Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 02 de junho de 2020.

O gaúcho caloteiro



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Em Mato Grosso do Sul, a 60km da capital, Campo Grande, há a comarca de Bandeirantes. A cidade recebe pessoas vindas de diversos rincões brasileiros, dentre elas os sulistas, que ascenderam à região. É nessa comarca que surge o caso envolvendo o o?cial de justiça Antônio João, um servidor dedicado e sério – e um gaúcho notório pela impontualidade em suas obrigações, já conhecido no meio forense como o Senhor Caloteiro.

O juiz determina que uma penhora seja efetivada pelo oficial Antonio. Este, com temor à sua integridade física, leva força policial consigo. Ao chegar à fazenda do devedor, bate palmas, grita, buzina, mas nada... Enfezado, por ?car muito tempo debaixo do sol, à espera do fazendeiro, o servidor começa a gritar, na certeza de que havia alguém na propriedade.

Acode então o ?lho do Senhor Caloteiro, sendo travado o seguinte diálogo:

- Mas bah, quem procuras, tchê?

- Procuro por seu pai, o Senhor Caloteiro.

- O pai não está. Viajou para o Rio Grande e não tem data para voltar.

Desconfiado, o meirinho pede permissão para, com os policiais, dar uma olhada na área. Ninguém é encontrado.

Quando Antônio João e os milicianos estão indo embora, veem, no meio do mato, uma moita se mexer intensamente. De pronto, os policiais apontam as armas na direção daquilo que parece ser a investida de um animal bravio.

Na sequência, o ?lho do Senhor Caloteiro, assustado com a reação policial e as possíveis consequências, passa à frente do grupo e grita:

- Mas bah, pai, se és tu que já vieste lá do Sul, aparece!

Então, sai da moita o Senhor Caloteiro, acometido de coceira por todo o corpo. Ele se escondera atrás de uma plantação de urtiga, folhagem que causa irritação na pele, em razão da presença de ácido fórmico.

Após assinar o mandado e ouvir um sermão do meirinho, o devedor é liberado para tratar de sua incessante coceira e, quiçá, recuperar-se da “longa viagem” entre o Rio Grande do Sul e Bandeirantes.

Uma hora depois, o o?cial de justiça chega ao foro, onde certifica, em miúdos detalhes, a história além de pessoalmente expressar ao juiz a profunda irresignação, acusando a família do Senhor Caloteiro de uma tentativa de enganá-lo.

Curado da comichão, um dia depois o gaúcho Senhor Caloteiro pede a conta e adimple a obrigação.

E até hoje, quando percebe que alguém quer ludibriá-lo, o juiz usa – no círculo dos operadores forenses - a expressão marcante relatada na certidão do oficial de justiça: “Mas bah, pai, se és tu que já vieste lá do Sul, aparece”.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>
(*) Resumido a partir de um conto de autoria do juiz Fernando Moreira Freitas da Silva, publicado em “A Justiça Além dos Autos”, editado pelo Conselho Nacional de Justiça.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Uma correntista linda, simpática, atraente

 

Uma correntista linda, simpática, atraente

Convocada pelo banco para atualizar seus dados cadastrais, a cliente com 26 de idade comparece prestativa. Formulários preenchidos, tudo ok, despedidas, etc. À noite ela recebe um torpedo no celular: “Lembra que te atendi hoje? Eu te achei linda e simpática, e fiquei interessado em ficar contigo. E, quem sabe, pode até rolar um sexo bom... Há possibilidades? Beijo’’.

Charge de Gerson Kauer

A justificada parcialidade do juiz

 

A justificada parcialidade do juiz

Um pênalti incomum cometido por um zagueiro. Gol da equipe adversária e fim do sonho de estar na elite do futebol gaúcho. Depois da partida, na entrada do vestiário, o goleiro agride seu companheiro de time. No juízo criminal, o magistrado decide com pleno e pessoal conhecimento da causa e absolve o acusado. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke. 

Charge de Gerson Kauer

O automóvel da “potranca” da esquina

 

O automóvel da “potranca” da esquina

“O comportado líder cooperativista, pai de família respeitado e dinheiro sobrando na conta bancária, engraça-se - na média cidade - por uma comerciante local, premiada por Deus em termos físicos. E a presenteia com um automóvel. Um engano da loja de carros na entrega põe tudo a perder”. O texto é de Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

Viagem na maionese jurídica

 

Viagem na maionese jurídica

“O cidadão gaúcho foi ao supermercado exclusivamente para comprar um sachê de maionese. Pagou R$ 6 e ao chegar em casa constatou que a embalagem e o cupom de caixa mencionavam 500 gramas. Mas o peso real era de 260g. ´Abalado´, o consumidor contratou três advogados para a ação por dano moral”.

Charge de Gerson Kauer

´Número 1, ou número 2?´

 

´Número 1, ou número 2?´

“O título do Romance Forense de hoje tem nada a ver com os dois primeiros dos quatro filhos de notório político. É uma história que se passa em uma distribuidora farmacêutica, irredutível no controle dos empregados, de ambos os sexos, nos momentos em que vão aos banheiros”.