Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 15 de outubro de 2019.

Uma pausa jurisdicional de 36 meses



Charge de Jeremias Castro - jeremiascartoons.blogspot.com

Imagem da Matéria

Porto Alegre, 6 de março de 2019.

Ao
Espaço Vital

Ref.: A “efetividade” do Poder Judiciário

Somos procuradores da parte autora, nos autos do processo nº 070/1.09.0003410-1, em tramitação na 1ª Vara Cível de Taquara (RS) desde 2009.

A ação está em fase de execução. Após diversas tentativas de localização de bens dos devedores, requeremos a penhora on line dos ativos financeiros, até o limite do débito executado.

Para nossa surpresa, o doutor juiz de direito Frederico Menegaz Conrado proferiu o seguinte despacho:

“Vistos. Trata-se de pedido de penhora on line de valores depositados em instituição financeira, via BacenJud. Compulsando os autos, observo que já foi realizado o procedimento há menos de três anos. Sendo assim, considerando o elevado número de processos que tramitam nesta vara e o diminuto aparelhamento humano para dar conta de tamanha demanda, há de se limitar as novas tentativas de penhora pelo BacenJud, o que entendo adequado fixar em três anos. Sendo assim, INDEFIRO por ora o pedido, determinando seja arquivado administrativamente o feito, com nova conclusão quando expirado o prazo de três anos da última tentativa de BacenJud, para nova investida. Intime-se. Dil. Legais”.

De acordo com o operoso magistrado, o processo deverá ficar parado e, inclusive, arquivado, POR TRÊS ANOS sob o fundamento de que são muitos processos em tramitação na vara e poucos funcionários!...

Estamos tratando de uma ação de execução cujo valor executado gira em torno de R$ 15 mil.

Será que o preocupado magistrado aceitaria aguardar por estes três anos, se ele fosse parte/credor do referido processo?

Realmente chegamos ao fundo do poço! Ou não?

Atenciosamente,

Fábio Kwasniewswki de Almeida, advogado (OAB-RS nº 39.391).
fabio@cravoadvogados.com.br


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli com caricaturas de Frank Maia (Humor Político)

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um  ato judicial

 

O “direito” do Banco do Brasil, de "analisar" um ato judicial

Demora no pagamento de um alvará judicial encaminhado para “apreciação e controle do núcleo jurídico do BB”. E a concordância da juíza da causa:“Deverá o autor aguardar os trâmites internos do banco depositário para liberação do valor”. Leia os detalhes em “Carta de Leitor”, enviada pelo advogado Gastão Bertim Ponsi.

Divulgação

A Deusa Gaúcha da Justiça

 

A Deusa Gaúcha da Justiça

“Uma mulher cabelo indígena, com folha de trevo de quatro pétalas ao cabelo; rosto sem venda (símbolo da clareza e do conhecimento); busto da índia guarani missioneira, vestida de prenda”. A proposta é do advogado Eliseu Holz.