Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira, 19 de março de 2019.

Falta de educação e 15 segundos de fama



Chargista Chico – Acervo de O Globo

Imagem da Matéria

Por Lenio Streck, advogado e jurista (*)

Um cidadão, contingencialmente advogado, fez um escarcéu no voo SP-BSB, da Gol. Sem qualquer urbanidade e senso de ocasião, provoca ofensivamente o ministro Ricardo Lewandowski. Visivelmente provoca. Tudo filmado, é claro! Imagem é tudo! Para que o mundo todo visse!

O advogado chama o ministro pelo nome e em seguida diz que “o STF é uma vergonha”. Antes de terminar o imbróglio — a polícia foi acionada — o cidadão, novamente sob o foco de uma câmera de celular (afinal, sem filmar, não tem graça, pois não?) faz um veemente discurso político com menções a dois ex-presidentes da República.

No discurso ficou claro o motivo pelo qual o protestador resolveu atacar o ministro. E pediu aplausos. E os recebeu, ao que consta. Episódio lamentável. Não se pode — mormente se o xingador é advogado — hostilizar ministro do STF de quem não se goste.

Aliás, disse o cidadão em tela que suas prerrogativas estavam violadas. Mas, afinal, ele teceu o comentário como cidadão ou advogado? Se como advogado, pior ainda.

Não é a primeira vez que ministros são hostilizados por pessoas que não concordam com eles. Os protestadores alegam democracia. Sim. Mas, seriam eles democráticos ao não se aguentarem e atacarem ostensivamente os ministros ou a instituição STF?

Fiz o mesmo comentário em congresso da Abracrim defendendo o ministro Fachin. E ao ministro Gilmar, também vítima de mais de um episódio desse tipo. E farei essa defesa de todos os que forem atacados em circunstâncias quetais!

Como se diz lá na minha terra (a do Bagualossaurus Agudensis), respeito é bonito!

Desrespeito é feio!

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
(*) Trecho extraído do artigo “O futuro do STF: na retranca, como diz Toffoli, ou no ataque?” – originalmente publicado pelo Conjur.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

O supremo do Supremo...

“O STF perdeu a autoridade e está arruinado moralmente perante a sociedade. Resta-lhe escudar-se no autoritarismo”. Artigo do advogado Antonio Silvestri. 

Arte de Camila Adamoli

A curiosa pretensão do santo que não era santo

 

A curiosa pretensão do santo que não era santo

O alegado ´direito ao esquecimento´. Caso em que um motorista, servidor público, recolheu um grupo de crianças para levá-las a uma escola para alunos especiais. Terminado o turno escolar, o mesmo motorista foi incumbido de buscá-las para devolvê-las às suas residências. Assim foi feito com todas as crianças, menos uma, que foi levada pelo motorista a um motel”. Artigo do advogado Ramon Georg von Berg.

Chargista Nani

Corrupção e crime eleitoral

 

Corrupção e crime eleitoral

“A Constituição não cuidou de toda competência criminal da Justiça Eleitoral. Tenho defendido que o STF, considerando a competência constitucional e também a especialização da Justiça Federal na apuração de crimes contra o patrimônio público federal, garanta a efetividade no combate à corrupção, anseio da sociedade e de todos que trabalham neste tema”. Artigo de Raquel Dodge, procuradora-geral da República.

A Justiça é um risco

“Duas decisões do STF nas próximas semanas impactarão a eficácia do combate à corrupção. O Brasil, ao eleger o presidente, governadores e parlamentares, escolheu tal combate como prioridade nacional máxima (...).  Ser advogado hoje é ser estrategista de riscos. Justiça é o risco concretizado”. Artigo de Joaquim Falcão, professor de Direito Constitucional.