Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.
https://www.espacovital.com.br/images/smj.jpg

Aeroporto de Florianópolis passa a ser o pior das capitais brasileiras



Arte de Camila Adamoli e charge de Genildo.

Imagem da Matéria

Ø Passageiros demais...

Espantosa a falta de condições atuais do Aeroporto Hercílio Luz, em Florianópolis (SC), concedido em janeiro deste ano – até 2048 - ao grupo suíço Zurich Airports.

Enquanto engatinha a construção do novo terminal, prometida para o final de 2019, os passageiros - mesmo pagando taxa de embarque de absurdos R$ 29 - ficam sujeitos a disputar espaços nas congestionadas e precárias salas de “embarque” (?) e desembarque. Não há sequer a compensação de atendimento pessoal gentil. Este foi o desumano retrato do empurra-empurra do feriadão.

Como a própria nova administradora prevê um aumento de 38% dos voos internacionais, já para o próximo verão, fica fácil imaginar o futuro caos.

O slogan atual de “Seu conforto lá nas alturas” é uma mentira e está mais para “seu total desconforto em terra firme”.

Ou, quem sabe, “passageiros demais, consideração de menos”. A conjunção é agravada pela omissão da Infraero.

E assim o deteriorado aeroporto da simpática capital catarinense é, por ora, candidato a ser um dos piores do Brasil – conforme avaliação de dezenas de pessoas que ali passaram deterioradas horas durante o chuvoso feriadão que passou.

Ø Penúltimo e... último!

O Espaço Vital antecipa dados de uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, a ser oficialmente divulgada amanhã (17).

As tabulações sobre o medo e as consequências da violência, a descrença na honestidade das eleições, e a desconfiança no governo federal colocam o Brasil em 129º lugar numa relação de... 130 países que teve cidadãos entrevistados. Deem-se conta de que nossa nação está em penúltimo lugar.

Mas ainda há o pior: no caso das lideranças políticas, a aprovação pelos entrevistados é de apenas 9%.

Neste item, o Brasil tem o pior índice do planeta. Estamos no fundo do saco.

Ø O crime compensa...

Tido como um dos principais operadores do lado sujo da Lava Jato, o empresário e lobista Adir Assad se prepara para deixar a cadeia e cumprir o regime aberto diferenciado, com restrições de horário e uso de tornozeleira eletrônica. Foi tanto coisa a contar que a delação premiada foi firmada com as forças-tarefas em São Paulo, Rio de Janeiro e Paraná.

Em contas mantidas em seis bancos, Assad movimentou R$ 1 bi e 800 milhões por meio de empresas de fachada.

Foi assim que notas frias - emitidas por grandes empreiteiras – transformaram-se em dinheiro para virar propina, com ricochetes na CPI do Cachoeira, escândalo da construtora Delta, Petrolão e outras operações menos votadas.

Ø Ruins de urnas

Com os seus 0,03% de votos, João Goulart Filho, o filho de Jango e Maria Tereza Goulart, passou para a História do Brasil como o segundo pior desempenho entre as 87 candidaturas à Presidência da República, desde a volta das diretas em 1989.

Pior que Janguinho e seus 30.176 votos, só mesmo Rui Costa Pimenta, do Partido da Causa Operária que teve 0,01% em 2010. Ele bisou o percentual em 2014. Quantitativamente, foram 12.296 e 12.324 votos.

Ø O “bom” parlamentar

Figurante entre os 20 principais nomes do Congresso que foram derrotados nas eleições do dia 7, o gaúcho Darcísio Perondi (MDB-RS) foi um dos poucos que aceitou fazer públicas reflexões sobre o porquê de ter sido, politicamente, defenestrado depois de quatro mandatos de deputado federal.

Comparando suas votações (109 mil votos em 2014; 39 mil em 2018), Perondi avalia que “a derrota foi acachapante”. E aponta a causa maior: “O povo não entendeu as reformas de Temer”.

Perondi disse que ficou triste, mas não chorou – e que, como médico pediatra, voltará aos consultórios.

Ele imagina que quem perde com a sua ausência na Câmara “é o Brasil”. E arremata com uma avaliação em causa própria: “Eu era um bom parlamentar”.

Há controvérsias. Elas estão calcadas nas atuações de Perondi ante as duas denúncias contra o presidente Temer, que o deputado ajudou fortemente a brecar na Câmara.

Ø Trabalho, etcetera

Bem-vindo! O vice-presidente do TRT-RS, desembargador Ricardo Carvalho Fraga, passa a escrever – regular e quinzenalmente – como colaborador do Espaço Vital. Seus textos de tema-livre abordarão principalmente a Justiça laboral.

Eles serão publicados às terças-feiras alternadamente. Hoje está sendo a estreia. Sua próxima presença será na terça-feira 6 de novembro.

Ø Nos braços de Hipnos, ou de Morfeu?

Longe da realidade brasileira, a direção do Senado sonha e – vejam só - acaba de abrir licitação para a compra de camas e colchões para as residências oficiais dos 81 políticos que estarão no suposto batente a partir de 1º de janeiro de 2019.

Serão, ao todo, 140 conjuntos para o bom dormir... e sonhar.

No edital, curiosas minúcias: molas individuais ensacadas, tecido bordado e “molejo” adequado para quem pesa até 120 kg.

Haverá, aí, o dedo de algum obeso na indicação? Ou o numeral 120 será a soma do peso de um cidadão de 70 quilos com o de uma acompanhante de 50?...

A propósito do título deste tópico, a droga morfina tem seu nome derivado de Morfeu, pois ela propicia ao usuário sonolência e efeitos análogos aos sonhos. Morfeu é comumente confundido com seu irmão Hipnos, este sim o deus do sono.


Comentários

Luiz Victor S. De Moraes - Corretor De Imóveis 16.10.18 | 10:43:02
É um absurdo colchões para senadores, com tudo que eles ganham, falta vergonha na cara, propor uma coisa dessas.
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Diferenças e semelhanças entre os nojentos Abdelmassih e João de Deus

• Por enquanto, o ex-médico leva vantagem sobre o ex-medium. Graças a uma decisão do notório Ricardo Lewandowski, a pena de 278 anos de prisão, do primeiro, está sendo cumprida em casa.

 O que Machado de Assis escreveu sobre o diabo em 1906: “Se tu podes vender a tua casa, o teu boi, o teu sapato, coisas que estão fora de ti, como é que não podes vender a tua opinião, o teu voto, a tua palavra, a tua fé, coisas que são mais do que tuas?

 Tartaruga trintenária: a solução no STJ de uma das mais de 50 ações sobre o naufrágio do “Bateau Mouche”.

• Ri Happy: brinquedos para crianças, mas desconsideração aos avós.

Lasier Martins confundiu o público com o privado

 Senador gaúcho foi ao Rio, para a formatura da filha, com passagens e diárias de hotel pagas pelos cofres públicos. Que feio!

• Fernando Haddad condenado a indenizar Edir Macedo, chamado de “charlatão”.

 Cuidado para não emprestar seu nome!

 Um trenzinho de alegria apita para anunciar sua chegada na Câmara Federal.

• Jornalista Liziane Lima despede-se da Comunicação Social da OAB-RS.

Uma maneira expedita de responder as apelações: carimbar, carimbar...

 Ministro Carlos Marun vai passar o Dia do Marinheiro no Líbano...

 Michel Temer também vai viajar.

 Seu notebook pifou? Faça como a global Andréa Beltrão!

 Senado aprova o projeto que garante, aos advogados, o acesso a atos e documentos de processos judiciais eletrônicos, mesmo sem procuração específica.

 Chega ao STJ a primeira das ações cíveis que trata da queda do avião em que morreu Eduardo Campos.

 A OAS vai ser despejada em São Paulo.

Antes que o governo Temer acabe, o gaúcho Carlos Marun vai fazer uma “inspeção” no Líbano

 E na mesma linha das “viagens do adeus”, duas representantes do moribundo Ministério dos Direitos Humanos vão a Lisboa e Viena, para uma “visita técnica de prospecção”.

 Um projeto da deputada Clarissa Garotinho para salvar papai Garotinho.

 Lembram do mensalão do PT? Pois Marcos Valério é o único que ainda está preso.

 Uma estátua gremista para o zagueiro Bressan. Só que...

 Uma vaga no Presépio de Natal para Magno Malta.

 Justiça celestial recebe - afinal e definitivamente - executivo da Petrobras condenado a 24 anos de prisão e a devolver US$ 8 milhões.

Adivinhem a causa do fechamento de duas lojas de trajes finos masculinos

 Caiu o faturamento delas, porque 92% de seus clientes estão enrolados na Laja Jato.

 O borracheiro baiano que criou uma holding de R$ 580 milhões em sociedade com uma advogada

• Das redes sociais para o Brasil inteiro: “Sérgio Moro não saiu da justiça para fazer política; mas entrou na política para fazer justiça”.

• Os novos tempos de Toffoli no Encontro Nacional do Poder Judiciário: as cataratas de Foz do Iguaçu como panorama de fundo.

 O outono europeu é lindo: antes que Bolsonaro liquide com o Ministério dos Direitos Humanos, emissárias de Temer fazem “visitas técnicas de prospecção” em Lisboa e Viena.

 Um potim do livro “Jardim das Aflições”.