Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,12 de novembro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

Eleições diferentes no Internacional



As amargas experiências vivenciadas no Internacional, fruto de escolhas apressadas, levaram o clube à realidade de um déficit financeiro importante. Ele é o resultado dos encargos do financiamento de uma dívida que vem sendo acumulada desde a primeira gestão Píffero e não solucionada pela modesta gestão Luigi.

Tenho insistido que não há mágica no futebol e muito menos salvador da pátria. Nada, mas nada mesmo, em um clube de futebol depende de uma única pessoa.

Essa afirmação é tão verdadeira que, caso não aceita, teríamos que concluir que as mesmas mãos que nos conduziram aos melhores momentos foram também as que nos levaram à pior episódio da nossa história.

Compadrio não é o pressuposto para a composição de uma gestão competente.

Falar a verdade com o torcedor também não é saudado como uma postura sadia. Via de regra, com maior ou menor criatividade, ao final de cada insucesso, deparamos com as mais estapafúrdias desculpas, como se o jogo visto pelos dirigentes fosse outro e não aquele visto criticamente pelos demais torcedores.

Seja no tema finanças, seja no tema formação de um time, o aspecto que maior crítica recebe do torcedor é o do trato com as categorias de base. Elas não revelam na medida necessária, atletas para o preenchimento das carências, assim como não permitem o incremento de negócios que possam fazer frente ao déficit crescente.

Não há uma sincronia estratégica entre a condução da chamada base e o time principal. Deveríamos sim, já nos primeiros passos de um atleta em formação, preencher as exigências de um perfil estabelecido com anterioridade.

Lamentavelmente, o atual vice de futebol remontou o chamado Inter B, aquele que me orgulho de ter desmontado em nome da decência.

Não há negociações promissoras para a venda de jogadores, mas apenas o emprego de expressivos pagamentos para as contratações de atletas não promissores. É um desastre que acarreta o fracasso no futebol e a difícil realidade de um vestiário caracterizado como zona de confronto.

Futebol é disputa! Disputa com os adversários e entre os jogadores pela posição. Não existirão jamais bons jogadores se o espírito reinante não for o de ambição pessoal.

É nesse aspecto que o dirigente de futebol deve atuar. Atuar estimulando o que os atletas tenham a dar de melhor em favor do clube que paga os seus salários.

Pois bem, o que não é dito e nem festejado, é que diante de uma vitória da chapa Medeiros o vice continuará sendo o Mello.

Essas eleições serão marcadas pelo ineditismo. Pela primeira vez será possível acessá-la por meio das diversas ferramentas da web. Além disso, assim como necessitamos de atitude da direção, carecemos de um planejamento prévio, escrito, um programa de atuação.

Diferentes porque o eleitor, para escolher refletirá com profundidade.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte EV sobre foto Ripleys.com

A múmia colorada

 

A múmia colorada

“De Tutancâmon a Evita Perón, a mumificação é uma prática que visa a perenização de um indivíduo, até mesmo diante da inevitável morte. Atrevo-me a dizer que o nosso vice-presidente de futebol foi mumificado em vida no vestiário colorado”.

O Gre-Nal dos desesperados

Na quarta-feira, um motorista de táxi lançou uma proposta curiosa: “Doutor, pela situação dos dois não seria do Medeiros sentar com o Romildo e assinarem um 0x0?”.

Morreu pela boca

“Isso se aplica às situações em que o sujeito fala além da conta, sem ter consciência do que diz, e acaba pagando o preço da irresponsabilidade. Já afirmei que Melo, o eterno vice futebol do Inter - resistente a todos os insucessos - derrubou o Odair sem querer derrubá-lo”.  

Bruno Alencastro / Google Imagems

   Cai Odair, mas Melo fica!...

 

Cai Odair, mas Melo fica!...

“Já transcorreram mais de dois terços do período total da gestão Medeiros e não ganhamos sequer um Gaúchão.  É preciso banir a politicagem que baliza o comportamento dos dirigentes colorados. Ela é uma ameaça perigosa à eficiência e eficácia do futebol”.

Reprodução Globo Esporte

O fenômeno Flamengo

 

O fenômeno Flamengo

“A boa administração do clube tem reflexos no futebol, resultando que a administração colha resultados. Sobre o jogo de  quarta-feira (25), apenas um comentário: foi pênalti no Guerrero e o nosso prejuízo foi grande”.