Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 18 de dezembro de 2018.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Mais 24 anos e dois meses de poder para Toffoli



Charge de Gerson Kauer

Imagem da Matéria

 O futuro decano

Além de ser o mais jovem ministro a ter assumido, na quinta-feira 13, a Presidência do STF, aos 50 de idade (* 15.11.1967), Antonio Dias Toffoli também será – se quiser – o magistrado com mais tempo como integrante da corte. O campeão atual é Hermínio do Espirito Santo, ministro com 10.951 dias, seguido por André Cavalcanti d’Albuquerque, que atuou por 10.835 dias - ambos no início do século passado.

Se não quiser se aposentar antes, Toffoli completará 75 anos em 15 de novembro de 2042, após 12.073 dias no cargo, e será o recordista absoluto no Supremo. Quando foi nomeado por Lula (23.10.2009), a previsão era a de que seria o terceiro ministro mais longevo, com 10.249 dias. A PEC da Bengala, todavia, deu cinco anos a mais a todos os ministros.

Por isso, Toffoli poderá ficar até 2042 – serão doravante mais 24 anos e dois meses de poder. No total, 33 anos, um mês e 22 de permanência na Suprema Corte.

Como decorrência das diferenças das épocas em que foram empossados (2009 e 2017), apesar de ser um ano mais jovem do que Toffoli, o ministro Alexandre de Moraes (* 13.12.1968) passará sete anos a menos no STF do que o atual presidente da corte.

 O atual decano

José Celso de Mello Filho, paulista de Tatuí (* 1.11.1945), é ministro do STF desde 17 de agosto de 1989, sendo o membro mais antigo do tribunal desde 2007. Foi presidente da corte de 1997 a 1999.

Formou-se pela Universidade de São Paulo em 1969 e foi membro do Ministério Público do Estado de São Paulo desde 1970, até ser nomeado para a Suprema Corte, por José Sarney.

Se não quiser sair antes, por aposentadoria voluntária, Celso de Mello ficará no tribunal até 31 de outubro de 2020, véspera da data da compulsória do seu 75º aniversário. Terão sido 30 anos, um mês e 14 dias na atividade.

 Tarde demais

O presidente do BNDES, Dyogo Oliveira, afirmou ontem (20) que “foi um erro o banco ter concedido empréstimos para exportações a países como Cuba e Venezuela”. O saldo devedor dos empréstimos, concedidos durante os governos do PT soma cerca de US$ 1 bilhão – “e os dois países estão com prestações em atraso” – admitiu Dyogo.

Agora, o BNDES simplesmente vai atrás do dinheiro, para tentar receber.

 Futebol jurídico

Presidente do Botafogo durante seis anos (2009/2014), Maurício Assumpção virou réu numa ação cível movida pelo clube que cobra aproximadamente R$ 50 milhões “por perdas e danos resultantes da má administração do dirigente”.

Ao contestar, o ex-presidente preliminarmente pediu a gratuidade judiciária. Anteontem (19) a 25ª Câmara Cível do TJ do Rio negou. Cirurgião dentista com grande clientela e político filiado ao MDB, “Maurício Assumpção Souza Júnior não é pobre” – segundo o julgado. A ação segue na 49ª Vara Cível carioca. (Proc. nº 0302742-24.2017.8.19.0001).

A propósito, aqui no RS parece ter dado em nada a iniciativa de setores do Inter de, com a ajuda do Ministério Público, ver passadas a limpo as contas da gestão de Vitório Piffero e dos que o rodearam bem próximos.


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Maioria do TRF-2 considera inconstitucional a sucumbência para a AGU

• Nove votos já afirmaram que advogados públicos não podem receber honorários de sucumbência, caso a administração saia vencedora de uma disputa judicial.

 Bye, bye Brasil: 29% dos brasileiros gostariam de deixar nosso país.

 Curso de Direito continuará tendo cinco anos.

 STJ decide a restrição do foro privilegiado também para procuradores da República.

A disputa, por três filhas, sobre a destinação do cadáver do pai falecido há seis anos

  Em vida, o falecido teria manifestado, verbalmente, sua disposição de que, após a morte, seu corpo fosse submetido a um processo de congelamento (criogenia – foto acima), nos EUA, para que com a evolução da Ciência, fosse possível descobrir a causa de sua doença.

  A mina da Votorantim próxima ao rio Camaquã e o atropelamento múltiplo de ciclistas: dois “riscos vermelhos” do RS estão no Atlas Global de Justiça Ambiental.

 Unesco certifica a decisão do STF de equiparar a união estável entre pessoas do mesmo sexo à entre casais heterossexuais como “patrimônio documental da humanidade

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.