Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de outubro de 2019.

Prisão após condenação em segunda instância volta à pauta do STF em março ou abril



O plenário do STF deve julgar entre março (após o carnaval) e abril de 2019 as ações que tratam da prisão após condenados em segunda instância na Justiça. Em setembro, poucos dias antes de assumir a presidência da corte, o ministro Dias Toffoli admitiu deixar a questão para o próximo ano, para evitar pautas polêmicas em ano eleitoral.

A retomada da discussão tem influência direta no caso do ex-presidente Lula, condenado e preso por corrupção passiva e lavagem de dinheiro no âmbito da Operação Lava Jato. Ele foi preso a partir de entendimento firmado pelo STF em 2016 que autoriza a execução antecipada da pena. Ele teve a pena confirmada pelo TRF-4 em janeiro e foi levado à prisão em abril deste ano.

Por meio do julgamento de mérito das ações que tratam do tema de forma geral, em 2019, o plenário do STF pode manter ou derrubar a decisão que atualmente permite a prisão de condenados em segunda instância, antes do trânsito em julgado.

Com o entendimento que possibilita a execução antecipada da pena tomado há dois anos em placar apertado existe a possibilidade de o plenário do STF, na nova discussão, decidir de forma contrária à prisão em segunda instância. A alteração é especulada desde que o ministro Gilmar Mendes, que em 2016 votou favoravelmente à execução antecipada, mudou de posição.

Em abril, durante julgamento do habeas corpus de Lula pelo STF, Toffoli defendeu a possibilidade de que réus possam aguardar em liberdade até serem julgados pelo STJ. A posição, acompanhada por Gilmar, é vista como uma terceira via entre esperar a palavra final do STF e executar a pena logo após condenação em segundo grau.

A maioria favorável à execução antecipada não caiu durante o julgamento do pedido do ex-presidente porque a ministra Rosa Weber votou por negar a liberdade do petista, apesar de ter defendido anteriormente que condenados possam ficar livres até o esgotamento de todos os recursos. Na ocasião, Rosa destacou sua opção pessoal de optar pelo princípio da colegialidade.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Cartunista Jarbas – Diário de Pernambuco e Tribuna da Internet

Novo “entendimento” do STF pode libertar Lula, Dirceu e mais 13 da Lava-Jato

 

Novo “entendimento” do STF pode libertar Lula, Dirceu e mais 13 da Lava-Jato

A Corte começa a debater a questão nesta quinta-feira. Tendência da maioria dos ministros seria condicionar prisão ao trânsito em julgado da sentença e;ou do acórdão transitado(s) em julgado. Mas o julgamento só deve terminar na quarta-feira (23) da próxima semana. Leia a relação dos que podem ser logo beneficiados.

PEC para acabar com a Justiça do Trabalho

Criação do deputado federal Paulo Eduardo Martins (PSC-PR), ela transfere toda a estrutura para a Justiça Federal. A vigência seria depois de 12 meses decorridos a partir da data da publicação. Proposta já tem 52 assinaturas; o número mínimo para a tramitação é de 171.

Possível PEC para reestruturar a atividade sindical no Brasil

Segundo o autor da PEC, deputado Marcelo Ramos (PL-AM), o objetivo não é se antecipar ao projeto que está sendo gestado pelo governo. Algumas categorias poderão ter mais de um sindicato e escolher se filiar à entidade que melhor representar seus interesses.

Governo anuncia PEC para acabar com inscrição obrigatória na OAB

Proposta alcança também outros conselhos profissionais. E  chama a atenção para os atuais riscos de burocratização, via criação de procedimentos e rotinas para atendimento às corporações. Texto enviado pelo ministro da Economia Paulo Guedes foi entregue ontem ao presidente Jair Bolsonaro.