Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.

O enterro da sogra que não morreu



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Por Dirnei Bock Hendler, servidor judicial estadual (RS)

Nas semanas que antecedem o recesso forense, tudo acontece. O número de pessoas que buscam o Poder Judiciário aumenta e os pedidos de tutela de urgência assoberbam os escaninhos do cartório, assombrando o juiz e a assessoria. Não ficam de fora os famosos pedidos de expedição de alvará.

Na vara criminal, todo preso resolve pedir liberdade provisória. Também chovem – vindos do TJ - pedidos de informações oriundos de habeas corpus lá interpostos. Mas há casos que refogem ao rotineiro.

Num daqueles exaustivos dias de trabalho, 19 de dezembro de 2017, minutos após o fim do expediente, o segurança sobe ao segundo andar do fórum e pergunta pelo servidor plantonista, a quem relata: “Tem um cara, lá embaixo, querendo falar com alguém. Ele quer uma autorização para enterrar a sogra e insiste em falar com alguém do gabinete do juiz”.

De pronto, o servidor desce para o atendimento, que acontece na porta de entrada do prédio, já fechado para o público.

Vem então o diálogo:

- Eu queria saber como faço pra poder, legalmente, enterrar a minha sogra no sítio onde ela mora.

- No sítio?

- Sim. É que ela gosta muito de arvoredo e espaço verde. É uma espécie de último desejo dela...

Imediatamente o servidor observa:

- O senhor quer dizer que, em vida, ela gostava de sítio, flores e árvores...

- Não, não! Ela gosta. É que a sogra ainda não morreu.

Antes que o negócio fique mais confuso, o servidor interrompe:

- Só um pouquinho! Onde está sua sogra?

- No meu carro, ali na frente.

A idosa senhora, de aparência taciturna, está mesmo no interior do veículo, sentada no lado do carona, olhando pacientemente para a rua, enquanto o genro insiste na obtenção de informações jurisdicionais preciosas.

O servidor coça a cabeça sem entender. Mas o genro explica:

- É que ela sofre de uma doença rara e a gente acha que ela não passa deste fim de semana. Como o fórum fecha no recesso, eu já estou me adiantando.

O plantonista contém a risada, pondera que “no direito, herança de pessoa viva não existe” e tenta explicar sobre a impossibilidade jurídica do pedido – ainda mais se for feito verbalmente.

O interessado agradece, despede-se e vai embora.

Para o sossego do guerreiro servidor e do nobre juiz - que seria o competente para conhecer do suposto inusitado pedido – por sorte que a ação não ingressa, nem no plantão, nem durante o recesso, nem depois da retomada.

Neste dezembro de 2018, passado um ano desde a insólita situação, a “rádio-corredor” forense assegura que a distinta sogra continua viva.

Segue firme cultivando árvores e flores, no aprazível sítio em que reside.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Virem-se e estudem!

 

Virem-se e estudem!

Três moçoilas inteligentes terminaram o segundo grau no Interior e passaram em universidade particular na Capital, só que as respectivas famílias não conseguiriam pagar. Resolutas, as três combinaram que iriam “se virar” para quitar as mensalidades. Abriram então uma casa de diversões para o público masculino adulto. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Que ´m´!

 

Que ´m´!

O despacho judicial pretendia indeferir uma “MERA” revogação da liminar. Mas por erro de digitação – ou algum atropelo do verificador ortográfico – a palavra terminou ganhando, justo em seu meio, um inoportuno acréscimo da consoante ´d´.  Então virou “m----“.

Charge de Gerson Kauer

Sem estagiário, não tem Judiciário!

 

Sem estagiário, não tem Judiciário!

Um romance forense com nome da advogada afrontada. A empáfia de uma estagiária, o desrespeito às leis e a conclusão conciliadora da escrivã: “Com a carência de pessoal e a falta de concursos, dependemos da estagiariocracia”. 

Charge de Gerson Kauer

   O Doutor Rei da Sinuca

 

O Doutor Rei da Sinuca

A surpresa, em cidade da fronteira gaúcha, quando o advogado - que tinha 99% de sucesso nos encaçapamentos das sete bolas coloridas – rompeu o namoro com a mulher mais ´in-te-res-san-te´ da comarca.

Gerson Kauer

Os dois exagerados

 

Os dois exagerados

Ao realizar a penhora sobre um cavalo (“o mais famoso reprodutor da fazenda”), o oficial de justiça espanta-se com a virilidade do equino, fotografa o animal excitado, e faz uma certidão exageradamente minuciosa. O juiz manda desentranhar a foto e que se risquem 17 palavras do relato oficial feito pelo servidor minucioso.