Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 26 de maio de 2020.

As notas oficiais que não são completas, mas confirmam a ofensiva criminosa



As publicações oficiais feitas pela OAB-RS e pelo TJRS, a propósito dos desdobramentos da Operações Gangster e Ruína – desencadeadas pela Polícia Civil e pelo Ministério Público do RS - são superficiais e não revelam os nomes dos três advogados denunciados e do juiz que os criminosos pretendiam matar.

O que disse a OAB-RS

A Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Rio Grande do Sul (OAB-RS) vem por meio desta se manifestar a respeito de uma investigação, envolvendo advogados com facção criminosa do Estado do Rio Grande do Sul:

1. A OAB-RS reprova e não compactua com qualquer advogado ou advogada que atue à margem da ética profissional.

2. Os advogados citados estão suspensos preventivamente do exercício da profissão pela OAB-RS.

3. A OAB/RS abrirá processo ético-disciplinar para apurar todas as circunstâncias do caso e a responsabilidade administrativa dos advogados no presente episódio.

4. Cabe esclarecer à sociedade que este caso é uma exceção, e que todas as prerrogativas dos advogados que atuam dentro da ética sempre serão defendidas pela OAB/RS”.

O que disse o TJRS

“Em relação à notícia veiculada sobre ameaças a magistrado da Vara do Júri da Capital, a Administração do Tribunal de Justiça informa que já de algum tempo tinha ciência dos fatos e acompanhava atentamente a situação.

Desde o primeiro momento, de forma discreta e sigilosa, no intuito de preservar a integridade do juiz, disponibilizou de imediato segurança integral para ele e seus familiares, além de providenciar seu reposicionamento na jurisdição.

Ainda, importante salientar que o Tribunal de Justiça conta com eficazes dispositivos de segurança em suas dependências para preservar magistrados, o que inclui a Vara do Júri da Capital; isso inclui portais, segurança reforçada e outras providências que são mantidas em sigilo, além de novas instalações, recentemente inauguradas e projetadas especialmente para o plenário do júri”.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Operação do MP contra cinco advogados gaúchos

As investigações apuram se houve uso de atestados médicos falsos em oito processos para obter a soltura de presos. Treze ordens judiciais foram cumpridas ontem (21) em escritórios e residências, em cinco cidades do RS. Um advogado segue preso; um está foragido.

As 13 teses consolidadas do STJ sobre conselhos profissionais

A OAB e os demais conselhos profissionais deverão pagar custas processuais na Justiça Federal. E as dívidas de anuidades só poderão ser ajuizadas quando o total do valor inscrito atingir o montante mínimo correspondente a quatro períodos