Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS),sexta-feira, 29 de maio de 2020.

Comissão Eleitoral da OAB-RS pede desculpas à advocacia porto-alegrense



Caroline Tatsch - OAB/RS

Imagem da Matéria

A Comissão Eleitoral da OAB-RS expediu nota oficial em que pede desculpas pelos problemas de filas surgidos nas primeiras horas da votação, nesta sexta-feira:

“A Comissão Eleitoral da OAB-RS vem a público pedir desculpas aos 22 mil advogados e advogadas votantes em Porto Alegre, que enfrentaram problemas de fluxo para votar na manhã desta sexta-feira (30) no Ginásio Gigantinho.

Conforme regramento eleitoral, a votação deve acontecer de forma direta e obrigatória. Esse regramento também destaca a obrigatoriedade do uso de urnas eletrônicas no pleito eleitoral das seccionais da entidade. Assim, se faz necessária a presença física da classe no ato de votação.

Com o fato ocorrido durante a manhã do pleito, a Comissão Eleitoral já recomendou mudanças no provimento para que os próximos colégios eleitorais aconteçam de forma virtual, evitando o deslocamento dos mais de 58 mil advogados votantes em todo o Rio Grande do Sul.

Da mesma forma, as três chapas concorrentes visitaram o local na quinta-feira (29) e não fizeram nenhuma observação em relação à estrutura. Além disso, os bombeiros deram alvará de funcionamento e estiveram presentes ao longo de todo o processo eleitoral auxiliando para a melhor fluência dos eleitores.”


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Operação do MP contra cinco advogados gaúchos

As investigações apuram se houve uso de atestados médicos falsos em oito processos para obter a soltura de presos. Treze ordens judiciais foram cumpridas ontem (21) em escritórios e residências, em cinco cidades do RS. Um advogado segue preso; um está foragido.

As 13 teses consolidadas do STJ sobre conselhos profissionais

A OAB e os demais conselhos profissionais deverão pagar custas processuais na Justiça Federal. E as dívidas de anuidades só poderão ser ajuizadas quando o total do valor inscrito atingir o montante mínimo correspondente a quatro períodos