Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre, 20.2.2020.
Próxima edição na quinta-feira 27

Babaquice tupiniquim



Coincidência. No mesmo espírito de registro de hoje, no Espaço Vital, “O temor irônico de advogados: terem que usar gel no cabelo...”, o jornal O Globo, do Rio, publica hoje (8) interessante matéria sobre o insensível uso obrigatório de paletós e gravatas, pelos advogados, em alguns tribunais.

Escreve o colunista sergipano, radicado no Rio:

O Órgão Especial do TRF da 2ª Região gastou, ontem (7) mais de uma hora para decidir, por maioria de votos, que advogados (tan, tan, tan, tan!) terão, sim, de usar terno e gravata durante as sessões, mesmo durante o verão, ao contrário de três outros tribunais regionais (TJ-RJ, TRE-RJ e TRT-1).

De um lado, tinha desembargador defendendo a retirada do adorno em torno do pescoço por causa do imenso calor nesta época do ano. (A OAB tem pesquisa mostrando que, entre os advogados, 46% têm pressão alta, bem acima da média nacional, de 25,7%, e o quadro pode se agravar com o tempo quente).

Do outro lado, havia magistrados defendendo a gravata em nome do “decoro e o respeito” ao Poder Judiciário.

A vice-presidente da OAB-RJ, Ana Tereza Basílio, considerou o debate sobre a gravata uma “babaquice tupiniquim”.

Ela ainda brincou com o fato de o marido, André Ricardo Cruz Fontes, presidir o TRF-2:

— Hoje ele vai dormir na portaria! – arrematou.

Leia nesta edição do Espaço Vital

“O temor irônico de advogados: terem que usar gel no cabelo”...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação, clicando aqui.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Boca Maldita

Papai Noel chegou antes para a magistratura de Pernambuco

 

Papai Noel chegou antes para a magistratura de Pernambuco

Ho, ho! As contas no TJ de Pernambuco estão de vento em popa e clima natalino sacramentado. Juízes e desembargadores receberam rendimentos líquidos, relativos a novembro, que chegam até a R$ 853 mil. Os números brutos são ainda mais exorbitantes. A quantia paga a uma juíza de Recife foi de R$ 1.298.550,56.

Inácio do Canto – Secom/TRT-RS

Uma entrevista com a nova presidente do TRT-RS, sem toga

 

Uma entrevista com a nova presidente do TRT-RS, sem toga

Carmen Izabel Centena Gonzalez, 61 de idade, que toma posse hoje (13), falou ontem ao Espaço Vital. Contou sobre a Carmen cidadã. Referiu as prioridades de sua gestão. E analisou a Reforma Trabalhista: “Ela alterou mais de 100 dispositivos na CLT; não gerou empregos, até porque o que gera emprego é o crescimento econômico e não o barateamento da mão de obra”