Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 19 de julho de 2019.

Casa de marimbondos



Gerson Kauer

Imagem da Matéria

Sobre a mesa do juiz estão os autos de uma carta precatória para a avaliação de uma colheitadeira, penhorada três anos antes, pelo banco que concedera o financiamento. O magistrado se surpreende com a certidão lavrada pelo oficial de justiça-avaliador.

Atenção para os detalhes: “Certi?co que estive na propriedade do devedor, constatando tratar-se de máquina de cor original vermelha, mas bastante gasta e já parecendo bege. Tem capim alto ao redor, mas dá para notar que está sem as rodas. O tubo dianteiro que corta a lavoura está enferrujado. Na traseira, a parte superior tem um grande amassado decorrente da queda de um galho de grande árvore atingida por um raio. Do lado direito, que é por onde o operador entra, não dá para notar se tem escada de acesso à cabine, mas percebi que o banco está roído”.

O oficial não dá qualquer detalhe financeiro útil ao valor da alienação judicial.

O juiz chama o servidor, orientando-o a que “complemente com dados de real interesse a avaliação atual do bem, não perdendo tempo com minúcias despiciendas”.

Dois dias depois, o oficial devolve os autos ao gabinete, com outra minuciosa certidão.

De novo, atenção para os detalhes: “Deixo de estimar presumível valor para a colheitadeira, que é ano 1985, porque não pude me aproximar da mesma, pois na parte interna do teto da cabine tem uma casa de marimbondos do tamanho de uma caçamba de pampa. Os insetos, só com o balançar do capim perto da máquina, ?cam alvoroçados, tendo este servidor medo de levar múltiplas ferroadas”.

E um arremate certificado: “Em respeito ao MM. Juízo, complemento que cheguei a discutir com o devedor da possibilidade de queimarmos a casa dos insetos, mas ele resistiu e me convenceu que, como depositário, poderia se complicar, pelo risco do fogo dani?car o bem. Dou fé.”

O magistrado determina a devolução da carta precatória à origem, “com as escusas deste Juízo, face à impossibilidade de uma precisa avaliação, porque tal máquina, mesmo se oferecida a alguém, certamente não encontraria interessado com coragem de carregá-la dali”.

A “rádio-corredor” da OAB local irradia, no dia seguinte, irônica informação: “Os marimbondos tomaram posse da máquina e preparam-se para ajuizar ação de usucapião”. A advogada será a Doutora Tartaruga Jurisdicional.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Nario Fagundes Da Silva Júnior - Contador 06.11.18 | 11:08:56
Assim como Dr. Adroaldo, penso que o juiz Sérgio Moro poderia esperar a próxima vaga do STF, pois abandona uma carreira brilhante e ainda corrobora com seus acusadores de plantão que teria lado nas questões da Lava-Jato, com o famoso "Eu não disse?". Mas, considerando que a decisão foi tomada, torço demais ao nosso "paladino da Justiça", que tenha sucesso nessa empreitada, que consiga fazer a diferença e tão logo surja disponibilidade na corte suprema, onde ele tem maior vocação,
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Charge de Gerson Kauer

Vá ler o CPC, doutora!

 

Vá ler o CPC, doutora!

“Após extravasamento verbal, o juiz jogou à mesa um exemplar do ´CPC Comentado´, com uma sugestão em altos decibéis: ´Leia o Código, Doutora´. Em gesto igual, devolvi-lhe o livro e retruquei no mesmo alto tom de voz: “Leia você o CPC e a CLT, pois quando você entrou na faculdade, eu já andava por aqui, há anos”. O texto é da advogada Bernadete Kurtz (OAB-RS nº 6.937).

Charge de Gerson Kauer

Atenção Excelências, celulares gravando!

 

Atenção Excelências, celulares gravando!

Os dez advogados da banca estavam aborrecidos com a juizite a que ficavam expostos na vara do Trabalho presidida pelo “Doutor Guerreiro”. Reuniram-se, então, para definir a estratégia necessária à preocupante audiência, no dia seguinte, da ação de uma ex-gerente de loja contra a grande rede de expressão nacional. Resolveram gravar as falas do magistrado. Virou um caso!

Charge de Gerson Kauer

   Como um juiz se aposenta...

 

Como um juiz se aposenta...

O magistrado comandava uma audiência. De repente, teve vontade de esgoelar o advogado, botar a correr as partes, prender a testemunha mentirosa, e jogar tudo pela janela. Ainda bem que pediu aposentadoria. O texto é do advogado Carlos Alberto Bencke.

Charge de Gerson Kauer

É sexta-feira no fórum!

 

É sexta-feira no fórum!

A paciência de uma advogada, diante do balcão de um cartório, na busca de um alvará pedido há 45 dias, e cujo processo teimosamente ficava imóvel numa das repetitivas pilhas. Mas – “obrigado Deus”, era sexta-feira, dia de o escrivão fazer o seu happy hour, porque ninguém é de ferro...

Charge de Gerson Kauer

O cheirinho da garagem...

 

O cheirinho da garagem...

Após estacionar seu automóvel, mais uma vez, defronte à garagem de uma residência, o advogado e professor de Direito encontra, no para-brisas, um bilhete ameaçador:  “Com todo o respeito, é a quarta vez que você põe o carro na minha garagem. Se você é homem, aperta a campainha que eu vou falar com você, seu merda”.

Charge de Gerson Kauer

“Senhores e senhoras, levantem-se!”

 

“Senhores e senhoras, levantem-se!”

Era o primeiro dia de audiências do novel juiz na comarca. Os advogados e as partes foram entrando na sala, sendo surpreendidos por chamativo aviso: “Em estrito respeito ao Juízo, todos deverão levantar-se no momento que o MM. Juiz adentrar a sala de audiências”. A severa escrivã também fazia a sua parte. Os advogados locais reagiram.