Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de junho de 2019.

Falta de educação e 15 segundos de fama



Chargista Chico – Acervo de O Globo

Imagem da Matéria

Por Lenio Streck, advogado e jurista (*)

Um cidadão, contingencialmente advogado, fez um escarcéu no voo SP-BSB, da Gol. Sem qualquer urbanidade e senso de ocasião, provoca ofensivamente o ministro Ricardo Lewandowski. Visivelmente provoca. Tudo filmado, é claro! Imagem é tudo! Para que o mundo todo visse!

O advogado chama o ministro pelo nome e em seguida diz que “o STF é uma vergonha”. Antes de terminar o imbróglio — a polícia foi acionada — o cidadão, novamente sob o foco de uma câmera de celular (afinal, sem filmar, não tem graça, pois não?) faz um veemente discurso político com menções a dois ex-presidentes da República.

No discurso ficou claro o motivo pelo qual o protestador resolveu atacar o ministro. E pediu aplausos. E os recebeu, ao que consta. Episódio lamentável. Não se pode — mormente se o xingador é advogado — hostilizar ministro do STF de quem não se goste.

Aliás, disse o cidadão em tela que suas prerrogativas estavam violadas. Mas, afinal, ele teceu o comentário como cidadão ou advogado? Se como advogado, pior ainda.

Não é a primeira vez que ministros são hostilizados por pessoas que não concordam com eles. Os protestadores alegam democracia. Sim. Mas, seriam eles democráticos ao não se aguentarem e atacarem ostensivamente os ministros ou a instituição STF?

Fiz o mesmo comentário em congresso da Abracrim defendendo o ministro Fachin. E ao ministro Gilmar, também vítima de mais de um episódio desse tipo. E farei essa defesa de todos os que forem atacados em circunstâncias quetais!

Como se diz lá na minha terra (a do Bagualossaurus Agudensis), respeito é bonito!

Desrespeito é feio!

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
(*) Trecho extraído do artigo “O futuro do STF: na retranca, como diz Toffoli, ou no ataque?” – originalmente publicado pelo Conjur.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Fotos Pinterest (E) e Word Press (D)

   A Justiça cega

 

A Justiça cega

“Ministros de tribunais brasileiros participam de julgamentos para os quais se encontrariam impedidos”. Em artigo de Gil Castello Branco, no jornal O Globo, em sua edição desta terça-feira (18), são mencionados dois ministros do STF, quatro ministros do TST e advogados com envolvimento em “fatos aparentemente gravíssimos”.

Charge de Ivan Cabral

República Tupiniquim

 

República Tupiniquim

“Vejo alguns ministros do STF semeando risinhos irônicos frente aos que tiveram coragem de caçar os piores ladrões da história tupiniquim.Também vejo a OAB digladiando para evitar prisão de bandidos, quiçá para seus filiados seguirem faturando generosos cifrões com a lista infindável de recursos”. Artigo do advogado Antonio Silvestri (OAB-RS nº 17.672)

Fraudes no varejo: oportunidade e realidade

“Perdas no varejo em 2017, somente no segmento supermercadista, atingiram R$ 6,4 bilhões. Se considerarmos os demais segmentos varejistas esta cifra é três vezes maior”. Artigo de Fernando Guinzani, diretor do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR).

Desejo, realidade e fantasia

“Desde domingo nos deparamos com o debate sobre pretensos diálogos entre um juiz federal e membros do MPF, todos com atuação nos processos da Operação Lava-Jato. Há fundadas dúvidas quanto à autenticidade e à legitimidade da revelação, especialmente se considerada a espetaculosa e tendenciosa fonte”. Artigo do advogado Roberto Siegmann.

Chargista Duke

O papel do advogado

 

O papel do advogado

O Conselho Federal da OAB está lançando, este mês, “Advocacia Hoje”. É uma revista digital a ser distribuída trimestralmente aos advogados, por e-mail e Whatsapp. Entre os articulistas da primeira edição, o jornalista Merval Pereira rememora Rui Barbosa. “Ele define a ordem legal em duas facetas: a acusação e defesa, e parece estar falando dos dias de hoje, quando o radicalismo político confunde o exercício da profissão com aval a esta ou àquela posição”.

Brum Twitter.

Nunca existiu bagagem grátis!

 

Nunca existiu bagagem grátis!

“A cobrança em dobro da primeira bagagem é um atentado ao bolso do passageiro que já paga a tarifa aérea e as taxas de embarque mais caras do mundo. Em alguns casos, paga-se mais caro pela bagagem do que pelo preço total do voo contratado”. Artigo do coronel aviador João Luiz de Castro Guimarães e do advogado Claudio Candiota.