Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira,
31 de março de 2020.

Vocação para a convergência e maturidade representativa da advocacia



Arte de Camila Adamoli sobre foto Camera Press

Imagem da Matéria

Por Ricardo Breier, advogado, presidente da OAB-RS e candidato à reeleição.

No próximo dia 30, advogadas e advogados gaúchos terão uma nova oportunidade de exercer a democracia em sua plenitude, por meio do voto direto, para o comando da OAB-RS e os órgãos correlatos. É um momento de grande importância!

Nestes quase três anos à frente da entidade, enfrentamos intrincados desafios, continuando o trabalho iniciado em 2007 com a ascensão de Claudio Lamachia, hoje na presidência nacional. O mundo e as relações humanas sofreram profundas mudanças. O Século 21 se apresenta com demandas inéditas, que exigem conhecimento, ação contínua e espírito coletivo para suplantar os desafios. Esses predicados, somados ao distanciamento da ideologia político-partidária, são indispensáveis para somar novas conquistas.

De lembrar que a OAB não é um partido político.

Há cerca de 12 anos encontramos a OAB-RS mergulhada em uma profunda crise financeira, institucional e de credibilidade. O caos exigiu um esforço hercúleo de homens e mulheres de Ordem, que transformaram a Ordem numa entidade de resultados altamente positivos.

Hoje, temos uma instituição moderna, ágil, comprometida com sua representatividade, em constante atualização e que funciona em sede própria, com instalações sintonizadas com os avanços tecnológicos. Este retrospecto permite colocar meu nome à disposição dos colegas, neste pleito, para a reeleição da OAB-RS, e seguir adiante com alto compromisso e responsabilidade.

Em nossa gestão atual foram realizadas melhorias nas 106 Subseções, além da criação da OAB Trend e do Cubo, para dar melhores condições de trabalho e apoio a jovens profissionais – além de outros progressos. Foi uma labuta diuturna, com mais de 120 mil quilômetros percorridos para assegurar as prerrogativas dos advogados, fiscalizar a atividade profissional e oferecer assistência integral aos colegas. Tivemos avanços incontestáveis em níveis estadual e federal.

A partir de 2019 viveremos uma nova realidade emanada das urnas que elegeram novos dirigentes para o Rio Grande e para o Brasil. As dificuldades do prolongamento da crise exigem capacidade de diálogo, vocação para a convergência e maturidade representativa para seguir, consolidar avanços e projetar ainda mais melhorias para advogadas e advogados.

Nossa plataforma tem, por um lado, um cabedal de conquistas e propostas cumpridas nos últimos anos, entre elas a lei estadual de isenção de custas para execução de honorários, E-proc na Justiça estadual e IPE saúde para a advocacia. De outro, ostentamos um conjunto de medidas factíveis e fundamentais para fortalecer a nossa atividade profissional.

Não podemos retroceder. Avançaremos por meio do trabalho coletivo, da crítica permanente e do diálogo participativo!


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Municipalidade de New York

Charging bull, o touro de New York

 

Charging bull, o touro de New York

É uma estátua de bronze postada no Financial District, próximo à Bolsa de Valores em NYC. Simboliza o mercado pujante, a força e poder do povo estadunidense. Saiba porque o Espaço Vital escolheu tal imagem para ilustrar a matéria sobre os milhões que a OAB-RS envia, todos os anos, ao Conselho Federal da OAB, um arrecadador de R$ 104 milhões anuais.“Quem passa as mãos pelo chifre do touro consegue atrair sorte e riqueza e tem vigor para reagir contra abusos” – dizem operadores financeiros de sucesso.

Arte de Camila Adamoli – Foto Camera Press

Enfrentando uma poderosa elite

 

Enfrentando uma poderosa elite

Reunião de quatro movimentos de advogados que estão insatisfeitos com os rumos tomados pelo Conselho Federal da OAB. Um manifesto à população brasileira adverte que “laborar exclusivamente nas falhas e nulidades processuais, nas brechas da lei, e nas medidas protelatórias que visam atrasar a prestação jurisdicional, desvirtua a lógica jurídica”.