Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 15 de outubro de 2019.

Madrasta admite que matou Bernardo e inocenta o pai pela morte de filho



Google Imagens

Imagem da Matéria

O médico e a enfermeira, aparentemente felizes, um ano antes do crime. Como diria Altemar Dutra em ´O Trovador´: “Os velhos tempos que não voltam mais...”

Graciele Ugulini, madrasta do menino Bernardo, começou o depoimento no quarto dia de julgamento, que ocorre desde a última segunda-feira (11/3), no Fórum da cidade de Três Passos, ao norte do Rio Grande do Sul. Ela afirmou que a maioria dos fatos constantes na acusação, ocorridos durante o assassinato de Bernardo, em abril de 2014, é verdadeiro. "O Leandro não tem nada a ver, só quero o perdão dele. O Leandro não tem nada a ver com isso, é tudo culpa minha" - afirmou a enfermeira, acusada de homicídio triplamente qualificado.

Graciele chorou durante o depoimento que teve início às 9h35 desta quinta-feira (14), e se estendeu até o fim da manhã. Esta foi a primeira vez que Graciele prestou esclarecimentos publicamente sobre o crime. O único depoimento que deu foi à polícia, em 30 de abril de 2014.

Ao depor ontem, a madrasta afirmou que levou Bernardo com ela na viagem de Três Passos a Frederico Westphalen, e que o menino estava muito agitado. Para “acalmá-lo”, a enfermeira deu cinco doses do medicamento Ritalina. "De repente eu olhei, ele estava encostado, babando... levantei a camiseta dele e vi que não tinha movimento respiratório. Chacoalhei, mexi ele e nada", lembrou.

Graciele Ugulini afirmou à juíza que a amiga Odilaine Uglione, também ré no caso, queria levar de imediato o garoto, já desacordado ao hospital para receber atendimento. No entanto, a enfermeira admitiu que preferiu esconder o corpo da criança devido à relação dela com o marido e pai de Bernardo, o médico Leandro Boldrini. "Admito que dissimulei. Tentei de todas formas agir de forma normal para Leandro não desconfiar", revelou a enfermeira.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

STF tranca ação contra assessor jurídico de Canela (RS)

Ação penal em tramitação na Justiça Federal de Caxias do Sul (RS) aborda a apropriação de bens ou rendas públicas, e/ou desvio em proveito próprio ou alheio, ocorridos em 2010. Seguem como réus o prefeito Constantino Orsolim (MDB) e cinco pessoas ligadas à administração municipal.

Procurador da Fazenda tenta matar juíza no TRF-3

Matheus Carneiro Assunção atacou a magistrada federal Louise Figueiras,  sob a alegação de que o ato seria um “protesto”. A magistrada teve ferimentos leves. O criminoso – que parecia estar tomado por um surto psicótico - foi preso em flagrante

Reprodução > https://www.flickr.com/photos/cnj_oficial/8637666064

Adiada para 16 ou 23 a decisão do STF sobre o alcance de tese que afeta a Lava-Jato

 

Adiada para 16 ou 23 a decisão do STF sobre o alcance de tese que afeta a Lava-Jato

O Plenário do STF adiou para daqui 13 ou 20 dias – isto é, para 16 ou 23 de outubro, a decisão sobre o alcance da tese que pode levar à anulação de sentenças da Operação Lava Jato e de outras ações criminais no país. Concluindo o julgamento de um habeas corpus, por 7 a 4, a Corte definiu ontem (2) que réus delatados devem apresentar as alegações finais depois dos réus delatores, “em nome da garantia do direito à ampla defesa nas ações penais”.