Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 26 de maio de 2020.

OAB-RS cobra da Polícia Civil eficiência nas investigações sobre assassinato de advogado



Desde 13 de dezembro do ano passado, um dia após o assassinato do advogado Itomar Espíndola Dória, de 60 anos, que ocorreu (dia 12) no centro da cidade de Taquari (RS), a Polícia trabalha com a hipótese de que ele tenha sido morto por motivos relacionados à atividade profissional. Dória era conhecido no município e também na região por cuidar de causas trabalhistas, principalmente de empregados - e não de empregadores.

“É primordial a solução deste caso, pois o assassinato de um advogado representa uma afronta a toda a advocacia”, ressaltou o presidente da Ordem gaúcha, Ricardo Breier, ao falar sobre a morte de Dória, em reunião, na tarde da quarta-feira (7) com a chefe de polícia, delegada Nadine Anflor, no Palácio da Polícia Civil.

Acompanhado da presidente da Subseção de Taquari, advogada Maricel Lima, e do vice-presidente da seccional, Jorge Fara, o presidente da seccional gaúcha cobrou solução e lembrou a delegada que “o esclarecimento do assassinato é fundamental, pois o exercício do advogado, defensor da cidadania, não pode ser passível de violação com arbítrio, prepotência e violência de nenhum tipo",

A delegada Nadine pontuou: “O caso está em cima da minha mesa, podem ter certeza de que está entre as minhas prioridades”. Ela disse também “entender a visita dos senhores e reforço que estou em contato direto com a delegacia da região”.

Com mesa, ou sem mesa, passados 55 dias, não há pista alguma.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Operação do MP contra cinco advogados gaúchos

As investigações apuram se houve uso de atestados médicos falsos em oito processos para obter a soltura de presos. Treze ordens judiciais foram cumpridas ontem (21) em escritórios e residências, em cinco cidades do RS. Um advogado segue preso; um está foragido.

As 13 teses consolidadas do STJ sobre conselhos profissionais

A OAB e os demais conselhos profissionais deverão pagar custas processuais na Justiça Federal. E as dívidas de anuidades só poderão ser ajuizadas quando o total do valor inscrito atingir o montante mínimo correspondente a quatro períodos