Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_15.jpg

Um bolo de aniversário que não faz a melhor comemoração



Arte de Camila Adamoli sobre fotos Visual Hunt

Imagem da Matéria

 Bolo judicial

´Madame Tartaruga Jurisdicional´ – uma imaginária incentivadora de chicanas processuais – constatou satisfeita, ontem (11), que uma importante, longa e recheada ação penal (50 volumes) – que não faz a melhor história da magistratura e da advocacia gaúchas - está, desde 15 de janeiro, paralisada numa mesa burocrática. O processo aguarda, na secretaria da 4ª Câmara Criminal do TJRS, por um prosaico impulso que não consumiria mais do que um ou dois minutos: a certificação do fim das férias forenses, ocorrida em 20 de janeiro passado.

Bastaria praticar o singelo ato, para que os autos em seguida voltassem ao gabinete desembargador Rogério Gesta Leal (relator sorteado em 6 de setembro de 2018), para que ele, quiçá, pautasse o julgamento.

A ação trata de corrupção ativa, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e prevaricação praticados na comarca de São Lourenço do Sul. Os cinco réus foram todos condenados em primeiro grau, no dia 23 de maio do ano passado. Eles são o ex-juiz Diego Magoga Conde; o pai dele Vitor Hugo Alves Conde (advogado); o ex-servidor judicial Juliano Weber Sabadin (agora advogado); e o casal Eugênio Correa Costa e Juliana Leite Haubman (ambos advogados, entre si conviventes).

Não há trânsito em julgado – salienta-se.

A maior pena foi a aplicada ao ex-magistrado Conde: 12 anos e 8 meses de reclusão, em regime inicial fechado. Meses depois de defenestrado da magistratura, o ex-juiz tentou inscrever-se na OAB. O pedido foi negado.

Os quatro outros condenados estão com sua situação “normal”, exercendo a advocacia. Basta conferir no saite da Ordem pelos respectivos números de inscrições: 31.364 (Vitor), 57.085 (Eugênio), 59.417 (Juliano) e 75.601 (Juliana). Dentre os cinco acusados, nenhum deles até agora esteve preso, nem temporariamente. Tudo real.

O Espaço Vital complementa que o primeiro ato do enredo criminoso – denunciado pelo Ministério Público do RS – ocorreu em dezembro de 2009. Dentro de dez meses vão se completar dez anos.

Agora entra a ficção: Madame Tartaruga´ já está contando os dias para mandar encomendar o bolo de 10º aniversário.

Na edição de sexta-feira próxima, o Espaço Vital conta mais. (Proc. nº 70079034575).

  Negligência e impunidade

Numa macro visão da negligência e impunidade que, nos últimos 12 anos marcam grandes tragédias no país, não há ainda condenações criminais.

Do desastre da Tam (2007), passando pela tragédia da Boate Kiss (2013), chegando à queda de um prédio incendiado no Centro de São Paulo (2018), morreram 1.774 pessoas em dez grandes acidentes.

E em 12 anos, a Justiça não condenou um único envolvido nas ocorrências.

No terrível caso gaúcho, depois da surpreendente decisão do 1º Grupo Criminal do TJRS de que os acusados pelas mortes ocorridas no incêndio santa-mariense não devem ser levados ao júri popular, há dois recursos pendentes de julgamento. O Ministério Público do RS e a Associação dos Parentes das Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria (AVTSM) pleiteiam que o STJ e/ou o STF revertam a decisão que afastou o dolo eventual.

Na corte estadual gaúcha foram quatro votos favoráveis aos réus (dois donos da casa noturna e dois músicos). Outros quatro votos mantinham o julgamento popular. Mas a legislação estabelece que, em caso de empate, prevalece a decisão que favoreça os autores do recurso. E não há previsão de datas nas cortes superiores.

 

  Folia de importunadores

Uma pesquisa do Ministério de Direitos Humanos, Família e Mulheres, efetuada no Disque 100, baseada em registros feitos nos últimos três anos, revelou um dado estarrecedor: no carnaval há um aumento médio de 20% nas ligações de crianças, adolescentes e mulheres contra abusos ou assédio sexual

Cadeia nesse tipo de gente desqualificada!

 

  Empregados x patrões

Em valores arredondados, R$ 30 bilhões foram pagos, em 2018, em indenizações aos trabalhadores que venceram causas contra seus patrões na Justiça do Trabalho. Os valores envolvem condenações, acordos e pagamentos espontâneos. A cifra é 13% maior do que a de 2017. O TRT de Campinas (SP) ficou em primeiro lugar no País, com condenações cumpridas que somaram quase R$ 5 bilhões.

Depois, pela ordem, o TRT-MG (R$ 4 bilhões), o TRT-SP (R$ 3,5 bilhões), o TRT-RJ (2,5 bi) e o TRT gaúcho (R$ 1,2 bi). Especialistas avaliaram que o primeiro lugar de Campinas decorre da solução de mais ações.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

As supremas especulações sobre dois futuros ministros do STF

  Antecipadas conjeturas para as vagas que se abrirão com as aposentadorias compulsórias de Celso de Mello (1º.11.2020) e Marco Aurélio Mello (12.7.2021).

  O “menino de ouro” de Dilma Rousseff queria ir para Londres, via Odebrecht, mas se conformou com o Avante, na Câmara dos Deputados.

  O MPF atrás da suposta fortuna amealhada por Michel Temer.

  Pagamento da anuidade da OAB com o uso de pontos amealhados em compras no comércio e em operações com cartões de crédito.

No TRF-4 uma eleição, uma futura posse festiva e uma mexida na jurisdição

 O catarinense Victor Luiz dos Santos Laus (foto), oriundo do MPF, foi eleito ontem (11) para presidir a corte. Ele deixa em junho a 8ª Turma que tem jurisdição criminal. Será um alívio para os réus da Lava-Jato?

 Quem se habilitará para completar o trio junto a João Pedro Gebran Neto e Leandro Paulsen?

 Administradora de consórcio deve liberar imediatamente o crédito ao beneficiário, em caso de morte do contratante, quando houver seguro prestamista.

 STJ anuncia para 8 de maio o julgamento de quatro recursos especiais que vão balizar a punição financeira, ou não, das construtoras por demora na entrega de imóveis.

 Reforma da Previdência cria trava para obter remédio por decisão judicial 

  Danilo Gentili novamente condenado: agora por ataques a Marcelo Freixo

 Aumenta a supremacia do gênero feminino na advocacia do Rio de Janeiro: já há 2.360 mulheres mais do que homens.

Condenação da Pepsi à reparação moral por demitir executivo acometido de câncer

· O trabalhador foi empregado da reclamada durante 28 anos, e seria promovido a diretor.

· A tese argentária da Pepsi: “Necessidade de cortar gastos e alcançar mais lucros, procedimento típico no sistema capitalista”.

· “Se o STF mudar o entendimento sobre a prisão após a condenação em segunda instância, o Brasil vai incendiar”.

· Taxista poderá recusar o transporte de clientes, se o local de destino for reconhecimento perigoso (Campo da Tuca, em Porto Alegre).

· Iesa Veículos condenada a fornecer carro reserva, até que Renault Kwid seja completamente consertado. Veículo novo teve dez panes em poucas semanas.

Financeira ingressa com apelação e depois, ela própria, pede que seu recurso seja improvido

· Engano, estresse, distração, ou “tilt” advocatício no antagonismo das duas petições da mesma parte?

· Saiba como foi o primeiro “tilt” forense, nos anos 90, no Foro de Porto Alegre.

· Uma ação judicial de R$ 327 milhões é a maior do ano, até agora. Esta não é “tilt”...

· Com o advento das “fake news”, o Primeiro de Abril está perdendo a sua graça.

Justiça feita com proventos e penduricalhos

· Nos TJs do Pará e da Bahia, generosidade para avaro nenhum botar defeito.

· CF-OAB pede que Supremo adie o julgamento da prisão após segunda instância.

· Política judiciária prepara a desidratação de Marcelo Bretas.

· O milionário Luiz Estevão aceita um salário de R$ 1.800 mensais.

· Ex-senador Edison Lobão vai ficando pelo Senado. Agora é o editorialista da Casa.

· Em nove anos, 1,1 milhão de bacharéis em Direito – saídos das centenas de faculdades brasileiras - não conseguiram aprovação no Exame de Ordem.

American Airlines condenada em R$ 1 milhão por uso abusivo do detector de mentiras

 Ela é a maior empresa aérea do mundo. Segundo o TST, a utilização do polígrafo eletrônico (foto acima) viola a intimidade do empregado principalmente ante sua ausência de confiabilidade científica.

 A mais jovem advogada brasileira tem apenas 19 de idade.

 Mandado de segurança do CF-OAB, no STF, questionando acórdão do TCU sobre a obrigatoriedade de prestar contas para controle e fiscalização.

 Condenado a 31 anos de prisão, ex-senador Luiz Estevão passa para o regime semiaberto

 Espaço Vital passa a ter mais presença nas redes sociais