Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

Falta de educação e 15 segundos de fama



Chargista Chico – Acervo de O Globo

Imagem da Matéria

Por Lenio Streck, advogado e jurista (*)

Um cidadão, contingencialmente advogado, fez um escarcéu no voo SP-BSB, da Gol. Sem qualquer urbanidade e senso de ocasião, provoca ofensivamente o ministro Ricardo Lewandowski. Visivelmente provoca. Tudo filmado, é claro! Imagem é tudo! Para que o mundo todo visse!

O advogado chama o ministro pelo nome e em seguida diz que “o STF é uma vergonha”. Antes de terminar o imbróglio — a polícia foi acionada — o cidadão, novamente sob o foco de uma câmera de celular (afinal, sem filmar, não tem graça, pois não?) faz um veemente discurso político com menções a dois ex-presidentes da República.

No discurso ficou claro o motivo pelo qual o protestador resolveu atacar o ministro. E pediu aplausos. E os recebeu, ao que consta. Episódio lamentável. Não se pode — mormente se o xingador é advogado — hostilizar ministro do STF de quem não se goste.

Aliás, disse o cidadão em tela que suas prerrogativas estavam violadas. Mas, afinal, ele teceu o comentário como cidadão ou advogado? Se como advogado, pior ainda.

Não é a primeira vez que ministros são hostilizados por pessoas que não concordam com eles. Os protestadores alegam democracia. Sim. Mas, seriam eles democráticos ao não se aguentarem e atacarem ostensivamente os ministros ou a instituição STF?

Fiz o mesmo comentário em congresso da Abracrim defendendo o ministro Fachin. E ao ministro Gilmar, também vítima de mais de um episódio desse tipo. E farei essa defesa de todos os que forem atacados em circunstâncias quetais!

Como se diz lá na minha terra (a do Bagualossaurus Agudensis), respeito é bonito!

Desrespeito é feio!

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
(*) Trecho extraído do artigo “O futuro do STF: na retranca, como diz Toffoli, ou no ataque?” – originalmente publicado pelo Conjur.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Como bater metas do CNJ com três requisitos

“Juizite em Passo Fundo, onde a juíza (1º) identificou demandas com objetos semelhantes; (2º) criou um empecilho ao direito de ação; (3º) fez um modelo de decisão para aplicar em bloco, sem analisar as causas especificamente”. Artigo do advogado Israel Berardi.

Arte de Camila Adamoli sobre foto Camera Press

Os riscos de revogação parcial da CLT

 

Os riscos de revogação parcial da CLT

“Advogados alertam o deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS), relator da minirreforma trabalhista. É grave a proposta de retirar-se a marca da solidariedade que sempre acompanhou a figura do grupo econômico trabalhista, cujo objetivo consiste na garantia de solvabilidade dos créditos trabalhistas, de índole essencialmente alimentar”. Artigo da advogada Sheila Belló (OAB-RS nº 10.238).

A quem interessa a liberação do tráfico de drogas?

“A tentativa de liberar o tráfico (sim, a venda) de drogas é lugar comum em setores do Judiciário gaúcho (...) São decisões que subvertem a ordem jurídica, ao assegurar a impunidade da narcotraficância”. Artigo de Gustavo Ronchetti, promotor de justiça em Porto Alegre.

Contrato intermitente: um universo de dúvidas e poucas respostas

“A reforma trabalhista de 2017 trouxe à legalidade uma modalidade de contratação há muito praticada na informalidade: o contrato intermitente. Este, em resumo, cria a possibilidade da prestação de serviço de maneira esporádica, mediante convocação. O trabalhador receberá seu salário somente pelo tempo efetivamente trabalhado, nada ganhando pelo período inativo”. Artigo dos advogados Bruno R. Gobbi e Alfeu Martins (OAB-PR).

A saudável união das atividades dos advogados com a dos tabeliães de notas

“A confluência das profissões resta evidente e salutar, garantindo aos cidadãos uma maior segurança jurídica na combinação de conhecimentos e esforços destes profissionais, em benefício à sociedade”. Artigo de Rodrigo Werlang Isolan, tabelião substituto do 3º Tabelionato de Notas de Caxias do Sul (RS).