Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 19 de setembro de 2019.

Babaquice tupiniquim



Coincidência. No mesmo espírito de registro de hoje, no Espaço Vital, “O temor irônico de advogados: terem que usar gel no cabelo...”, o jornal O Globo, do Rio, publica hoje (8) interessante matéria sobre o insensível uso obrigatório de paletós e gravatas, pelos advogados, em alguns tribunais.

Escreve o colunista sergipano, radicado no Rio:

O Órgão Especial do TRF da 2ª Região gastou, ontem (7) mais de uma hora para decidir, por maioria de votos, que advogados (tan, tan, tan, tan!) terão, sim, de usar terno e gravata durante as sessões, mesmo durante o verão, ao contrário de três outros tribunais regionais (TJ-RJ, TRE-RJ e TRT-1).

De um lado, tinha desembargador defendendo a retirada do adorno em torno do pescoço por causa do imenso calor nesta época do ano. (A OAB tem pesquisa mostrando que, entre os advogados, 46% têm pressão alta, bem acima da média nacional, de 25,7%, e o quadro pode se agravar com o tempo quente).

Do outro lado, havia magistrados defendendo a gravata em nome do “decoro e o respeito” ao Poder Judiciário.

A vice-presidente da OAB-RJ, Ana Tereza Basílio, considerou o debate sobre a gravata uma “babaquice tupiniquim”.

Ela ainda brincou com o fato de o marido, André Ricardo Cruz Fontes, presidir o TRF-2:

— Hoje ele vai dormir na portaria! – arrematou.

Leia nesta edição do Espaço Vital

“O temor irônico de advogados: terem que usar gel no cabelo”...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli sobre foto Google Imagens

O "teste do sofá" na busca por uma liminar

 

O "teste do sofá" na busca por uma liminar

Revista Época revela trechos de uma palestra em evento da magistratura ocorrido em 2018, dando a entender que algumas jovens advogadas e servidoras públicas sofrem assédios. Com a repercussão nacional do caso, ontem a mesma juíza que fez a manifestação, admitiu que “a utilização do termo ´teste do sofá´, da linguagem popular, no lugar da expressão mais formal ´assédio´, em ambiente profissional, talvez não tenha sido muito adequada”.