Ir para o conteúdo principal

Porto Alegre (RS), terça-feira, 14 de julho de 2020.

Google deverá remover pilhérias contra deputada federal



Decisão judicial determinou que o Google remova quatro links contendo sátiras e paródias sobre a deputada e quase ministra do Trabalho Cristiane Brasil (PTB/RJ). Ela entrou, na semana passada, com uma ação no 23ª Juizado Especial Cível do Rio para que o Google removesse dezenas de URLs com notícias e pilhérias e gozações em relação ao tragicômico episódio de sua indicação para o Ministério do Trabalho. Entre elas, especialmente o viralizado vídeo em que aparecia de biquíni ao lado de amigos musculosos.

O juiz Antonio Carlos Pereira deferiu em parte o pedido de Cristiane e ordenou que o Google remova quatro links de conteúdo humorístico - por considerar que esse eles ultrapassaram "o mero intuito informativo". Um dos links proclama: "Temer anuncia a criação do Big Brother Cristiane Brasil".

Em outro, o jornalista José Simão diz que "o vídeo parece abertura de filme pornô: ela de biquíni numa lancha com quatro gogô boys que arrumou no Tinder”!

O Google não tirou os links do ar e anunciou que vai recorrer da decisão.


A PALAVRA DO LEITOR

Se você quiser esclarecer, comentar, detalhar, solicitar correção e/ou acréscimo, etc. sobre alguma publicação feita pelo Espaço Vital, envie sua manifestação.

Notícias Relacionadas

Camera Press

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

 

Estudo de Harvard associa YouTube a impulso à pedofilia

Uma pesquisa recém concluída diz que um algoritmo da plataforma da empresa subsidiária do Google recomendou um vídeo inocente de menina brasileira, de dez anos de idade, a usuários de conteúdo sexual. “Fiquei assustada com os milhares de visualizações” – diz a mãe da criança. As informações são do jornal New York Times.

CNJ sofre ataque de hacker

A invasão foi feita por uma pessoa que se intitula “Aline 1”.  Dados (nomes completos, números de contas bancárias, telefones, CPFs e senhas) de milhares de pessoas foram vazados.

Multa de R$ 2.4 milhões ao Facebook

Informações de, no mínimo, 1 milhão de britânicos foram vazadas. A empresa falhou em lidar com a questão, mesmo após ter sido alertada.