Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 16 de abril de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_15.jpg

Os tentáculos da poderosa confederação e seus efeitos em Porto Alegre



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

 

 A poderosa confederação

A Confederación Sudamericana de Fútbol é uma instituição dita “esportiva internacional” que organiza, desenvolve e dirige competições de futebol. Tem como filiadas as associações que controlam o futebol da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguaia e Venezuela.

Seus campeonatos mais conhecidos são a Libertadores (disputada por clubes) - e a Copa América (de que participam seleções nacionais). A Conmebol possui seu próprio ranking de clubes.

Em 1916, após o sucesso de um campeonato realizado na Argentina, comemorando o centenário da independência daquele país, o então dirigente uruguaio Héctor Rivadavia Gómez propôs a criação de uma entidade sul-americana de futebol. Assim, em 9 de julho daquele ano, as confederações da Argentina, Chile, Uruguai e Brasil fundaram a Conmebol. Já são 102 anos de história e estórias. Os demais países ingressaram entre 1921 e 1952.

As associações de Guiana, Guiana Francesa e Suriname preferiram aderir à Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe – a chamada Concacaf - mesmo fazendo parte, geograficamente, da América do Sul.

  A primeira vez da Conmebol na vida do Grêmio

É do engenheiro (gremista) Ricardo Wortmann - blogueiro da Corneta do RW, acre crítico da Imprensa Vermelha Isenta e minucioso fiscal das idiossincrasias do Grêmio - o levantamento de um primeiro e sério antecedente da Conmebol atravessado, há 16 anos, no caminho futebolístico do imortal tricolor.

Nicolas Leoz, então mandachuva da Conmebol por 26 longos anos, está em prisão domiciliar. A justiça relaciona ao nome dele o desfrute de apreciáveis U$ 28 milhões. Leoz era o presidente da Conmebol em 2002. Até gremistas de pouca memória lembram da Libertadores da América daquele ano. O Olímpia do Paraguai eliminou o Grêmio nas semifinais da competição; depois o time paraguaio enfrentou o São Caetano e foi campeão da Libertadores.

Naquele 2002, o Olímpia completava 100 anos e todos, no Paraguai, exaltavam a possibilidade de o clube ser campeão da América. Sob a batuta gerencial de Leoz, os paraguaios foram ultrapassando todas as fases da Libertadores, aproveitando-se de providenciais erros de arbitragem contra os adversários.

Textualmente, relata RW que “o apogeu do descalabro dos homens de preto ocorreu no Estádio Olímpico, em noite de uma arbitragem calamitosa prejudicando o Grêmio”. E detalha: um gol mal anulado do zagueiro Claudiomiro e a repetição de um pênalti defendido por Eduardo Martini sepultaram as chances do tricolor gaúcho.

Tal como Wortmann, centenas de gremistas que assistiram aquele jogo acreditam que a mão forte de Nicolas Leoz, externamente, agiu pesado em 2002.

  Novos fantasmas em ação

Semelhante fenômeno externo ocorreu, de terça a sábado passados, em episódios em Porto Alegre e em Luque (cidade-sede da Conmebol). No ponto, não há necessidade de ser repetitivo – os acontecimentos estão bem vivos na memória de quem gosta de futebol.

O Espaço Vital realça, porém, o trabalho de quatro advogados gaúchos (Nestor Hein, Leonardo Lamachia, Jorge Petersen e Henrique Soares Pinto) e do colega uruguaio Fernando Sosa. Os cinco foram corajosos e intrépidos defensores jurídicos do Grêmio, sustentando teses legítimas, jurídicas, éticas, morais, de analogia, de respeito ao fair-play etc.

Mas foram vencidos por uma chamada “Unidad Disciplinaria” formada por Eduardo Gross Brown, paraguaio; Amarilis Belisario, venezuelana; e Cristóbal Valdés, chileno. Nem o famoso juiz brasileiro Lalau julgaria melhor que os auto intitulados juristas sul-americanos.

Eles ajustaram as cartas via demoradas (mas sigilosas) videoconferências, numa conjunção em que a presença do River Plate e a intervenção até mesmo do presidente da República Argentina, aproveitou-se ausência do apoio político de Francisco Noveletto Neto. O notório presidente da Federação Gaúcha de Futebol desde 2004 há 14 anos só vê o futebol com coloração vermelha e aversão ao azul.

  As más contratações

Para a necessária análise imparcial dos acertos e dos erros do Grêmio e dos logros e furadas pelo qual o clube gaúcho passou, não se omitem fatores ponderáveis. Entre estes, a estranha teimosia de Renato Portaluppi em poupar jogadores ricamente pagos, mas que não dão expediente regular nos dias de determinados jogos ao alvedrio do treinador.

Somem-se as erradas e caras contratações de André, Marinho, Thaciano, Maicosuel, Hernane Brocador, Madson e alguns mais. Além da absurda insistência com Bressan (“o coveiro” – segundo advogados gremistas na “rádio-corredor” da OAB-RS), Marcelo Oliveira e Douglas.

E não se fala mais nisso.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

As supremas especulações sobre dois futuros ministros do STF

  Antecipadas conjeturas para as vagas que se abrirão com as aposentadorias compulsórias de Celso de Mello (1º.11.2020) e Marco Aurélio Mello (12.7.2021).

  O “menino de ouro” de Dilma Rousseff queria ir para Londres, via Odebrecht, mas se conformou com o Avante, na Câmara dos Deputados.

  O MPF atrás da suposta fortuna amealhada por Michel Temer.

  Pagamento da anuidade da OAB com o uso de pontos amealhados em compras no comércio e em operações com cartões de crédito.

No TRF-4 uma eleição, uma futura posse festiva e uma mexida na jurisdição

 O catarinense Victor Luiz dos Santos Laus (foto), oriundo do MPF, foi eleito ontem (11) para presidir a corte. Ele deixa em junho a 8ª Turma que tem jurisdição criminal. Será um alívio para os réus da Lava-Jato?

 Quem se habilitará para completar o trio junto a João Pedro Gebran Neto e Leandro Paulsen?

 Administradora de consórcio deve liberar imediatamente o crédito ao beneficiário, em caso de morte do contratante, quando houver seguro prestamista.

 STJ anuncia para 8 de maio o julgamento de quatro recursos especiais que vão balizar a punição financeira, ou não, das construtoras por demora na entrega de imóveis.

 Reforma da Previdência cria trava para obter remédio por decisão judicial 

  Danilo Gentili novamente condenado: agora por ataques a Marcelo Freixo

 Aumenta a supremacia do gênero feminino na advocacia do Rio de Janeiro: já há 2.360 mulheres mais do que homens.

Condenação da Pepsi à reparação moral por demitir executivo acometido de câncer

· O trabalhador foi empregado da reclamada durante 28 anos, e seria promovido a diretor.

· A tese argentária da Pepsi: “Necessidade de cortar gastos e alcançar mais lucros, procedimento típico no sistema capitalista”.

· “Se o STF mudar o entendimento sobre a prisão após a condenação em segunda instância, o Brasil vai incendiar”.

· Taxista poderá recusar o transporte de clientes, se o local de destino for reconhecimento perigoso (Campo da Tuca, em Porto Alegre).

· Iesa Veículos condenada a fornecer carro reserva, até que Renault Kwid seja completamente consertado. Veículo novo teve dez panes em poucas semanas.

Financeira ingressa com apelação e depois, ela própria, pede que seu recurso seja improvido

· Engano, estresse, distração, ou “tilt” advocatício no antagonismo das duas petições da mesma parte?

· Saiba como foi o primeiro “tilt” forense, nos anos 90, no Foro de Porto Alegre.

· Uma ação judicial de R$ 327 milhões é a maior do ano, até agora. Esta não é “tilt”...

· Com o advento das “fake news”, o Primeiro de Abril está perdendo a sua graça.

Justiça feita com proventos e penduricalhos

· Nos TJs do Pará e da Bahia, generosidade para avaro nenhum botar defeito.

· CF-OAB pede que Supremo adie o julgamento da prisão após segunda instância.

· Política judiciária prepara a desidratação de Marcelo Bretas.

· O milionário Luiz Estevão aceita um salário de R$ 1.800 mensais.

· Ex-senador Edison Lobão vai ficando pelo Senado. Agora é o editorialista da Casa.

· Em nove anos, 1,1 milhão de bacharéis em Direito – saídos das centenas de faculdades brasileiras - não conseguiram aprovação no Exame de Ordem.

American Airlines condenada em R$ 1 milhão por uso abusivo do detector de mentiras

 Ela é a maior empresa aérea do mundo. Segundo o TST, a utilização do polígrafo eletrônico (foto acima) viola a intimidade do empregado principalmente ante sua ausência de confiabilidade científica.

 A mais jovem advogada brasileira tem apenas 19 de idade.

 Mandado de segurança do CF-OAB, no STF, questionando acórdão do TCU sobre a obrigatoriedade de prestar contas para controle e fiscalização.

 Condenado a 31 anos de prisão, ex-senador Luiz Estevão passa para o regime semiaberto

 Espaço Vital passa a ter mais presença nas redes sociais