Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de junho de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/smj.jpg

A “flauta” colorada direcionada contra o Grêmio nas redes sociais



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

• Decréscimo?

A ilustração no alto desta página retrata a sutil gozação colorada, postada ontem (14) nas redes sociais, com milhares de compartilhamentos, um dia depois da vitória do Inter e dois dias após a derrota do Grêmio:

“É o sonho se desfazendo, com o fim tricolor no grupo da morte:

LIBERTADORES
LIBERTADORE
LIBERTADOR
LIBERTADO
LIBERTAD”.

A “rádio-corredor” da Federação Gaúcha de Futebol anunciou ontem (14) que, para evitar o surgimento de eventual crise futebolística, o Grêmio está oferecendo um “bicho extra” a seus jogadores, por uma vitória domingo, no Gre-Nal (não vale empate!).

Seriam R$ 15 mil por cabeça. Mas há controvérsias.

 Cobrança condominial eficaz

É possível incluir as parcelas condominiais vincendas no curso da ação de execução de título extrajudicial. A decisão é da 3ª Turma do STJ ao acolher recurso especial contra acórdão do TJ gaúcho.

A inconformidade foi apresentada pelo Condomínio Alphaville, de Gravataí, em ação promovida contra três condôminos inadimplentes. O tribunal estadual negou a inclusão das cotas a vencer no curso da ação executiva, porque “tal violaria o contraditório e a ampla defesa”.

No STJ, o condomínio sustentou ser possível a inclusão de cotas condominiais vincendas, pois o CPC/2015 prevê a aplicação subsidiária das disposições do processo de conhecimento ao processo de execução.

O relator, ministro Marco Aurélio Bellizze, acolheu: “A peculiaridade do caso está no fato de que o condomínio ajuizou ação de execução de título extrajudicial, e não ação de cobrança, buscando o pagamento das cotas em atraso e daquelas que vencessem no curso do processo”. (REsp nº 1759364).

• “Generais, posicionem-se!”

O Plenário do Conselho Nacional do Ministério Público aplicou na terça-feira (12), por maioria, duas penalidades de censura à procuradora de Justiça Camila de Fátima Teixeira – que atua em Minas Gerais - por ofender, no Twitter, quatro ministros do Supremo. Cada sanção se refere a um acontecimento distinto.

Segundo os autos, em abril de 2018, ela se manifestou ofensivamente ao STF e a três de seus ministros, incitando atos de coação e violência, inclusive por meio de força.

"Generais, saiam do Twitter e posicionem seus homens no entorno do STF, até que Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli entreguem suas togas. Marquem dia que vamos juntos: Brasileiros + Exército salvaremos a Lava Jato!" - escreveu Camila na sua conta em abril deste ano, utilizando o apelido "Camila Moro".

Em outra publicação ela escreveu: "Que venha a intervenção militar e exploda o STF e o Congresso de vez".

No mesmo mês, na conta intitulada "Camila Teixeira", a procuradora publicou textos ofensivos, sobrepostos à imagem do ministro Marco Aurélio Mello: "Trabalha diariamente para soltar Lula; alô, generais, tomem uma atitude!". (Proc. nº 1.00479/2018-01).

 “Conveniência” de poderosos

A discussão sobre a “taxa de conveniência” como um sobre preço casado, imposto aos consumidores na compra de ingressos para shows e peças teatrais, ocupa destaque nesta edição de hoje do EV.

É bom lembrar que o movimento popular gaúcho de reação começou a ganhar corpo em 2013, por ocasião da série de shows do grupo Red Hot Chili Peppers, no Brasil. Consumidores queixaram-se aos Procons que, além de cobrar a “taxa de conveniência” e a “taxa de entrega”, a empresa vendedora também limitou a compra para apenas um ingresso de estudante por pessoa.

Ou seja, algumas pessoas tiveram que fazer compras distintas e pagar as tais taxas mais de uma vez, até mesmo nos casos em que endereço de entrega de dois, três, quatro ingressos era o mesmo.

• Preparando a saída

Com o título “Eu também quero”, o jornalista Ancelmo Gois revela hoje (15), em sua coluna no jornal O Globo, a seguinte informação, curta, mas consistente:

“Um advogado de Eduardo Cunha acompanhou ontem,
no STF, a sessão que decidiu que crimes eleitorais como
o caixa 2 devem ser transferidos para a Justiça Eleitoral”.

• Juiz voltando

Aliás, o mesmo Marco Aurélio devolveu ao cargo o juiz que planejava anular as eleições gerais de 2018 em Goiás. Uma investigação revelou que o magistrado Eduardo Luiz Rocha Cubas pretendia mandar as Forças Armadas recolherem urnas eletrônicas no dia anterior ao pleito, prejudicando o andamento normal do processo eleitoral.

Cubas havia sido afastado pelo Conselho Nacional de Justiça. A decisão de Marco Aurélio afirma que a decisão do CNJ se baseou apenas na gravidade ocasional dos fatos e na necessidade de garantir a normalidade das eleições.

Como as eleições já passaram e não foram apresentados motivos que justifiquem a manutenção do afastamento, o magistrado deve voltar às atividades. (MS nº 36.269).

• Onerosidade excessiva

O juiz Felipe Ferrari Bedendi, da 22ª Vara Cível de São Paulo, anulou o aumento de 70% imposto pela Amil a um cliente.

Conforme a decisão, “o aumento das mensalidades por faixa etária, de mais de 70%, tal como aplicado no caso, é abusivo, porque há excessiva onerosidade a uma das partes, causando patente desequilíbrio do contrato celebrado, e não estão demonstrados de forma clara os critérios atuariais para sua incidência, consignando-se que a inflação no período foi de cerca de 6%".

O julgado monocrático ressaltou que a matéria analisada no caso foi julgada em recurso especial, afetado pela sistemática do recurso repetitivo, no STJ (REsp nº 1.568.24). Na ocasião, a corte superior fixou uma tese: "O reajuste de mensalidade de plano de saúde individual ou familiar fundado na mudança de faixa etária do beneficiário é válido desde que (i) haja previsão contratual, (ii) sejam observadas as normas expedidas pelos órgãos governamentais reguladores e (iii) não sejam aplicados percentuais desarrazoados ou aleatórios que, concretamente e sem base atuarial idônea, onerem excessivamente o consumidor ou discriminem o idoso".

Advogados interessados no novo precedente paulista podem acessar, no saite do TJ-SP, o processo nº 1015889-07.2019.8.26.0100.

 Curta e grossa

No final do julgamento de ontem (14) no STF, o ministro Marco Aurélio, relator, não fez segredo.

Definiu a ementa de pronto, do Plenário: "Compete à justiça eleitoral julgar os crimes eleitorais e os comuns que lhe forem conexos".

A publicação do acórdão é aguardada para o final deste mês.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

O Telegram, por meio do qual Moro e Deltan se comunicavam, tem capital russo e sede em Dubai

 

O Telegram, por meio do qual Moro e Deltan se comunicavam, tem capital russo e sede em Dubai

 Constatações em série: Sérgio Moro continua o ministro mais popular do governo.

 Ex-ministro do STF Carlos Velloso avalia que os vazamentos de conversas “não devem virar trunfos para os acusados pela Lava-Jato”.

• Uma dica antiga de Tancredo Neves: “Só fale por telefone aquilo que você pode falar em público”.

 São turvas as relações atuais entre a OAB-RS e a OAB nacional.

 Advogados simpáticos ao PT já preparam articulações para tentar ganhar as eleições na Ordem gaúcha em 2020.

 O pito que, em público, João Dória passou num coronel da PM paulista.

Imagem de JetShoots.com – Montagem de Gerson Kauer

   As ações do ex-presidente da OAB Claudio Lamachia contra a Gol e a Tam

 

As ações do ex-presidente da OAB Claudio Lamachia contra a Gol e a Tam

   Os maus serviços, a impontualidade e a falta de assistência praticados pelas empresas aéreas. A (finada) Avianca é a campeã de reclamações.

   O casal de namorados que comprou passagem para ir a Florianópolis de avião, mas teve que se sujeitar a sete horas de viagem de ônibus.

  A ação da atriz Juliana Paes e seus filhos contra a Delta Airlines: dez horas retidos em Atlanta (EUA).

   A (des) ordem nacional da má prestação de serviços: Oi (1º), Vivo (2º), Claro (3º), Sky (4º) e Net (5º).

Arte de Camila Adamoli sobre charge de Junião

   Mudanças no Estatuto da OAB para que advogados sentem no mesmo “plano topográfico do juiz”

 

Mudanças no Estatuto da OAB para que advogados sentem no mesmo “plano topográfico do juiz”

 R$ 5,8 milhões anuais para que os deputados federais viajem à vontade.

 Uma compra de 106 mil pistolas.

 Empresários, tremei! Vem aí uma delação arrasadora.

• Fiança (paga!) de R$ 90 milhões para soltar um preso.

 Uma mulher brasileira comandará, a partir de Cingapura, a operação da Coca-Cola em onze países asiáticos.

VOX MS

   As relações pessoais entre o então juiz, seu assessor e três advogados

 

As relações pessoais entre o então juiz, seu assessor e três advogados

 Um concurso para ingresso na magistratura em que Diego foi aprovado, mas Juliano não teve igual sorte.

 No mesmo dia da posse do juiz, porém, o amigo é designado para assessor. Então, os dois passam a morar juntos.

 O advogado Eugênio Costa e suas influências na comarca. Encontros para jogar vídeo games. E uma ida às compras no free shop do Chuí.

 O oferecimento dos serviços de futura consultoria advocatícia.

 “É nesse círculo de relacionamentos em que relações da vida privada (amizade, camaradagem, afinidades pessoais) se misturam com a vida profissional, que o Dr. Diego Magoga Conde passou a comprometer a sua independência de magistrado” – afirma o desembargador Rogério Gesta Leal.

Lula está apaixonado e planeja casar

•  Revelação foi feita por Luiz Carlos Bresser Pereira, ex-ministro de FHC. A eleita é uma paulista, 40 de idade.

•  Gilmar garante a executivo da Vale direito ao silêncio em CPI sobre Brumadinho.

•  Promotores rebatem estudo da OAB contra prisão em segunda instância.

•  TJ de Pernambuco anuncia o “divórcio impositivo”.

Amatra-IV (reprodução)

Um novo round no enfrentamento entre OAB-RS e o juiz Guilherme da Rocha Zambrano

 

Um novo round no enfrentamento entre OAB-RS e o juiz Guilherme da Rocha Zambrano

• Sentença proferida pela juíza federal Paula Beck Bohn condena a Ordem gaúcha a pagar R$ 10 mil ao magistrado.

 Decisão anterior do juiz federal Francisco Donizete Gomes atribuiu segredo de justiça ao feito.

 Editora Abril condenada por veiculação de anúncio sobre “sexo selvagem”.

 Certezas e dúvidas de Dilma Rousseff sobre jogos da Libertadores da América.

 Gata pode ficar em apartamento residencial, se não incomodar os vizinhos do prédio.