Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira ,19 de novembro de 2019.
https://www.espacovital.com.br/images/jus_colorada_5.jpg

O dinheiro saia em mochilas



Charge Jornal Ação Popular

Imagem da Matéria

A operação Lava Jato trouxe à tona uma realidade desconhecida. O dinheiro utilizado na corrupção circulava em malas. Malas do Geddel, mala atribuída ao Temer, malas em avião diplomático, etc.

Há uma razão para isso: o rastro que o dinheiro depositado em instituições financeiras deixa pelo emprego da informática.

Além disso, o apetite por ´aquilo que não é seu´, aumentou muito. Os valores em todos os episódios são enormes.

Estamos perplexos pelo conteúdo do relatório da Comissão do Conselho Deliberativo do Internacional que analisou as rotinas financeiras da gestão Piffero. Não esqueçamos que ainda está em curso a investigação sob a responsabilidade do Ministério Público.

Talvez hoje haja uma maior compreensão da nossa resistência à reforma do Estádio Beira-Rio com recursos próprios e a minha imposição para que, à época, os candidatos apresentassem as negativas judiciais.

A chapa Vitório Piffero, embora não apoiada pelo movimento político do qual o ex-presidente F. Carvalho é presidente de honra, teve o seu expresso apoio.

Lembro bem da noite em que, na saída da reunião do Conselho - quando eu disputava a indicação para disputar a presidência – houve uma entrevista concedida por ilustre apoiador da chapa Piffero. Ao ser indagado acerca da proposta de ´ficha limpa´, referiu: “Há uma candidatura que tem como único propósito tumultuar o processo eleitoral”.

Venceu a chapa Piffero que, além de tudo obteve o apoio do movimento Convergência Colorada, um dos mais críticos defensores da idoneidade administrativa. Colocou na chapa vice eleito, na gestão vários vices e diretores e um de seus líderes assumiu o papel de zelar pela transparência de todos os atos.

Deu no que deu, dentro e fora do campo.

Segundo o relatório a dinheirama era retirada na boca do caixa e transportada em mochilas. Saques que alcançavam milhões de reais. A nota fiscal, sem o respectivo contrato, quando apresentada posteriormente, presta-se para efetivas desconfianças em razão da origem. Há alusão a empresas inexistentes, inoperantes ou com titulares que jamais exploraram a atividade econômica geradora do débito.

Segundo o relatório aproximadamente R$ 10 milhões foram objeto dessa operação. Pelo que sei e conheço, essa é apenas a ponta do iceberg.

Há uma caixa preta, indevassável e que lida com valores inimagináveis que é o futebol. Sei o quanto é difícil investigar, pois ensejaria que eventuais beneficiados abram a boca. Mas, como não somos surdos, basta seguir os sussurros pronunciados nos corredores do Beira-Rio.

Aliás, deveriam ser bem mais amplas no tempo envolvido.

Para temperar o desprezo à idoneidade, foram apontadas gastanças em jantares, em bebidas, em viagens, etc.

Sempre que esses fatos são detectados nos clubes de futebol, imediatamente, sob o falso manto da pacificação, entram em campo os bombeiros. Afirmações que tentam mitigar a gravidade do ocorrido. Em entrevista de agora, Piffero declara que é uma bobagem a apresentação de notas fiscais para a comprovação de despesas. Não faz muito tempo o F. Carvalho declarou à imprensa, em um verdadeiro “carteiraço”, que tem certeza da inocência do seu pupilo e que tudo será esclarecido.

A lógica é essa, na perspectiva de bons resultados eleitorais, prega-se a unificação, empurrando a sujeira para baixo do tapete. Não há conquista de títulos que, ao meu juízo, transforme um clube da grandeza do Internacional em quintal da casa de alguém.

Há críticas severas ao vazamento para a imprensa do conteúdo do relatório. Também acho desrespeitoso tornar público algo que sequer os conselheiros têm conhecimento. Entretanto, percebo que o inadequado vazamento, poderá abortar os acertos de cúpula.

Defendo a aplicação das normas internas que induzem à adoção medidas de recuperação dos valores e na expulsão dos responsáveis do quadro social.

Pela segunda vez nesse espaço, considerando todas as prerrogativas do Ministério Público, único guarnecido pelos poderes que lhes são concedidos pela legislação, clamo a investigação das transações com investidores, empresários e jogadores de futebol.

É preciso avançar para que encontremos as exatas dimensões do iceberg.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Edilson Ivanir Dos Reis Leal - Industriário (rec.hum.) 28.09.18 | 11:03:18
JUSTIÇA!
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Arte EV sobre foto Ripleys.com

A múmia colorada

 

A múmia colorada

“De Tutancâmon a Evita Perón, a mumificação é uma prática que visa a perenização de um indivíduo, até mesmo diante da inevitável morte. Atrevo-me a dizer que o nosso vice-presidente de futebol foi mumificado em vida no vestiário colorado”.

O Gre-Nal dos desesperados

Na quarta-feira, um motorista de táxi lançou uma proposta curiosa: “Doutor, pela situação dos dois não seria do Medeiros sentar com o Romildo e assinarem um 0x0?”.

Morreu pela boca

“Isso se aplica às situações em que o sujeito fala além da conta, sem ter consciência do que diz, e acaba pagando o preço da irresponsabilidade. Já afirmei que Melo, o eterno vice futebol do Inter - resistente a todos os insucessos - derrubou o Odair sem querer derrubá-lo”.  

Bruno Alencastro / Google Imagems

   Cai Odair, mas Melo fica!...

 

Cai Odair, mas Melo fica!...

“Já transcorreram mais de dois terços do período total da gestão Medeiros e não ganhamos sequer um Gaúchão.  É preciso banir a politicagem que baliza o comportamento dos dirigentes colorados. Ela é uma ameaça perigosa à eficiência e eficácia do futebol”.