Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 26 de maio de 2020.

Para obter gratuidade, advogado militante precisa provar hipossuficiência



A gratuidade da justiça só pode ser concedida às pessoas cujo nível de renda não lhes permita pagar as despesas processuais sem causar prejuízo próprio, ou à família. Assim, um advogado militante, que tenha bens e atenda diversos processos em sua comarca, não deve receber o benefício, pois não se enquadra neste perfil.

A decisão é da 19ª Câmara Cível do TJRS, mantendo decisão que negou assistência judiciária gratuita a um  advogado porto-alegrense. O julgado confirmou o entendimento jurisdicional de primeiro grau: “O advogado, credor num processo de execução de sentença, possui profissão passível de gerar renda’’. Além disso, os bens declarados pelo profissional da advocacia  afastaram a presunção de insuficiência de recursos.

No agravo de instrumento, afinal improvido, o advogado – que atua em causa própria - afirma que a mera titularidade de bens não se confunde com disponibilidade de renda para pagamento das despesas processuais e de honorários advocatícios. Ponderou que “embora seja advogado e patrocine algumas ações na comarca da Capital, não possui liquidez”.

Pretendendo comprovar a alegada hipossuficiência econômica, o advogado acostou cópia da declaração de Imposto de Renda Pessoa Física, que registra rendimentos brutos mensais de pouco mais de dois salários mínimos.

O relator do recurso, desembargador Voltaire de Lima Moraes, observou que o artigo 5º, inciso LXXIV, da Constituição, prevê expressamente a possibilidade de concessão do benefício, desde que comprovada a insuficiência de recursos. Conforme o julgado,tal dispositivo não deve ser interpretado de forma absoluta, pois, se houver dúvidas fundamentadas sobre a hipossuficiência, não bastando a simples declaração do postulante”.

O acórdão considerou que "segundo documentação acostada, o postulante atua como procurador em diversos processos, bem como tem um patrimônio de quase R$ 70.000,00 – nele incluído um veículo Hyundai HB20, o que não é compatível com a alegação de hipossuficiência econômica”. (Proc. nº 70080122054).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Operação do MP contra cinco advogados gaúchos

As investigações apuram se houve uso de atestados médicos falsos em oito processos para obter a soltura de presos. Treze ordens judiciais foram cumpridas ontem (21) em escritórios e residências, em cinco cidades do RS. Um advogado segue preso; um está foragido.

As 13 teses consolidadas do STJ sobre conselhos profissionais

A OAB e os demais conselhos profissionais deverão pagar custas processuais na Justiça Federal. E as dívidas de anuidades só poderão ser ajuizadas quando o total do valor inscrito atingir o montante mínimo correspondente a quatro períodos