Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 7 de julho de 2020.

Oi, Claro e Vivo multadas em R$ 9,3 milhões por infrações ao Código do Consumidor



O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), da estrutura do Ministério da Justiça, multou as empresas Oi, Claro e Vivo no valor de R$ 9,3 milhões por infração ao Código de Defesa do Consumidor. “É a maior multa já aplicada na história do departamento” - informou a assessoria do órgão, que é ligado à Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon) do Ministério da Justiça.

De acordo com o DPDC, as empresas violaram os direitos dos consumidores nos chamados serviços de valor adicionado, além de oferta de serviços e produtos diferentes dos que foram efetivamente entregues ao consumidor.

Segundo a Anatel, os serviços de valor adicionado não são considerados serviços de telecomunicação. Entre os mais comuns estão os toques de celular diferenciados, notícias por SMS, músicas e antivírus. Durante a investigação, também foi verificado que as empresas cobraram por serviços e produtos nunca solicitados pelo consumidor.

Para o DPDC, as empresas induziram o consumidor a erro "com anúncios que não destacavam aspectos essenciais do serviço e que, assim, não forneciam elementos suficientes à formação de adequado entendimento, pelo consumidor, acerca daquilo que efetivamente lhe estaria sendo entregue e pelo que seria cobrado". Ainda de acordo com o DPDC as contratações ocorriam sem o consentimento prévio do cliente.

Segundo o DPDC, as operadoras de telefonia argumentaram que outras empresas conveniadas foram responsáveis por disponibilizar os serviços de valores adicionados. "O Código de Defesa do Consumidor estabelece que todos os fornecedores respondem solidariamente pela prestação dos serviços e pelos danos daí advindos, para os consumidores" - disse a diretora do DPDC, Ana Carolina Caram.

Agora as empresas têm 30 dias para o pagamento das multas. O DPDC disse que elas também devem "cessar imediatamente a prática de fornecimento de serviços de valores adicionais sem o prévio e expresso consentimento do consumidor, bem como a cobrança por serviços não solicitados pelo consumidor", informou a assessoria.

Contrapontos

· A Vivo informa que ainda não foi notificada e que, tão logo tenha o teor oficial da decisão, tomará as medidas cabíveis.

· A Oi também disse que ainda não foi notificada da decisão - e não fez outro comentário adicional.

· A Claro disse que a sanção se refere a casos isolados, registrados no Estado do Tocantins e que avalia recorrer.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Falta de clareza nas informações da Tele Sena

Por causa disso, a Liderança Capitalização pagará prêmio de R$ 60 mil a consumidor. Acórdão do STJ afirma “exigências descabidas e chicana” para entregar o prêmio de uma raspadinha.

Freepik - Edição: Gerson Kauer

O terrível jogo patológico causado por medicamento

 

O terrível jogo patológico causado por medicamento

Acórdão de rara ação decidida pelo STJ defere indenização para o espólio de advogada gaúcha que era portadora do Mal de Parkinson. A ingestão do medicamento Sifrol - sem advertência na bula - causou a impulsão pela jogatina (bingos) com a dilapidação de mais de R$ 1 milhão do patrimônio. Condenação da Boehringer Ingelheim do Brasil, braço da maior empresa farmacêutica de capital fechado do mundo, com sede na Alemanha.