurídica

Ecoando a notícia veiculada, acerca do "estagiário cearense que suspendeu a audiência", segue outra pérola – esta oriunda aqui do RS, prolatada no último dia 19, em ação que tramita na Justiça Federal de Cruz Alta (RS).

Trata-se de “ato” subscrito por pessoa não investida de função jurisdicional, eis que sua qualificação indica ser “supervisora”.

Indica o “ato” que ele estaria sendo praticado com “... autorização prevista no artigo 203, do Código de Processo Civil de 2015 c/c 231 da Consolidação Normativa da Corregedoria da Justiça Federal da 4ª Região”.

O art. 203 do CPC refere-se aos pronunciamentos do juiz. Em seu § 4º autoriza que o servidor cartorário pratique “atos meramente ordinatórios”.

De outro lado, o art. 231 da Consolidação Normativa da Corregedoria da Justiça Federal da 4ª Região, indicado no mencionado “ato”, se refere a matéria totalmente estranha, a saber:

Art. 231. O mapa de produtividade dos Oficiais de Justiça Avaliadores será expedido no dia 5 (cinco) de cada mês e disponibilizado na intranet da Seção Judiciária, contendo os seguintes dados:

I – os nomes dos Oficiais de Justiça Avaliadores;

II – a quantidade de mandados distribuídos, classificados por tipo;

III – o total de diligências realizadas;

IV – o número de mandados cumpridos, de mandados parcialmente cumpridos e de mandados devolvidos sem cumprimento;

V – o número de mandados remanescentes;

VI – o período a que se refere o mapa.

Parágrafo único. Quanto ao resultado das diligências, o mandado considera-se:

a) cumprido, aquela cuja ordem foi executada na íntegra ou quando, existindo ordens sucessivas, o cumprimento de uma delas esgotar o objeto do mandado;

b) parcialmente cumprido, o que, contendo mais de uma ordem, tenha sido devolvido com uma ou mais ordens não executadas;

c) sem cumprimento, o que não teve executada qualquer das ordens nele contidas.

Inicialmente, se observa que há fundada dúvida acerca da NATUREZA JURÍDICA do ato mencionado, bem como do ALCANCE E EFEITOS de seus comandos.

Em se tratando de ATO DECISÓRIO, possuiria efeito imperativo sobre as partes, e portanto deve ser atacado por recurso, sob pena de preclusão.

Em se tratando de ATO MERAMENTE ORDINATÓRIO, não é atacável por recurso (art. 1001 CPC), uma vez que não possuiria nenhum efeito sobre os direitos das partes.

De outro lado, o mencionado “ato ordinatório” estabelece limitação ao valor dos honorários contratuais, sem que nele haja qualquer menção ao fundamento jurídico que o embase, o que representa violação ao disposto no art. 489, §1º, do CPC.

O contrato particular de honorários é ato jurídico praticado entre o cliente e seu advogado, estranho à matéria posta em discussão no processo. Por força do disposto no art. 141 do CPC, a atuação jurisdicional é adstrita aos limites estabelecidos pelas partes, “... sendo-lhe vedado conhecer de questões não suscitadas a cujo respeito a lei exige iniciativa da parte”.

Salvo melhor juízo, a relação jurídico-contratual existente entre a parte e o seu advogado NÃO INTEGRA A LIDE, nem tampouco se constitui em matéria de ordem pública.

Portanto, não poderia ser objeto de exame jurisdicional sem que para tal haja expressa provocação.

Fica o registro da indignação deste advogado, e – imagino - de toda classe jurídica, ao acintoso desrespeito para com os mais elementares princípios norteadores da Função Jurisdicional.

Atenciosamente

Carlos Francisco Büttenbender, advogado (OAB-RS nº 34.966).
carlosfb.advogado@terra.com.br

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Nota do editor – O advogado atuante na ação informou ao EV o número do processo e enviou comprovação documental. Mas solicitou que, “por respeito à privacidade da parte, em caso de publicação, seja omitido o número do processo”.

O Espaço Vital acolheu o pedido. Seguramente, se a Corregedoria da Justiça Federal desejar, terá fáceis meios de chegar – eletronicamente, até – ao processo, apurando, esclarecendo e trazendo seu contraponto.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli com caricaturas de Frank Maia (Humor Político)

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um  ato judicial

 

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um ato judicial

Demora no pagamento de um alvará judicial encaminhado para “apreciação e controle do núcleo jurídico do BB”. E a concordância da juíza da causa:“Deverá o autor aguardar os trâmites internos do banco depositário para liberação do valor”. Leia os detalhes em “Carta de Leitor”, enviada pelo advogado Gastão Bertim Ponsi.

Divulgação

A Deusa Gaúcha da Justiça

 

A Deusa Gaúcha da Justiça

“Uma mulher cabelo indígena, com folha de trevo de quatro pétalas ao cabelo; rosto sem venda (símbolo da clareza e do conhecimento); busto da índia guarani missioneira, vestida de prenda”. A proposta é do advogado Eliseu Holz.