Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.

Cristian Cravinhos é condenado a 4 anos e 8 meses por tentativa de suborno



Fotos: Polícia Civil de S. Paulo

Imagem da Matéria

Cristian Cravinhos, 43 de idade atual, um dos autores dos crimes no caso Suzane von Richtofen – ocorridos em 31 de outubro de 2002 - foi condenado na segunda-feira (8) , no Fórum de Sorocaba, a quatro anos e oito meses de prisão, em regime fechado pelo crime de corrupção ativa. Cravinhos já havia cumprido parte da pena após a condenação a 38 anos e meio de prisão pela morte de Manfred e Marísia Von Richthofen – e, assim, estava em regime aberto.

A nova condenação se refere a uma tentativa de suborno feita por Cristian a policiais militares para que não fosse preso em um bar de Sorocaba, no interior de São Paulo. O fato ocorreu no dia 17 de abril de 2018. Na ocasião, Cravinhos – abordado após agredir a mulher com quem matinha relacionamento - foi detido com munição calibre 9 milímetros, de uso restrito, sem ter autorização. Nas mesmas circunstâncias, ofereceu o valor de R$ 1.000,00 aos policiais militares para que não o prendessem.

Cravinhos negou as acusações de agressão, porém quando os policiais pediram a documentação, verificaram de quem se tratava de Cristian Cravinhos. Questionaram, então, se o acusado estava com o alvará de progressão do regime – a resposta foi negativa.

De acordo com a nova decisão judicial, Cravinhos iniciará o cumprimento da pena no regime fechado, em razão da reincidência e das circunstâncias judiciais desfavoráveis.

"O réu permanece preso cautelarmente desde 18 de abril de 2018 e, considerando o montante da pena aplicada, observo que ele ainda não cumpriu 1/6 (um sexto) de sua pena privativas de liberdade durante o curso do processo, motivo pelo qual não faz jus à adequação, permanecendo o regime inicial fechado", diz a decisão. Esta estabeleceu também que o réu não poderá apelar em liberdade.

Na decisão a magistrada Margarete Pellizari afirma que "a custódia deve de ser mantida, pela necessidade de garantia da ordem pública, levando-se em conta o desrespeito à Justiça e, mais ainda, a uma das mais respeitáveis instituições, a Polícia Militar".

O julgado monocrático arremata que Cravinhos “foi condenado a altíssima pena por crime de homicídio triplamente qualificado e, em cumprimento de pena, livre por concessão de benesse executória, voltou a ser condenado por tentativa de corromper dois agentes públicos".


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte EV

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

 

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

Desembargadora Sérgia Maria Mendonça Miranda vira ré em investigação sobre esquema de venda de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Ceará. Também são acusados oito advogados, três dos quais estão suspensos preventivamente pela OAB cearense

STF julga hoje novo habeas corpus de Lula

A defesa argumenta que Moro é inimigo do ex-presidente e não tinha isenção para julgá-lo, tanto que virou futuro ministro do governo Bolsonaro. A PGR rebate que “a decisão de tornar-se ministro é estritamente pessoal, e a motivação do ex-magistrado em aceitar tal convite não interessa aos autos"

Quase 200 anos de prisão!

Juiz Marcelo Bretas condena Sérgio Cabral a mais 14 anos de prisão, por lavagem de R$ 15 milhões. Total das penas chega a 197 anos e 9 meses.

Mais uma denúncia contra Lula: suposta lavagem de R$ 1 milhão

Ele teria influenciado decisões de Teodoro Obiang, presidente da Guiné Equatorial, para a contratação do grupo brasileiro ARG. Um e-mail apreendido afirma que a empresa estava disposta a fazer “uma contribuição financeira bastante importante” ao Instituto Lula. O dinheiro foi contabilizado como doação.