Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_17.jpg

Os tentáculos da poderosa confederação e seus efeitos em Porto Alegre



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

 

 A poderosa confederação

A Confederación Sudamericana de Fútbol é uma instituição dita “esportiva internacional” que organiza, desenvolve e dirige competições de futebol. Tem como filiadas as associações que controlam o futebol da Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguaia e Venezuela.

Seus campeonatos mais conhecidos são a Libertadores (disputada por clubes) - e a Copa América (de que participam seleções nacionais). A Conmebol possui seu próprio ranking de clubes.

Em 1916, após o sucesso de um campeonato realizado na Argentina, comemorando o centenário da independência daquele país, o então dirigente uruguaio Héctor Rivadavia Gómez propôs a criação de uma entidade sul-americana de futebol. Assim, em 9 de julho daquele ano, as confederações da Argentina, Chile, Uruguai e Brasil fundaram a Conmebol. Já são 102 anos de história e estórias. Os demais países ingressaram entre 1921 e 1952.

As associações de Guiana, Guiana Francesa e Suriname preferiram aderir à Confederação de Futebol da América do Norte, Central e Caribe – a chamada Concacaf - mesmo fazendo parte, geograficamente, da América do Sul.

  A primeira vez da Conmebol na vida do Grêmio

É do engenheiro (gremista) Ricardo Wortmann - blogueiro da Corneta do RW, acre crítico da Imprensa Vermelha Isenta e minucioso fiscal das idiossincrasias do Grêmio - o levantamento de um primeiro e sério antecedente da Conmebol atravessado, há 16 anos, no caminho futebolístico do imortal tricolor.

Nicolas Leoz, então mandachuva da Conmebol por 26 longos anos, está em prisão domiciliar. A justiça relaciona ao nome dele o desfrute de apreciáveis U$ 28 milhões. Leoz era o presidente da Conmebol em 2002. Até gremistas de pouca memória lembram da Libertadores da América daquele ano. O Olímpia do Paraguai eliminou o Grêmio nas semifinais da competição; depois o time paraguaio enfrentou o São Caetano e foi campeão da Libertadores.

Naquele 2002, o Olímpia completava 100 anos e todos, no Paraguai, exaltavam a possibilidade de o clube ser campeão da América. Sob a batuta gerencial de Leoz, os paraguaios foram ultrapassando todas as fases da Libertadores, aproveitando-se de providenciais erros de arbitragem contra os adversários.

Textualmente, relata RW que “o apogeu do descalabro dos homens de preto ocorreu no Estádio Olímpico, em noite de uma arbitragem calamitosa prejudicando o Grêmio”. E detalha: um gol mal anulado do zagueiro Claudiomiro e a repetição de um pênalti defendido por Eduardo Martini sepultaram as chances do tricolor gaúcho.

Tal como Wortmann, centenas de gremistas que assistiram aquele jogo acreditam que a mão forte de Nicolas Leoz, externamente, agiu pesado em 2002.

  Novos fantasmas em ação

Semelhante fenômeno externo ocorreu, de terça a sábado passados, em episódios em Porto Alegre e em Luque (cidade-sede da Conmebol). No ponto, não há necessidade de ser repetitivo – os acontecimentos estão bem vivos na memória de quem gosta de futebol.

O Espaço Vital realça, porém, o trabalho de quatro advogados gaúchos (Nestor Hein, Leonardo Lamachia, Jorge Petersen e Henrique Soares Pinto) e do colega uruguaio Fernando Sosa. Os cinco foram corajosos e intrépidos defensores jurídicos do Grêmio, sustentando teses legítimas, jurídicas, éticas, morais, de analogia, de respeito ao fair-play etc.

Mas foram vencidos por uma chamada “Unidad Disciplinaria” formada por Eduardo Gross Brown, paraguaio; Amarilis Belisario, venezuelana; e Cristóbal Valdés, chileno. Nem o famoso juiz brasileiro Lalau julgaria melhor que os auto intitulados juristas sul-americanos.

Eles ajustaram as cartas via demoradas (mas sigilosas) videoconferências, numa conjunção em que a presença do River Plate e a intervenção até mesmo do presidente da República Argentina, aproveitou-se ausência do apoio político de Francisco Noveletto Neto. O notório presidente da Federação Gaúcha de Futebol desde 2004 há 14 anos só vê o futebol com coloração vermelha e aversão ao azul.

  As más contratações

Para a necessária análise imparcial dos acertos e dos erros do Grêmio e dos logros e furadas pelo qual o clube gaúcho passou, não se omitem fatores ponderáveis. Entre estes, a estranha teimosia de Renato Portaluppi em poupar jogadores ricamente pagos, mas que não dão expediente regular nos dias de determinados jogos ao alvedrio do treinador.

Somem-se as erradas e caras contratações de André, Marinho, Thaciano, Maicosuel, Hernane Brocador, Madson e alguns mais. Além da absurda insistência com Bressan (“o coveiro” – segundo advogados gremistas na “rádio-corredor” da OAB-RS), Marcelo Oliveira e Douglas.

E não se fala mais nisso.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Ação do presidente nacional da OAB contra Bolsonaro no STF

· A interpelação será para que o presidente diga o que sabe "sobre a morte de Fernando Santa Cruz, ocorrida em março de 1974”.
· Justiça nega autorização para que Eduardo Cunha vá ao casamento da filha.
· Por que os árbitros de futebol não estão mais usando o spray no local da barreira?
· EUA vão retomar as execuções da pena de morte.

Arte de Camila Adamoli

“Sem advogado não há justiça”

 

“Sem advogado não há justiça”

 Tal frase, criada pelo advogado Oswaldo Vergara em 1967, é o dístico da medalha que homenageia profissionais com notabilidade de serviços à classe advocatícia.

  Sessão Magna da Advocacia será no dia 9 de agosto.

  Impasse em ação bilionária da Varig. A massa falida cobra R$ 6 bilhões; a União diz que a condenação foi de R$ 3 bilhões.

  A cada semana, o crescimento da superioridade feminina na advocacia gaúcha: elas já são 42.078; eles, 41.997.

  Ataques também contra os telefones de Jair Bolsonaro.

GPS Life Time

Projeto de lei permite que professores usem armas de eletrochoque nas escolas

 

Projeto de lei permite que professores usem armas de eletrochoque nas escolas

 O texto disciplina o uso de equipamentos não letais pelo docente nos estabelecimentos de ensino da rede pública e privada em todo o território nacional. E altera o Estatuto do Desarmamento, para dispor sobre “armas de incapacitação neuromuscular”.

 Rugas de preocupação para quem se cadastrou no FaceApp.

  Advogadas já são 67 a mais do que os advogados na OAB-RS.

  Cabimento de ação autônoma para a definição e cobrança de honorários advocatícios sucumbenciais, caso a decisão transitada em julgado seja omissa.

Arte de Gerson Kauer sobre imagem Freepik

Discrepância estatística sobre o número de advogadas gaúchas

 

Discrepância estatística sobre o número de advogadas gaúchas

 Dados oficiais do CF-OAB revelam que, esta semana, a vantagem do gênero feminino cresceu mais um pouquinho.

 Contagem feita pela OAB-RS revela, porém, supremacia quantitativa masculina: 40.893 x 37.747.

 Condenação da Volkswagen do Brasil por determinar que empregado começasse a jornada indo ao refeitório para jantar.

 Comissão indevida quando negócio imobiliário se desfaz por culpa do corretor.

 Em busca de emprego, 93% das pessoas com diploma de curso superior admitem ganhar menos.

Imagem Freepik – Edição Gerson Kauer

   Mulheres já são maioria na advocacia gaúcha!

 

Mulheres já são maioria na advocacia gaúcha!

• Na sexta passada (12) elas passaram à frente na estatística do RS: são 41.967 a 41.949.

 Nacionalmente, o aperto financeiro da advocacia: número de profissionais inadimplentes com a anuidade à OAB é de 516 mil.

• O crime compensa: Antonio Palocci passa, em setembro, para o regime aberto.

 Do bloqueio judicial de R$ 128 milhões do ex-ministro, só R$ 61 milhões foram constritos.

Imagem: Freepik / Edição: Gerson Kauer

Crime de adulteração dentro do próprio Poder Judiciário

 

Crime de adulteração dentro do próprio Poder Judiciário

· Escrevente da Vara de Família de Alvorada (RS) chegou a ser preso preventivamente, foi solto por decisão do STJ e restou exonerado pelo TJ gaúcho.
· Fraude dos alvarás tem mais quatro réus. E uma ação de improbidade administrativa tramita sob sigilo por decisão judicial.
· O novo ataque (ou atraque) de políticos ao bolso dos cidadãos que pagam as contas da Nação.
· E a curiosa possibilidade brasiliense da reencarnação do boi...