Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.
https://www.espacovital.com.br/images/smj.jpg

Se alguém souber responder, é favor avisar!



Imagem da Matéria

 Razões plausíveis?

Quando a 3ª Câmara Criminal do TJRS julgará a apelação do atropelamento coletivo dos ciclistas?

O crime ocorreu em 25.02.2011. O réu Ricardo José Neis, que está em liberdade, foi condenado pelo júri popular – por 11 tentativas de homicídio, com três qualificadoras, e cinco lesões corporais - a 12 anos e 9 meses de prisão, em 24.11.2016.

Os autos estão “conclusos” com o desembargador Diógenes Vicente Hassan Ribeiro (há um ano e dois meses) desde 06.09.2017.

Como um caso de tanta notoriedade ainda não tem – sete anos e oito meses depois dos fatos – decisão de segundo grau?

Outra pergunta adicional: por que a tramitação no TJ tem chancela de segredo de justiça? (Proc. nº 70074012402).

 Princípio da publicidade

Nada melhor do que - para reforçar a estranheza sobre o sigilo judicial aplicado à ação penal do múltiplo atropelamento - evocar repetidas decisões do ministro Celso de Mello, do STF: “Os estatutos do poder, numa República fundada em bases democráticas, não podem privilegiar o mistério” – tem dito o decano, reiteradamente.

Prossegue ele: “Nada deve justificar, em princípio, a tramitação, em regime de sigilo, de qualquer procedimento que tenha curso em juízo, pois, na matéria, deve prevalecer a cláusula de publicidade".

Juristas sempre festejaram que a Assembleia Nacional Constituinte tenha repudiado o compromisso do Estado com o mistério e com o sigilo, que fora tão fortemente realçado sob a égide autoritária do regime político anterior.

Em pleno 2018, até mesmo novatos estagiários de Direito sabem que a nossa atual Constituição, 30 anos atrás, expôs o Estado, em plenitude, ao princípio democrático da publicidade.

 Sem insalubridade

O Tribunal Superior do Trabalho excluiu da condenação imposta ao Colégio São João Batista, de Caxias do Sul (RS), o pagamento de adicional de insalubridade a uma auxiliar escolar que trocava fraldas. O julgamento concluiu que “o contato com fezes e urina de crianças em creche não se equipara às atividades insalubres de limpeza de banheiro com grande circulação de usuários ou de manipulação de substâncias infectocontagiosas em ambientes hospitalares”.

Sentença da 4ª Vara do Trabalho de Caxias do Sul havia julgado improcedente o pedido, porque “a atividade exercida pela trabalhadora não é reconhecida como insalubre pela legislação”. Mas, na etapa seguinte, o TRT da 4ª Região (RS) determinou o pagamento do adicional de insalubridade em grau máximo.

Tal julgamento porém foi derrubado pela instância superior, ao arrematar que “a troca de fraldas não se enquadra como contato com pacientes e com material infectocontagioso, nem como limpeza de banheiros públicos”. O acórdão não diferencia aquilo que a vox populi chama de “número 1” ou “número 2”. (Proc. nº 20109-29.2015.5.04.0404).

 E o pastoso?

“Xixi de criança possivelmente não seja insalubre. Mas e o pastoso número 2, de limpeza sabidamente complicada, não seria uma exceção?...
(Indagação da rádio-corredor da Subseção da OAB de Caxias do Sul, durante tititi, ontem).

 Baú do Espaço Vital

Da lavra do jurista Bento de Ozório Sant´Hellena, arquivo de 2010, sobre insalubre: “Que não é saudável” – escreveu ele.

Em seguida, a complementação: “Diz-se de local em que há agentes nocivos à saúde ou em que se dá a exposição a estes acima dos limites de tolerância”.

Tolerância, justamente! Eis a questão. Os ministros toleram, à distância, o que a serviçal – pertinho dos produtos – não conseguiu...

  Trans-idade

Emile Ratelband (foto ao lado) é um empresário conhecido na Holanda. Palestrante motivacional, dá palestras sobre “positividade”. Agora, ele quer ser reconhecido como um homem 20 anos mais jovem, embora sua certidão de identidade afirme que ele tem 69.

Munido de um laudo médico – com suporte em vários exames que comprovariam sua “idade biológica” compatível com alguém de 45 anos - Ratelband entrou com uma ação judicial em Amsterdam, na terça-feira (6), para que sua documentação seja alterada.

Numa das passagens da petição inicial, o advogado que representa os interesse de Emile reconhece: “O objetivo de baixar pelo menos duas décadas na documentação é o de conseguir mais trabalho e atrair mais mulheres”.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Diferenças e semelhanças entre os nojentos Abdelmassih e João de Deus

• Por enquanto, o ex-médico leva vantagem sobre o ex-medium. Graças a uma decisão do notório Ricardo Lewandowski, a pena de 278 anos de prisão, do primeiro, está sendo cumprida em casa.

 O que Machado de Assis escreveu sobre o diabo em 1906: “Se tu podes vender a tua casa, o teu boi, o teu sapato, coisas que estão fora de ti, como é que não podes vender a tua opinião, o teu voto, a tua palavra, a tua fé, coisas que são mais do que tuas?

 Tartaruga trintenária: a solução no STJ de uma das mais de 50 ações sobre o naufrágio do “Bateau Mouche”.

• Ri Happy: brinquedos para crianças, mas desconsideração aos avós.

Lasier Martins confundiu o público com o privado

 Senador gaúcho foi ao Rio, para a formatura da filha, com passagens e diárias de hotel pagas pelos cofres públicos. Que feio!

• Fernando Haddad condenado a indenizar Edir Macedo, chamado de “charlatão”.

 Cuidado para não emprestar seu nome!

 Um trenzinho de alegria apita para anunciar sua chegada na Câmara Federal.

• Jornalista Liziane Lima despede-se da Comunicação Social da OAB-RS.

Uma maneira expedita de responder as apelações: carimbar, carimbar...

 Ministro Carlos Marun vai passar o Dia do Marinheiro no Líbano...

 Michel Temer também vai viajar.

 Seu notebook pifou? Faça como a global Andréa Beltrão!

 Senado aprova o projeto que garante, aos advogados, o acesso a atos e documentos de processos judiciais eletrônicos, mesmo sem procuração específica.

 Chega ao STJ a primeira das ações cíveis que trata da queda do avião em que morreu Eduardo Campos.

 A OAS vai ser despejada em São Paulo.

Antes que o governo Temer acabe, o gaúcho Carlos Marun vai fazer uma “inspeção” no Líbano

 E na mesma linha das “viagens do adeus”, duas representantes do moribundo Ministério dos Direitos Humanos vão a Lisboa e Viena, para uma “visita técnica de prospecção”.

 Um projeto da deputada Clarissa Garotinho para salvar papai Garotinho.

 Lembram do mensalão do PT? Pois Marcos Valério é o único que ainda está preso.

 Uma estátua gremista para o zagueiro Bressan. Só que...

 Uma vaga no Presépio de Natal para Magno Malta.

 Justiça celestial recebe - afinal e definitivamente - executivo da Petrobras condenado a 24 anos de prisão e a devolver US$ 8 milhões.

Adivinhem a causa do fechamento de duas lojas de trajes finos masculinos

 Caiu o faturamento delas, porque 92% de seus clientes estão enrolados na Laja Jato.

 O borracheiro baiano que criou uma holding de R$ 580 milhões em sociedade com uma advogada

• Das redes sociais para o Brasil inteiro: “Sérgio Moro não saiu da justiça para fazer política; mas entrou na política para fazer justiça”.

• Os novos tempos de Toffoli no Encontro Nacional do Poder Judiciário: as cataratas de Foz do Iguaçu como panorama de fundo.

 O outono europeu é lindo: antes que Bolsonaro liquide com o Ministério dos Direitos Humanos, emissárias de Temer fazem “visitas técnicas de prospecção” em Lisboa e Viena.

 Um potim do livro “Jardim das Aflições”.