Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de outubro de 2019.

O Governo, a incompetência e suas agências



Por Marcelo Santagada de Aguiar, advogado (OAB-RS nº 41.900).
marcelo@benckesirangelo.com.br

Nesta semana fomos “brindados” pela criação de mais uma agência pelo Governo Federal: a ABRAM – Agência Brasileira de Museus, instituída pela Medida Provisória nº 850 de 10.9.2018.

Segundo o texto da criação, a agência será um serviço social autônomo, na forma de pessoa jurídica de direito privado sem fins lucrativos, de interesse coletivo e de utilidade pública, com a finalidade de gerir instituições museológicas e seus acervos e promover o desenvolvimento do setor cultural e museal.

A mesma medida provisória estabelece a extinção do Ibram – Instituto Brasileiro de Museus, passando para a União 27 museus hoje sob a sua gestão. De referir que a norma estabelece que a nova agência será a responsável pela reconstrução do Museu Nacional, sendo evidentemente esse o motivo de sua criação.

Da leitura da medida provisória, desponta claramente que ela é fruto de uma recorrente característica dos governos no Brasil: a impressionante incompetência na gestão do patrimônio público, e a adoção de medidas de ocasião para tentar resolver problemas imprevistos que se apresentam, como no caso o lamentável incêndio que destruiu o Museu Nacional recentemente.

Note-se que o incêndio do Museu Nacional e a criação da nova agência nada mais são do que o atestado definitivo de que o Estado não tem a mínima competência para a gestão do que quer que seja. Não adianta se o museu era vinculado a uma universidade federal, se era vinculado ao Ministério da Educação, ou ao Ministério da Cultura - o fato é que ninguém foi capaz de proteger um patrimônio cultural insubstituível. Como Brasil, ficamos novamente com o vexame de um incêndio que se poderia evitar.

A criação da nova agência, como no passado recente o foi com as demais agências, provavelmente pouco mudará o destino dos museus e quase com absoluta certeza, mesmo que já existisse a agência dos museus, o incêndio não deixaria de ocorrer.

As agências foram criadas quando das privatizações do governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, seguindo o modelo do governo inglês de Margaret Thatcher. Esta, após grande onda de privatizações, criou as agências reguladoras para manter a qualidade dos serviços e a defesa dos cidadãos.

No Brasil, para variar, as coisas não saíram como planejado e hoje temos agências reguladoras que trabalham mais para as reguladas do que para a população destinatária dos serviços, apenas como exemplo citamos a ANAC e a ANATEL que não conseguem dar um satisfatório resultado à população destinatária dos serviços aéreos e de telefonia.

Assim, resta torcer para que a nova Agência Brasileira de Museus tenha destino e futuro diverso das congêneres e tenha êxito na reconstrução do Museu Nacional e na gestão e conservação dos demais museus do país.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte de Camila Adamoli

Cuidado com as audiências em ação de despejo

 

Cuidado com as audiências em ação de despejo

“O inimaginável na 3ª Vara Cível de Porto Alegre: terceiros - não autorizados pela parte ré, tampouco munidos de instrumento de mandato - firmaram acordo em nome de uma octogenária, reconhecendo uma dívida e uma relação jurídica locatícia inexistente. E o pior: a transação foi homologada. Virou um elefante branco”. Artigo da advogada Cristine Batistella Darcie.

Liminar para rescisão indireta do contrato de trabalho

Impontualidade no pagamento dos salários e falta dos depósitos do FGTS. “A 1ª Seção de Dissídios Individuais do TRT-4 acolhe mandado de segurança de uma reclamante, sem necessidade de instrução do feito”. Empate de sete votos, com decisão pelo ´voto de Minerva´ da presidente.  Artigo do advogado Juvenal Ballista Kleinowski.

Montagem de Gerson Kauer sobre imagem Google

Janot x Gilmar – e o desejo de matar

 

Janot x Gilmar – e o desejo de matar

“Para me atrever a abordar o caso, busquei valiosos subsídios junto ao credenciado professor Ney Fayet Júnior. Entre um mate e outro, fui brindado com uma verdadeira aula. Assim, em conclusão, primeiramente, de tentativa de homicídio não se trata”. Artigo de Roberto Siegmann, advogado, hoje excepcionalmente fora de sua condição habitual de colunista do Jus Vermelha.

As dificuldades e as soluções para o uso do PJe-Calc

 

As dificuldades e as soluções para o uso do PJe-Calc

O prazo dado pelo CSJT, para início da obrigatoriedade a partir de 1º de janeiro de 2020, é insuficiente para que os usuários adquiram o domínio necessário ao uso do programa”. Artigo de Evori Veiga de Assis, economista, diretor do IPEJ.