Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

A fama do João Grande



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Audiência de uma ação penal, a juíza ouve Abelardo, um homem jovem, trintão, simplório. Ele é acusado de ameaças e ofensas verbais que, supostamente, teria feito à ex-esposa.

O réu desabafa. Salienta não ser capaz de fazer mal a ela; insiste que há um conchavo, entre a ex-mulher e a filha, para prejudicá-lo; comenta que está deprimido por causa das desavenças familiares. E termina dizendo que “ela falava coisas sobre mim e, por isso, eu ficava nervoso, perdia a cabeça, chegando a dar-lhe uns cascudos”.

A juíza instiga o acusado a prosseguir:

- Como assim? Que coisas ela comentava? O que lhe incomodava tanto?

O interrogando avança um pouco:

- A minha ex-mulher vive comentando com pessoas das nossas famílias, e postando nas redes sociais, que eu estou sempre na casa do João Grande.

Imaginando que o mencionado personagem fosse, acaso, alguém da política local, mas querendo certificar-se seguramente, a magistrada questiona:

- Quem é o João Grande?

O interrogando espalma as mãos, coloca-as emparelhadas, distanciadas cerca de 20cm, respira fundo e desabafa:

- Doutora, o João Grande é um cara que tem um pintão deste tamanho... É claro que eu não vivia na casa dele, apenas a gente conversava de vez em quando. Afinal fomos colegas de escola, no segundo grau, época em que ele ganhou esse apelido.

Surpreendida, a magistrada pega um exemplar do Código Penal, vai direto à regra do artigo 215 e lê professoral: “Na redação do depoimento, o juiz deverá cingir-se, tanto quanto possível, às expressões usadas pelos depoentes, reproduzindo fielmente as suas frases”.

E então explica aos presentes:

- No termo da audiência, vou ditar a expressão “pênis grande”. Na mesma assentada, vou explicar o gesto natural feito pelo espontâneo cidadão... – arremata a magistrada.

O defensor público, tentando descontrair, mas praticando um rasgo de inconveniência, sugere:

- Talvez fosse o caso de apelidar o personagem de João P Grande...

A juíza não gosta, olha por cima dos óculos e com secas palavras encerra a audiência:

- Despiciendo, senhoras e senhores! Este é um caso jurídico, nada a ver com sexologia...


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Páginas da vida com segredo de justiça

 

Páginas da vida com segredo de justiça

O réu de uma ação penal por assalto é universitário, com matrícula trancada por falta de dinheiro para as mensalidades. Chegara a trabalhar como auxiliar contábil. Mas desempregou-se em decorrência do fechamento de uma indústria. A “primeira vez” dele como assaltante terminou sendo a redenção para que, dando a volta por cima, voltasse à faculdade e concluísse o curso de Direito.

Charge de Gerson Kauer

Para medir o tamanho ´daquilo´...

 

Para medir o tamanho ´daquilo´...

Treze de agosto de 2018, hoje está fazendo um ano. A frustração do consumidor que - após encomendar na internet, e pagar por um aparelho que o tornaria “um amante imbatível” - recebeu uma enorme e maldosa lupa. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

“Quero comer filé”

 

“Quero comer filé”

Na audiência de uma ação de divórcio, a surpreendente mudança de decisão do homem: “Estou velho, não vou conseguir mais uma companheira como ela. Prefiro comer filé com os outros do que carne de pescoço sozinho”. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

A sátira embutida

 

A sátira embutida

Na oitava folha da apelação de 12 laudas, o advogado - inconformado com a superficialidade da prestação jurisdicional – digitou um recado: “Como somos tratados como pamonhas, é pertinente informar que uma gostosa receita da famosa iguaria oriunda do milho verde está disponível na internet”.

Charge de Gerson Kauer

Vá ler o CPC, doutora!

 

Vá ler o CPC, doutora!

“Após extravasamento verbal, o juiz jogou à mesa um exemplar do ´CPC Comentado´, com uma sugestão em altos decibéis: ´Leia o Código, Doutora´. Em gesto igual, devolvi-lhe o livro e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).