Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de junho de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

Vem aí a nova versão do BacenJud



Arte de Camila Adamoli sobre imagens Camera Press e Banco Central do Brasil

Imagem da Matéria

 Aperfeiçoamento do BacenJud

O juiz federal da Lava-Jato no Rio, Marcelo Bretas, acolheu pedido do Banco Central, para – do dinheiro recuperado da roubalheira – destinar R$ 2 milhões “para o desenvolvimento da nova versão do BacenJud”.

Trata-se do sistema de comunicação entre o Judiciário e as instituições financeiras, para recuperar valores mal havidos e, também, penhorar grana de pessoas inadimplentes.

O sistema atual, criado em 2005, é usado para o bloqueio de valores dos investigados e caloteiros. A nova versão “possibilitará também a ágil quebra do sigilo bancário”.

 

 Taquaraço trienal

Aplausos à iniciativa e à decisão acima. Mas o sucesso dependerá também de outras posturas: disposição, capacidade de agir e outros sinônimos jurisdicionais.

Na semana passada, o juiz Frederico Menegaz Conrado, da 1ª Vara da comarca de Taquara (RS), produziu uma pérola jurídica, revelada pelo advogado Fábio Kwasniewswki de Almeida (OAB-RS nº 39.391).

O magistrado Conrado, numa ação de cobrança (R$ 15 mil) que dura mais de nove anos, observou que já fora realizada constrição parcial, via BacenJud, há menos de três anos. Também considerou “o elevado número de processos que tramitam na 1ª Vara Judicial de Taquara (RS) e o diminuto aparelhamento humano para dar conta de tamanha demanda”.

E limitou as novas tentativas de penhora pelo BacenJud: “Indefiro por ora o pedido, determinando seja arquivado administrativamente o feito, com nova conclusão quando expirado o prazo de três anos da última tentativa de BacenJud, para nova investida”. (Proc. nº 070/1.09.0003410-1).

Na contramão da agilidade, tal taquaraço judicial é candidato a entrar no rol dos “piores do ano”.

Madame Tartaruga Jurisdicional está comemorando antecipadamente.

  Casamentos controlados

Foi publicada no Diário Oficial da União, na quarta-feira (13), a Lei nº 13.811, que altera o Código Civil para proibir o casamento de menores de 16 anos. O artigo 1.520 do Código Civil passou a ter nova redação: "Não será permitido, em qualquer caso, o casamento de quem não atingiu a idade núbil, observado o disposto no art. 1.517 deste Código".

A mudança foi aprovada em dezembro pelo Senado. No caso de jovens com 16 ou 17 anos, foi mantida a possibilidade de se casarem, desde que autorizados pelos pais ou responsáveis.

O projeto que resultou na lei é de autoria da ex-deputada Laura Carneiro (DEM-RJ). Na justificativa, ela referiu estudo da ONG Promundo, publicado em 2015: “O Brasil é o quarto país em números absolutos com mais casamentos infantis no mundo. Três milhões de mulheres afirmaram ter casado antes dos 18 anos”.

O estudo também indica que 877 mil mulheres brasileiras casaram-se com até 15 anos de idade. Mais: atualmente existiriam cerca de 88 mil meninos e meninas - com idades entre 10 e 14 anos - em uniões consensuais, civis e/ou religiosas no Brasil.

 Pernoite diferenciado

O ministro Rogerio Schietti Cruz, do STJ, garantiu liminarmente a uma travesti presa e condenada – por sucessão de furtos - em regime semiaberto, o direito de pernoitar na ala feminina do Presídio Estadual de Cruz Alta (RS). Foi a primeira vez que a corte analisou o tema.

Na decisão, o ministro entendeu que a permanência da travesti no presídio masculino é imprópria para uma pessoa que se identifica e se comporta como gênero feminino, "dada a característica ainda patriarcal e preconceituosa de boa parte de nossa sociedade, agravada pela promiscuidade que caracteriza ambientes carcerários masculinos".

A defesa da travesti, no caso acima relatado, foi feita pela Defensoria Pública do RS. Segundo a tese da impetração, a separação das penitenciárias apenas entre homens e mulheres gera violação ao princípio da dignidade da pessoa humana.

O habeas sustentou que a atuação estatal vem “desconsiderando as identificações de gêneros das pessoas recolhidas que não se enquadram nem como homens, nem como mulheres, em virtude das peculiaridades de transgeneridade”. (HC nº 497.226).

 Romildo tri?

Ativas forças tricolores decidiram apoiar a tentativa de segunda reeleição de Romildo Bolzan às próximas eleições, em outubro, do Grêmio Porto-Alegrense. O próximo passo exige a alteração dos estatutos – a ser buscada mediante substanciosa fundamentação jurídica.

Ontem pela manhã, o procurador de justiça aposentado e jurista Lenio Streck, notório gremista e combatente contra a “Imprensa Vermelha Isenta” aceitou ser o artífice do parecer e da fórmula das mudanças normativas necessárias à possibilidade do terceiro mandato.

O baú do Espaço Vital registra que a era Bolzan no Grêmio começou em 18 de outubro de 2014. Com 6.398 votos (71,4%), ele foi eleito presidente do Tricolor, para mandato de dois anos, após votação dos sócios em segundo turno. Candidato da oposição, Homero Bellini Júnior ficou com 2.557 votos (28,6%).

A reeleição de Bolzan foi em 12 de novembro de 2016, para mandato de três anos, com 5.605 votos (85,3% do total). O adversário Raul Mendes, ex-atleta tricolor, obteve apenas 963 votos (14,7%).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Montagem EV sobre foto Divulgação/SBT)

SBT e Ratinho indenizarão dois padres com R$ 872 mil

 

SBT e Ratinho indenizarão dois padres com R$ 872 mil

 Desfecho, afinal, de um caso que começou em abril de 1999. Na ocasião um noivo desistiu de seu casamento em pequena cidade do Paraná e o caso se transformou num rastilho teatral.

 Programa de tevê anunciou que o homem desistente teria preferido ficar com o padre.

 A demora crônica da Justiça brasileira.

 Um dos clérigos autor da ação por dano moral faleceu em 2018.

 Ação popular de quatro advogados pede, à Justiça Federal de São Paulo, o afastamento de Sérgio Moro.

Cartunista Walmir Orlandeli

   Condenação da Gol (R$ 1,2 milhões) por afronta a passageiros

 

Condenação da Gol (R$ 1,2 milhões) por afronta a passageiros

 Ação civil pública ajuizada pela Andep favorece 27 passageiros prejudicados pela empresa aérea em Curitiba, Buenos Aires, Montevidéu e Fernando de Noronha. Há trânsito em julgado e a empresa já pagou. Tramitação processual de dez anos e 41 recursos chegou a ter o oferecimento de uma carta de fiança falsa.

 O que Eduardo Cunha pode ter aprendido ao ler o livro “O Príncipe”, de Maquiavel.

 Um bode jurídico e a perda de sêmens de caprinos, na pauta da 6ª Câmara Cível do TJRS.

Arte EV sobre foto de Paul Nelhams

O avião enganoso e o julgamento enganado

 

O avião enganoso e o julgamento enganado

  Arquiteta porto-alegrense, ludibriada pela TAP Air Portugal, ganha indenização moral de R$ 1.500! Juiz leigo e juíza togada levaram em consideração “a condição da vítima e da empresa ofensora”...

 Corregedoria-Geral da Justiça do RS publica provimento que modifica as regras de registro de nascituros com “anomalia de diferenciação sexual”.

  Treze contratos publicitários sofrerão o “efeito ressaca” da atuação de Neymar no hotel parisiense.

 Duas chapas concorrem às eleições de dezembro no TJRS

Procedência de ação rescisória porque recurso foi decidido por desembargador impedido

 O advogado da multinacional reclamada era filho do magistrado-relator. Ele negou provimento a recurso ordinário em ação trabalhista que desacolheu pedidos de trabalhador

• Desembargador Thompson Flores passará a integrar a 8ª Turma do TRF-4 que julga recursos da Lava-Jato.

• Tartaruga suprema: julgamento pelo STF de ação direta de inconstitucionalidade que tramita há 24 anos.

 A moeda da Venezuela vai terminar como “pobre bolívar”?

• Passou a fase da prosperidade dos escritórios de advocacia que defendem os enrolados com a corrupção.

Arte de Camila Adamoli sobre imagem do TCU

   A tecnologia no controle das licitações

 

A tecnologia no controle das licitações

 Alice, Sofia e Monica: as três robôs que auxiliam o trabalho do Tribunal de Contas da União. Saiba por que elas têm esses nomes.

 A recuperação judicial da Atvos: débitos de R$ 11 bilhões e 900 milhões.

 BNDES, Banco do Brasil e Caixa Federal: as “mães” da Odebrecht.

 Mais dois deputados federais - que não se reelegeram em outubro - garantiram aposentadoria na Câmara. Um deles é gaúcho.

 A Braskem começa a devolver R$ 2,87 bilhões para a União.

Advogado condenado criminalmente pelo TJRS escapa no julgamento ético da OAB gaúcha

 

Advogado condenado criminalmente pelo TJRS escapa no julgamento ético da OAB gaúcha

  Denunciado por corrupção ativa e lavagem de dinheiro, o profissional da advocacia teve também desencadeado contra si, em 2012, processo ético-disciplinar. Mas – surpresa!... – prescreveu.

  Cultura geral: um alerta para que o príncipe Hamlet perceba a situação de perigo em que se encontra, principalmente por ações causadas por pessoas próximas a ele.

  Esposa de conselheiro cassado do Tribunal de Contas receberá aposentadoria de R$ 35 mil pela Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

  Casas Bahia e Ponto Frio pagam R$ 4,5 milhões para colocar fim a duas ações trabalhistas.

  Leilões de patrimônio da bandidagem: 33 embarcações, 12 aeronaves, 300 joias, 6.708 veículos, 9.679 eletrônicos.

  A paciência do Bradesco que está ajudando a Odebrecht.