Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 14 de dezembro de 2018.
https://www.espacovital.com.br/images/jus_azul_foto1.jpg

A IVI e o gozo pelo time reserva do Grêmio



Camera Press

Imagem da Matéria

Foi o assunto da semana. O Flamengo correu mais do que o Grêmio descansado. Não esqueçamos que o Grêmio usou 100% de reservas contra a Chapecoense. Todos os jogadores descansaram. Os do Flamengo, não. E, ao que vimos, correram mais que os do Grêmio.

Sei que é difícil falar sobre isso. É proibido criticar o Grêmio, mesmo sendo gremista. Recebe-se mais críticas de gremistas do que de colorados. Há gremistas que ficam de tocaia. Há uma espécie de ´chapabranquismo´ por arrastamento. Mas, mesmo levando em conta esse fenômeno, arrisco fazer críticas ao meu time.

Não adianta falar só para convertidos. A tarefa de quem escreve todas as semanas é tentar colaborar fazendo críticas. Até mesmo quando critico a IVI quero colaborar. Vá que algum ´ivista´ possa vir a ser redimido e salvo?

Por isso, algumas perguntas andam sem resposta. Por exemplo, a questão do preparo físico do Grêmio. Segundo, por que há uma espécie de ditadura de cascudos e os jovens têm tão poucas chances? Por que repetimos o “fator Artur”?

Ah, o fator Artur é o seguinte: leva três anos para ser reconhecido e por pouco não vai para um time pequeno para “ganhar experiência”, coisa antiga, aliás, no Grêmio e no futebol gaúcho. Isso aconteceu com João Severiano que encordoou sete títulos. Foguinho dizia que ele tinha de crescer dois centímetros... E o grande Alcindo foi emprestado para o Rio Grande. Everaldo para o Juventude. Ronaldinho Gaúcho foi reserva do Itaqui. Douglas Costa foi mal aproveitado. Querem mais exemplos?

Quando um jogador do Grêmio (ou do Inter), de 17 anos, vai fazer gol no Maracanã, ou no Morumbi, ou na Arena Corinthians? Quando os jovens receberão chance e desbancar alguns cascudos que, por vezes, mais fazem lobby do que, propriamente, jogar bola? Roger sabe bem disso.

O técnico do Avenida de Santa Cruz disse, dia desses, uma coisa marcante. Ele lida com um plantel cuja folha total é de 150 mil, coisa que reservas de Grêmio e Inter ganham sozinhos. E ele asseverou: não consigo entender um clube gastar milhões em contratações ou até 500 mil por mês de salário para jogadores que por vezes não correspondem e não usar esse dinheiro para formar jogadores e neles apostar. Bingo!

Para quê categorias de base se, para vir para o time de cima, tem de rezar para o papa, atravessar um fosso de jacarés e depois pedir a benção?

Não é possível que as categorias de base não produzam zagueiros ou laterais, por exemplo. Ou meio-campistas. Se não produzem, a fábrica vai mal. Precisa de CPI futebolística nessas categorias, porque a peneira é malfeita. Simples assim. Ou há um represamento indevido de bons jogadores. ´Tertius non datur´.

Espero que a vitória contra o Flamengo, pelo “quase-abandonado” Campeonato Brasileiro, coloque as coisas de novo nos trilhos. O “quase” tem de ser superado. A IVI fica molhadinha quando o Grêmio põe time reserva. É o gozo fundamental. Peço que o Grêmio não dê esse gostinho para a IVI e para os colorados. E dê chance aos jovens como Matheus Henrique e outros que estão na fila para subir.

Ora, não se justifica(ria) que um clube da grandeza do Grêmio abandone(abandonasse) o campeonato brasileiro, colocando em campo alguns jogadores absolutamente medíocres. Continuo sem entender o prestigio de Marcelo Oliveira. Já Bressan parece apenas confirmar a velha lenda do futebol de que “basta estar no elenco que um dia jogará”.

Digo tudo isso, implorando para que não abandonemos o Campeonato Brasileiro. Por quê? Simples. Temos três balas. A do Brasileirão (incógnita, porque vai indo entre sístoles e diástoles); a da Copa do Brasil, desgastada com o empate em casa (resta meia-bala) e a da Libertadores, que será disparada hoje, contra o Estudiantes.

A ver (sem h).


Comentários

Jorge Luiz Dias Hohmann - Jornalista 08.08.18 | 08:53:04
É muito bla, blá, blá em cima de algo que salta aos olhos mas parece haver uma fobia com relação ao assunto: a qualidade do futebol brasileiro. Começo pela pergunta: quantos jogadores chamados "diferenciados" ou "extra-classe" existem EM CADA time da série A do futebol brasileiro? Em todos, nenhum! Flamengo, Palmeiras e Grêmio mostram o que? Um? Dois(com muita boa vontade...)? Bueno...três nem pensar! Isso não existe em nenhum time brasileiro. Portanto, é este futebolzinho que temos
Ricardo Luiz Wortmann - Editor Do Cornetadorw 07.08.18 | 16:18:54
.São Paulo é um time inconfiável.E o time do Inter é sofrível.Um está em 1º lugar e outro em 3º.Que o Grêmio não brinque com os deuses do Futebol.Prefiro perder a Copa do Brasil e o Inter não vencer o brasileiro do que vencer a Copa do Brasil e os vermelhos vencerem o brasileirão.Com tanto time 'abandonando" o brasileirão ou colocando como ultima preferência....todo cuidado é pouco.Não irritem os deuses do futebol.
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Números e números! E o cursinho Walita da CBF!

“Para terminar o ´nhenhenhém da poupação´ de jogadores, os números do Palmeiras são arrasadores. Envergonham o Grêmio. E sabiam que o Bressan cometeu 34 pênaltis?”

Não há DU (vi) DA sobre jogadores ruins!

“O Grêmio vive uma espécie de império da opinião dos jogadores. Parece-me que eles instituíram uma “proto-ditadura”. Quem manda, afinal, no clube?”

O ´chapabranquismo´ pode ser fatal!

“Torcer é também exercer uma saudável crítica. Um clube não é como o regime da Coreia do Norte. Tem de ter racionalidade crítica. E coragem para criticar termos Douglas no banco, num jogo decisivo pela Libertadores, e não relacionar Matheus Henrique e Jean Pierre”.

Operação ´Apito Amigo´

“Cuidem-se vovô Ceará e Lisca! ´Eles´ vêm aí! (...) Dizem as redes sociais que Noveletto deu a ordem: ´Na dúvida, e mesmo sem ela, pênalti para o Inter´”.