Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 18 de outubro de 2019.

Gleisi Hoffmann e tesoureiro do PT impedidos de visitarem Lula como advogados



A juíza federal Carolina Lebbos, de Curitiba, responsável pela execução penal de Lula determinou ontem (30) que a presidente do PT, senadora Gleisi Hoffmann, e o tesoureiro do partido, Emídio de Souza, não poderão mais visitar o ex-presidente na prisão na condição de seus advogados.

A decisão da magistrada acolheu requerimento do MPF, feito em meados deste mês. O pedido foi sustentado com afirmações dos membros da força-tarefa da Lava Jato de que “as visitas ao ex-presidente feitas por políticos que se inscreveram como advogados estão transformando a sede da Polícia Federal em seu comitê de campanha”.

O MPF pediu especificamente que Gleisi fosse impedida de visitar Lula na condição de sua advogada, sob o argumento de que “ela não pode, como parlamentar, exercer a advocacia".

Inscritos como advogados de Lula, os dois - Gleisi e Emídio - tinham acesso facilitado na PF em Curitiba, onde o petista cumpre pena de 12 anos e 1 mês por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do tríplex no Guarujá.

Também inscrito como advogado de Lula, o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, candidato a vice na chapa presidencial, não foi incluído no pedido dos promotores. Gleisi criticou a decisão da juíza e afirmou que ela representa mais “um episódio no que afirma ser uma perseguição ao petista, pois nem a ditadura impediu advogados de visitar presos".

Julgamento do registro Lula pode ocorrer hoje

O Tribunal Superior Eleitoral vai fazer uma sessão extraordinária nesta sexta-feira (31), a partir das 14h30. A ideia é analisar pedidos de registro de candidatos à Presidência da República, nas eleições 2018, ainda pendentes de julgamento pelo plenário do TSE.

A sessão ocorrerá um dia depois do prazo final para o envio ao TSE da defesa do ex-presidente Lula (PT), preso e condenado na Operação Lava Jato. O pedido do registro dele é alvo de 16 contestações no tribunal, entre elas a impugnação formulada pelo Partido Novo.

Na quarta-feira (29), o Novo reforçou ao TSE o pedido para barrar a participação de Lula no horário eleitoral do rádio e da televisão. As peças de publicidade dos presidenciáveis no horário eleitoral serão veiculadas às terças, quintas e sábados, começando no sábado 1º de setembro.

A expectativa dentro do TSE é a de que seja levado ao plenário o pedido de medida cautelar para barrar a presença de Lula no horário eleitoral. Mas – especulações da “rádio-corredor” do CF-OAB – suscitam que ministros não descartam a possibilidade de o próprio registro do ex-presidente ser julgado.

A seu turno, o objetivo principal da ofensiva jurídica do Partido dos Trabalhadores é garantir a presença do petista no horário eleitoral gratuito.

A pauta da sessão extraordinária do TSE ainda não foi divulgada.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Sem Senado, só OAB!

O presidente nacional da OAB, Claudio Lamachia, põe fim à indecisão: desiste de concorrer a senador. “Não tenho como deixar a Ordem neste grave momento nacional” – diz.