Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,19 de novembro de 2019.

Mulher em caução!



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

A ação contra uma mulher, 30 de idade, é inusitada. A empresa proprietária de um motel busca “receber o valor de uma diária impaga (hospedagem, jantar e bebidas) e, cumulativamente, uma reparação financeira, mesmo que pequena, para punir a ré pela trapaça civil cometida”.

No depoimento pessoal a ré admite ter sido hóspede eventual, uma só vez, do estabelecimento. Convincente, ela narra ao magistrado que, “ao amanhecer, o parceiro me disse ter-se dado conta de que esquecera cartões e dinheiro em casa”.

Conta que, então, ele sai do apartamento, dirige-se à gerência e, matreiro, combina que iria à sua residência buscar o cartão de débito – “voltando ligeirinho”. E propõe, como garantia do retorno para o pagamento, que “a mulher fique como caução por meia-hora”.

O gerente aceita. O astucioso sai com seu carro, mas jamais retorna. Uma ou duas horas depois, a portaria do hotel recusa-se a abrir a porta para que a mulher (que está sem carro) se retire.

Via celular, a Polícia Militar é acionada pela desconfortável hóspede, que afinal é liberada.

Em Juízo, a mulher manifesta uma frase perolar: "Doutor, o cara me deixou de calcinha na mão, literalmente – e nunca mais vi ele”.

A sentença tenta ser professoral: “Suposta ingenuidade do estabelecimento hoteleiro à parte, a caução será real, quando prestada sob a forma de garantia habitual, como hipoteca, penhor etc.; ou fidejussória, se a garantia dada for pessoal, mediante fiança de terceiro – em todas as hipóteses sempre sob a forma escrita”.

Não era o caso.

O julgado arremata comparativo: “Pretensamente aceitar uma mulher como caução é excrescência jurídica que – usando recentes palavras de Marco Aurélio Mello – deve ser lançada ao lixo”.

O desfecho de improcedência transitou em julgado. Não se tem notícias do matreiro.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

O amor é cego?

 

O amor é cego?

A primeira audiência você nunca esquece! A surpresa do novel juiz, na tarde inaugural de suas audiências na comarca. Por que, afinal, o homem de 45 de idade, trocou a esposa de 43 por uma idosa muito feia, 17 anos a mais de idade. A escrivã contou o importante detalhe que não estava nos autos.

Charge de Gerson Kauer

O inédito e imparcial sorteio

 

O inédito e imparcial sorteio

Como houve um impasse – aparentemente insolúvel - entre os irmãos Mário e Maria, o juiz decidiu que a solução seria um sorteio. Os interessados concordaram. A escrivã trouxe uma caixa e colocou os papeluchos. Coube ao estagiário, de olhos fechados, meter a mão e... 

Charge de Gerson Kauer

Serviços (in) eficientes de cama

 

Serviços (in) eficientes de cama

Depois do ajuste verbal, a extensão do programa sexual combinado não atende à expectativa do fazendeiro. Ele resolve então sustar o cheque que, antecipadamente, fora entregue à percanta. A questão foi parar no Juizado Especial Cível. Acompanhe a evolução e conheça o desfecho.

Charge de Gerson Kauer

A piscada do juiz

 

A piscada do juiz

A surpresa durante a audiência de uma ação de usucapião. Ao final do depoimento pessoal do réu, o magistrado piscou-lhe o olho e disse: “O senhor pode sair”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A insólita arma do crime

 

A insólita arma do crime

O ineditismo de uma ação penal contra um caboclo que ficara esquecido no presídio. A acusação era por tentativa de homicídio: desconfiança (isso mesmo!) de que o réu lançaria uma cobra venenosa “surucucu-pico-de-jaca” contra o delegado de polícia de pequena cidade interiorana.