Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 14 de julho de 2020.

Mulher em caução!



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A ação contra uma mulher, 30 de idade, é inusitada. A empresa proprietária de um motel busca “receber o valor de uma diária impaga (hospedagem, jantar e bebidas) e, cumulativamente, uma reparação financeira, mesmo que pequena, para punir a ré pela trapaça civil cometida”.

No depoimento pessoal a ré admite ter sido hóspede eventual, uma só vez, do estabelecimento. Convincente, ela narra ao magistrado que, “ao amanhecer, o parceiro me disse ter-se dado conta de que esquecera cartões e dinheiro em casa”.

Conta que, então, ele sai do apartamento, dirige-se à gerência e, matreiro, combina que iria à sua residência buscar o cartão de débito – “voltando ligeirinho”. E propõe, como garantia do retorno para o pagamento, que “a mulher fique como caução por meia-hora”.

O gerente aceita. O astucioso sai com seu carro, mas jamais retorna. Uma ou duas horas depois, a portaria do hotel recusa-se a abrir a porta para que a mulher (que está sem carro) se retire.

Via celular, a Polícia Militar é acionada pela desconfortável hóspede, que afinal é liberada.

Em Juízo, a mulher manifesta uma frase perolar: "Doutor, o cara me deixou de calcinha na mão, literalmente – e nunca mais vi ele”.

A sentença tenta ser professoral: “Suposta ingenuidade do estabelecimento hoteleiro à parte, a caução será real, quando prestada sob a forma de garantia habitual, como hipoteca, penhor etc.; ou fidejussória, se a garantia dada for pessoal, mediante fiança de terceiro – em todas as hipóteses sempre sob a forma escrita”.

Não era o caso.

O julgado arremata comparativo: “Pretensamente aceitar uma mulher como caução é excrescência jurídica que – usando recentes palavras de Marco Aurélio Mello – deve ser lançada ao lixo”.

O desfecho de improcedência transitou em julgado. Não se tem notícias do matreiro.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O dramático depoimento da vítima de estupro

 

O dramático depoimento da vítima de estupro

Na audiência de ação penal em que é buscada a persecução de um homem acusado de estupro, a defesa do réu lança uma indagação desrespeitosa e inoportuna: “Gostaria que fosse perguntado à ofendida se ela sentiu prazer e alcançou o orgasmo no momento do fato”.

Charge de Gerson Kauer

Goles odoríficos, mas encorajadores

 

Goles odoríficos, mas encorajadores

Na manhã fria, o respeitoso cidadão adentra na sala de audiências, para depor como testemunha. O atilado juiz logo percebe o cheiro específico de recente ingestão de cachaça e, com voz firme, questiona: “O senhor ingeriu bebida alcoólica antes de vir aqui?”

Charge de Gerson Kauer

O juiz não internado

 

O juiz não internado

Na sala de audiências, dia canicular - terno e gravata dispensados - o magistrado confere as decisões que o estagiário e o assessor, também ali presentes, haviam minutado. De repente adentra um estagiário de terno slim, jovial, que vai logo destrinchando prolegômenos, vênias e juridiquês,  etc., como se fosse o advogado da causa...

Charge de Gerson Kauer

Corona no coroa

 

Corona no coroa

A odisseia de quatro pessoas em pequena cidade do interior. A quarentena de um médico alcançado pelo coronavírus. E uma troca de casais como solução, depois da descoberta de um quentíssimo adultério. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Saudosas postagens no Instagram

 

Saudosas postagens no Instagram

Depois de um casamento feliz por oito anos, Renato e Renata se desavieram. E se divorciaram consensualmente. Meses depois um litígio judicial, entre ambos, por causa das fotos dela, que ele postava em seu Instagram.