Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de junho de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Internacional x Internacional



O futebol oferece, à nossa reflexão e inquietude, alguns mistérios difíceis de decifrar. Sabemos que as férias, consideradas a natureza e a finalidade, constituem um período necessário ao restabelecimento do trabalhador. Para o comum dos humanos, o retorno das férias é acompanhado da vontade renovada.

Mas no futebol não é assim, ao menos no Internacional.

Nos últimos anos, o retorno às atividades normais tem sido sofrível, especialmente se compararmos o final da temporada anterior com o começo da seguinte.

O dogma de que estamos diante de uma atividade física e que é preciso retomá-la aos poucos é no mínimo relativo. Como imaginar que um atleta que é submetido a treinamento intenso durante onze meses, mobilizado para as competições, em apenas 30 dias perca significativamente as suas habilidades e condicionamento. Isso seria uma verdade absoluta, se a totalidade das equipes apresentassem no início da temporada o mesmo rendimento insatisfatório. Mas isso não ocorre.

Há equipes que retornam com quase o mesmo rendimento revelado no ano anterior.

Ouso imaginar que a realidade repetida, nos remete a outras especulações.

As férias, obrigação legal para com os atletas e a parada nas atividades futebolísticas, não pode gerar a paralisação da estrutura.

Ao contrário, a parada no futebol que leva a uma sensação de relaxamento e de descompromisso, pela ausência da pressão na obtenção de vitórias, permite que o restante dos profissionais do futebol e a diretoria permaneçam trabalhando.

Quando falamos que o futebol exige planejamento, é justamente isso.

Na parada dos atletas e das competições, o restante da estrutura deveria funcionar a todo o vapor, prevendo o recomeço e atenuando os seus efeitos. Não esqueçamos que uma retomada sofrível das atividades em campo, acarreta não só um obstáculo desnecessário aos atletas, como também incertezas e temeridades aos torcedores.

Assim, como nesse aspecto não houve planejamento, com mais esforço troquemos a roda com o carro andando.

Há tempo, embora o desgaste adicional.

Essa diretoria deve títulos aos torcedores, sendo que perdeu chances efetivas, como a do Campeonato Brasileiro de 2018. Agora, ganhar o Campeonato Gaúcho é obrigação.

Quando o Internacional retomou o seu caminho de vitórias, iniciamos com a valorização do Gauchão. As férias acabaram!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Chargista DUM

Mon amour, meu bem, ma femme...

 

Mon amour, meu bem, ma femme...

“Ao que tudo indica, pelo desastre do segundo encontro, a relação entre a naja e a flauta não foi das melhores. Há um vídeo que revela que Neymar levou uma surra da estuprada na cama, não em sentido figurado, mas surra de tapas e socos”.

Internacional anti oportunismo

“Há uma extrema preocupação com a eventual instrumentalização do Internacional para atender objetivos partidários. Os colorados podem ser liberais, comunistas, socialistas, de direita ou de esquerda, enfim o que quiserem desde que sejam colorados antes de tudo”

Google Imagens

O Internacional de Ildo Meneghetti, Hugo Chávez, Olívio Dutra e Jair Bolsonaro

 

O Internacional de Ildo Meneghetti, Hugo Chávez, Olívio Dutra e Jair Bolsonaro

“Na última quarta-feira foram realizados protestos em Porto Alegre por universitários da UFRGS. Como em todas as manifestações, havia bandeiras de partidos políticos identificados como à esquerda no espectro político e de outros movimentos sociais. Surpreendeu-me negativamente verificar um grupo de manifestantes, utilizando sinalizadores vermelhos e ostentando uma faixa que indevidamente dizia: ´Inter antifascista´. Nossa agremiação é vermelha, popular e internacional, mas não confundam as coisas: somos apenas um clube de futebol”. 

Futebol Report

O racismo e o futebol

 

O racismo e o futebol

“Nesta quarta-feira (8), no jogo entre Peñarol e Flamengo, parte da torcida uruguaia, chamava os jogadores brasileiros de ´macacos´.  Alguns, imitavam com gestos o animal em questão, aliás revelando um talento atávico. Isso me fez lembrar um episódio ocorrido no Estádio Olímpico, em 2011, defronte às sociais do dono da casa, quando o Zé Roberto (foto) aguardava para entrar em campo”