Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.

A fama do João Grande



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Audiência de uma ação penal, a juíza ouve Abelardo, um homem jovem, trintão, simplório. Ele é acusado de ameaças e ofensas verbais que, supostamente, teria feito à ex-esposa.

O réu desabafa. Salienta não ser capaz de fazer mal a ela; insiste que há um conchavo, entre a ex-mulher e a filha, para prejudicá-lo; comenta que está deprimido por causa das desavenças familiares. E termina dizendo que “ela falava coisas sobre mim e, por isso, eu ficava nervoso, perdia a cabeça, chegando a dar-lhe uns cascudos”.

A juíza instiga o acusado a prosseguir:

- Como assim? Que coisas ela comentava? O que lhe incomodava tanto?

O interrogando avança um pouco:

- A minha ex-mulher vive comentando com pessoas das nossas famílias, e postando nas redes sociais, que eu estou sempre na casa do João Grande.

Imaginando que o mencionado personagem fosse, acaso, alguém da política local, mas querendo certificar-se seguramente, a magistrada questiona:

- Quem é o João Grande?

O interrogando espalma as mãos, coloca-as emparelhadas, distanciadas cerca de 20cm, respira fundo e desabafa:

- Doutora, o João Grande é um cara que tem um pintão deste tamanho... É claro que eu não vivia na casa dele, apenas a gente conversava de vez em quando. Afinal fomos colegas de escola, no segundo grau, época em que ele ganhou esse apelido.

Surpreendida, a magistrada pega um exemplar do Código Penal, vai direto à regra do artigo 215 e lê professoral: “Na redação do depoimento, o juiz deverá cingir-se, tanto quanto possível, às expressões usadas pelos depoentes, reproduzindo fielmente as suas frases”.

E então explica aos presentes:

- No termo da audiência, vou ditar a expressão “pênis grande”. Na mesma assentada, vou explicar o gesto natural feito pelo espontâneo cidadão... – arremata a magistrada.

O defensor público, tentando descontrair, mas praticando um rasgo de inconveniência, sugere:

- Talvez fosse o caso de apelidar o personagem de João P Grande...

A juíza não gosta, olha por cima dos óculos e com secas palavras encerra a audiência:

- Despiciendo, senhoras e senhores! Este é um caso jurídico, nada a ver com sexologia...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Virem-se e estudem!

 

Virem-se e estudem!

Três moçoilas inteligentes terminaram o segundo grau no Interior e passaram em universidade particular na Capital, só que as respectivas famílias não conseguiriam pagar. Resolutas, as três combinaram que iriam “se virar” para quitar as mensalidades. Abriram então uma casa de diversões para o público masculino adulto. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Que ´m´!

 

Que ´m´!

O despacho judicial pretendia indeferir uma “MERA” revogação da liminar. Mas por erro de digitação – ou algum atropelo do verificador ortográfico – a palavra terminou ganhando, justo em seu meio, um inoportuno acréscimo da consoante ´d´.  Então virou “m----“.

Charge de Gerson Kauer

Sem estagiário, não tem Judiciário!

 

Sem estagiário, não tem Judiciário!

Um romance forense com nome da advogada afrontada. A empáfia de uma estagiária, o desrespeito às leis e a conclusão conciliadora da escrivã: “Com a carência de pessoal e a falta de concursos, dependemos da estagiariocracia”. 

Charge de Gerson Kauer

   O Doutor Rei da Sinuca

 

O Doutor Rei da Sinuca

A surpresa, em cidade da fronteira gaúcha, quando o advogado - que tinha 99% de sucesso nos encaçapamentos das sete bolas coloridas – rompeu o namoro com a mulher mais ´in-te-res-san-te´ da comarca.

Gerson Kauer

Os dois exagerados

 

Os dois exagerados

Ao realizar a penhora sobre um cavalo (“o mais famoso reprodutor da fazenda”), o oficial de justiça espanta-se com a virilidade do equino, fotografa o animal excitado, e faz uma certidão exageradamente minuciosa. O juiz manda desentranhar a foto e que se risquem 17 palavras do relato oficial feito pelo servidor minucioso.