Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de junho de 2019.

Segurança do Inter não receberá horas extras por trabalhar em jogos e eventos



A 4ª Turma do TST indeferiu o pagamento de horas extras e de adicional noturno a um segurança do Sport Club Internacional de Porto Alegre (RS) que prestava serviços em jogos e reuniões após a sua jornada normal de trabalho.

O fundamento da decisão foi o fato de o acordo coletivo prever a possibilidade de trabalho extraordinário facultativo sem repercussão no contrato de trabalho.

Para entender o caso

•  O segurança trabalhou para o Internacional de janeiro de 2005 a julho de 2010. Na reclamação trabalhista, ele argumentou que prestava serviço das 9h às 15h. Nos dias de jogo, no entanto a jornada continuava até as 24 h, e a remuneração desse serviço extraordinário constava no contracheque com o título de “tarefas”, sem o pagamento das horas extras e do adicional noturno.

•  Em sua defesa, o Internacional apresentou os acordos coletivos de trabalho vigentes durante o contrato. Eles previam que os empregados, além das horas normais de trabalho poderiam – se quisessem - prestar serviços em eventos nas dependências do clube (jogos, shows, assembleias) “em caráter alheio e desvinculado do contrato de emprego”.

•  Em relação a esse serviço por tarefa, a norma coletiva impedia expressamente a caracterização de jornada extraordinária e as repercussões em adicional noturno, FGTS, 13º salário, férias e repouso semanal remunerado.

•  O pagamento por esse serviço era desvinculado do salário, e o valor variava de acordo com o evento.

Sentença concluiu pela invalidade

O juízo da 19ª Vara do Trabalho de Porto Alegre julgou inválida a cláusula coletiva e condenou o Internacional ao pagamento das horas extras e do adicional noturno. O TRT da 4ª Região manteve a sentença, ao entender que a finalidade da norma coletiva era eximir o empregador do pagamento de horas extras, apesar da prestação de serviço além da jornada ordinária.

No recurso de revista, o Inter sustentou que “a remuneração da tarefa, às vezes, era superior ao valor que o empregado receberia se a atividade fosse vinculada ao contrato de emprego”.

Provimento no TST

O relator, ministro Alexandre Luiz Ramos, observou que o processo de negociação coletiva consiste em concessões recíprocas, visando a um resultado que seja benéfico às partes. “As cláusulas não podem ser analisadas de forma individualizada, pois cada uma se vincula ao equilíbrio da negociação coletiva” - explicou.

Com base em decisão do STF (RE nº 590.415), o ministro ressaltou que a Constituição da República reconhece a validade da negociação coletiva em respeito ao princípio da autonomia coletiva privada dos sindicatos (artigo 7º, inciso XXVI) e admite a possibilidade de pactuar até mesmo a redução de direitos trabalhistas.

Por unanimidade, a Quarta Turma acompanhou o voto do relator. Não há trânsito em julgado. Só no TST, a tramitação demorou quatro anos e meio. O advogado Fernando Scarpellini Mattos defendeu o Inter. (RR nº 317-85.2012.5.04.0019 – com informações do TST e da redação do Espaço Vital).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Mesada em substituição à aposentadoria

O TRT de Minas cria original precedente: responsabiliza o empregador a pagar mensalmente, a um trabalhador que tenta se aposentar, o valor que ele teria direito de receber. A obrigação persistirá até que a situação dos recolhimentos previdenciários seja resolvida junto ao INSS.

Decisão do STF suspende acórdão do TRT da 4ª Região

Acolhimento liminar de reclamação suspende decisão que determinava que uma empresa gaúcha procedesse ao desconto da contribuição sindical de todos os trabalhadores, ainda que estes não tenham autorizado.

Cola prejudicial à saúde

TRT-RS condena empresa fornecedora de equipamentos hospitalares. Acórdão alerta para os riscos das lidas com a cola ciclohexanona.