Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

A noite NÃO e a noite SIM



Arte de Camila Adamoli sobre foto Uol

Imagem da Matéria

Ao iniciar o ano, com a retomada das competições, estava decretado que o Internacional apenas aguardaria o tempo passar para ser eliminado da Libertadores. Enquanto isso, o nosso tradicional adversário era considerado o melhor time da competição (à época sem jogar), pronto para derrubar um a um os seus adversários.

Sublinhe-se que todo o cenário foi montado apesar da dita majoritária “imprensa vermelha”, apontada pela vertente paranoica como manipuladora da opinião pública gaúcha.

A partida inaugural do Internacional desencadeou uma série de comentários, como se houvesse perdido. Ao contrário, o rival colheu as “glórias de um glorioso” empate, apontado como uma mera etapa para as esmagadoras vitórias que viriam em seguida. Segundo boa parcela da imprensa a afirmação do alvissareiro futebol viria na sequência.

Ninguém pode afirmar que a primeira vitória do Internacional foi fruto de um futebol exuberante. Todavia, adotando a lógica utilitarista, vitória é vitória.

Veio a segunda rodada, recheada pelo ingrediente - jogos em casa. Aí o assanhamento do melhor sem jogar, foi insuperável. O palco do grande espetáculo estava sendo apontado como no Humaitá.

Pois bem, veio a terça-feira e o “melhor”, o virtual “dono da América”, esfacelou-se aos olhos de todos. Foi derrotado perante a sua torcida, sem esboçar qualquer reação. Nem mesmo os ídolos do momento foram capazes de imposição em campo.

Foi um banho de realismo que paralisou o treinador.

Como sempre, vi o jogo na tevê e ouvi pelo rádio.

Patético! A narrativa e os comentários, ufanistas na essência, não correspondiam com aquilo que eu testemunhava com os olhos.

Para não perder tempo com detalhes, aludo um comentário lançado quando anunciado os descontos de quatro minutos: ... “É o necessário para empatar o jogo”...

Acerca do tsunami paraguaio que invadiu Humaitá, o treinador derrotado limitou-se a afirmar: ...”Hoje foi o dia NÃO...”

Admitindo a prosaica explicação, temos que admitir o dia, ou mais precisamente a noite, SIM.

Ela veio vinte e quatro horas após. O time do Internacional revelou perante a torcida vibrante, a melhor apresentação dos últimos anos. Deu tudo certo!

Coincidentemente, na trilha de minha manifestação anterior neste espaço Jus Vermelha, relativa à necessidade de unificação e pacificação do Internacional como premissa às conquistas, estava sendo esboçada a unidade das principais forças políticas para a composição da mesa do Conselho Deliberativo e Fiscal.

Um passo importante está sendo dado, a eleição de José Aquino para presidente do Conselho, uma garantia de autonomia e independência para o órgão.

Cada vez mais é hora de apoiar o time e atletas, pois futebol se ganha jogando.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Os 110 anos de Inter!

* Um pout-pourri de tópicos * O que temos a aprender com os gringos *  Pensando com a cabeça de quem joga xadrez e não damas, o empate ocorreu no âmbito das nossas possibilidades de pontuação *  Paciência com Guerrero, a partir de amanhã.

“E s t a u t a ?!”...

Depois de identificar o homenageado azul a partir do nome, passei a prestar mais atenção na obra, cheia de detalhes cômicos. Antecipo que não estabeleço uma disputa entre estátuas, pois considero aquela dedicada ao Capitão Fernandão, também horrorosa”

A covardia é irmã gêmea da arrogância

“Com virose ou sem virose, o Gre-Nal de domingo passado (17) foi o da covardia e da renúncia. Mas registro a minha satisfação com o jovem Nonato; ele revelou ter sangue nas veias, tendo lutado muito. A expulsão pesa menos do que o demonstrado em campo”.

Pato Abbondanzieri no Internacional e a Libertadores

“Foi uma das figuras mais extraordinárias que conheci no Inter: inteligente, dedicado e talentoso. Também relembro Don Jorge Fossati, também acima de tudo um cidadão e que ousou disputar o fechadíssimo mercado de trabalho dos treinadores de futebol brasileiros”.

A necessária pacificação no Inter e a proximidade da Libertadores

“O elogiado exemplo gremista: o presidente Romildo Bolzan marca a sua gestão pela inclusão. No Inter, há aversão à pacificação. Mas vejo um nome: José Aquino Flores de Camargo, experiente na direção anterior de outras entidades, todas plurais”.

Que Roberto Melo mude, ou desça da barca!

A surrada tática de “encher linguiça”, praticada pelo vice-presidente de futebol do Inter. A demonstração de uma capacidade minúscula de compreender a dimensão do seu cargo.