Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,19 de novembro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

O recado das urnas



Camera Press

Imagem da Matéria

Uma eleição não é um fato isolado, descolado da realidade e da vontade; ela volta-se para o futuro e pode ser traduzida como uma ferramenta da esperança.

O Internacional teve tudo para ganhar o Brasileirão, perdeu por detalhe, mas garantiu a sua participação direta na Libertadores da América.

Será uma grande oportunidade para reafirmar aquilo que o torcedor entendeu como satisfatório na atual gestão e, ainda, dar um passo à frente com a conquista de um grande título.

Há um conhecido dito chinês: “Quem perde por pouco, perde por muito”. Ele se aplica como uma luva na nossa passagem pelo Campeonato Brasileiro. Faltou foco, organização e liderança. Deixamos escapar o título que tanto os nossos torcedores almejam.

Nas eleições presidenciais e para o Conselho Deliberativo, a atual gestão colheu uma retumbante vitória. Mais de noventa por cento de votos. A oposição amargou resultados incipientes, tanto para a direção, como para o Conselho.

Mas isso não quer dizer muito. Piffero, anteriormente, deu um vareio de votos parecido no mesmo Marcelo Medeiros em eleições na qual que se dizia que o campeão havia voltado.

Aumentou muitíssimo a responsabilidade do Dr. Medeiros. Chega de colocar fatores subjetivos, ascendência familiar por exemplo, como garantia de algo. Só muito trabalho e criatividade garantem o Internacional. Há déficit nas finanças, jogadores demais e um time com carências.

O números de votos obtidos pela chapa Piffero-Afatato, outrora, foram semelhantes, gerando dois comportamentos extremamente deletérios. Piffero achou que era o “rei do mundo” e a maioria esmagadora no Conselho, permitiu que tudo fosse feito sem contrariar o suposto “soberano” – e assim fomos levados a um desastre sem precedentes.

Espero, com a maior boa fé e coloradismo, que o nosso presidente não saia do pleito enfeitado, sem os pés tocando o chão. Se levitar, se sonhar, se der por consumado que é o messias do Beira Rio, incorrerá no mesmo erro.

Então Dr. Marcelo, seja generoso, realista e busque, como nunca, a unidade das forças coloradas, sem populismo e sem demagogia.

Nós, continuaremos torcendo e auxiliando sem nenhuma pretensão que não a de ver o nosso Inter cada vez maior.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte EV sobre foto Ripleys.com

A múmia colorada

 

A múmia colorada

“De Tutancâmon a Evita Perón, a mumificação é uma prática que visa a perenização de um indivíduo, até mesmo diante da inevitável morte. Atrevo-me a dizer que o nosso vice-presidente de futebol foi mumificado em vida no vestiário colorado”.

O Gre-Nal dos desesperados

Na quarta-feira, um motorista de táxi lançou uma proposta curiosa: “Doutor, pela situação dos dois não seria do Medeiros sentar com o Romildo e assinarem um 0x0?”.

Morreu pela boca

“Isso se aplica às situações em que o sujeito fala além da conta, sem ter consciência do que diz, e acaba pagando o preço da irresponsabilidade. Já afirmei que Melo, o eterno vice futebol do Inter - resistente a todos os insucessos - derrubou o Odair sem querer derrubá-lo”.  

Bruno Alencastro / Google Imagems

   Cai Odair, mas Melo fica!...

 

Cai Odair, mas Melo fica!...

“Já transcorreram mais de dois terços do período total da gestão Medeiros e não ganhamos sequer um Gaúchão.  É preciso banir a politicagem que baliza o comportamento dos dirigentes colorados. Ela é uma ameaça perigosa à eficiência e eficácia do futebol”.