Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 20 de agosto de 2019.

Indenização por aborto decorrente de acidente



A Seguradora Líder dos Consórcios de Seguros DPVAT S.A. pagará indenização de R$ 13,5 mil a segurada que sofreu aborto por causa de um acidente de carro. A decisão é da 9ª Câmara Cível do TJ de Minas Gerais, que confirmou sentença de procedência. A mulher sofreu uma batida em seu automóvel, em janeiro de 2017, perdendo o bebê na nona semana de gravidez.

O precedente define que “ainda que não tenha ocorrido o nascimento com vida do feto é perfeitamente justificável a indenização postulada, pois o sistema jurídico brasileiro garante proteção ao nascituro, com fundamento também no princípio da dignidade da pessoa humana”.

A seguradora admitiu que o curso gestacional fora ceifado pelo acidente, mas sustentou – sem êxito - que “o nascituro não adquiriu personalidade jurídica capaz de lhe conceder direitos e obrigações” - e que, assim, não haveria suporte legal para o pedido feito pela segurada.

O julgado considerou que "a cobertura dos sinistros do seguro DPVAT não menciona, em nenhum momento, que o nascituro não fará jus à indenização, determinando apenas a presença do nexo causal entre o acidente e o dano". No caso, ficou comprovada a relação entre o dano e o sinistro. (Proc. nº 5020082-65.2017.8.13.0702).


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser comentar ou esclarecer alguma notícia, disponha deste espaço.
Sua manifestação será veiculada em nossa próxima edição.

Comentários

Wamberto Balbino Sales - Advogado 19.08.18 | 21:59:13
Ótima reportagem, Parabens.
Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Dez teses consolidadas pelo STJ sobre seguros de danos

É lícita a cláusula contratual que prevê a exclusão da cobertura securitária em situações em que o veículo sinistrado tenha sido conduzido por pessoa embriagada ou drogada. Conheça todos os dispositivos.

STJ derruba posição argentária da Unimed Porto Alegre

Provimento a recurso especial reverte acórdão da 6ª Câmara Cível do TJRS e restaura sentença que garantiu o não cancelamento de plano de saúde. “Beira ao absurdo o cancelamento de um contrato de seguro pela simples ocorrência de seu principal objeto, o sinistro”.

Sobrevida gaúcha até os 94 de idade

Decisão do TJRS em caso de idoso (85 anos) - que morreu vítima de atropelamento – condenou a seguradora a pagar à viúva (idade atual: 90) o pensionamento até a data em que o falecido esposo completaria 94 de idade. A média de vida mais alta no Brasil, atualmente, é em Santa Catarina.