Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Salvo surpresas, Gilmar Mendes fica no STF até 30.12.2030



Charge IstoÉ Dinheiro

Imagem da Matéria

  Gilmar: mais 11 anos e meio

Surpresa... esperada! Raquel Dodge comunicou, formalmente, ao Supremo que a Procuradoria-Geral da República não vai recorrer da decisão do ministro Edson Facchin de indeferimento do pedido para que o Senado analise o impeachment do colega Gilmar Mendes.

A ação fora uma iniciativa de um grupo de juristas que acusa o ministro “de agir de forma partidária”.

A PGR poderia apresentar recurso, mas seria tempo perdido. Raquel reconhece, em ofício, “diversos impedimentos para o processamento de impeachment de ministro do STF”. Faltou escrever que tal objetivo só seria alcançável com a reforma da Constituição.

Ah! Salvo imprevistos, Gilmar (62 anos atuais) fica na corte até 30 de dezembro de 2030, quando completa 75 de idade.

  Voto-vista no caso de R$ 32 milhões

Colhido ontem (5) o terceiro voto do agravo de instrumento em que se decide questão milionária oriunda de Criciúma (SC) e que foi o fator gerador do maior escândalo da história do tribunal catarinense.

O voto-vista do novo integrante da 1ª Câmara Cível do TJ-SC foi o de dar provimento parcial ao recurso. A tira do julgamento é complicada e só será possível decifrá-la quando o acórdão for publicado. Mas, em síntese:

a) Foi mantido o voto do desembargador relator Eduardo Gallo Mattos Júnior (que foi alvo da denúncia de que negociara a decisão por R$ 500 mil) e que – por outros motivos, foi aposentado compulsoriamente;

b) O des. Raulino Jacó Bruning inacolheu a exceção de pré-executividade no tocante ao pleito de excesso de execução, reformando a decisão de primeiro grau quanto a este tema, restando prejudicada a análise do agravo quanto aos pedidos de "ausência de preclusão para tratar da alegação de excesso de execução" e de "excesso de execução"; deu provimento ao pedido de afastamento da penalidade imposta na decisão dos embargos de declaração; negou provimento aos pleitos de fixação de honorários advocatícios e de exclusão da pena de litigância de má fé.

c) O voto-vista do desembargador Jorge Luis Costa Beber foi no sentido de conhecer do recurso e dar-lhe parcial provimento apenas para afastar as penalidades de multa por litigância de má-fé e embargos protelatórios, mantendo a decisão recorrida quanto ao reconhecimento da preclusão no que toca ao valor nominal da honorária executada e quanto ao não cabimento dos honorários na espécie.

  Dados cadastrais da ação polêmica

Processo nº 0144304-30.2015.8.24.0000

- Agravante: Orgânica Agronegócios S/A (Advogados: Renato Pereira Gomes e João Carlos Duarte de Toledo).

- Agravada: Felisberto Córdova Advogados (Advogados: Felisberto Odilon Córdova e Jeferson da Rocha).

- Interessada: Balneário Conventos S/A (Advogado: Felipe Chemale Preis).

 Supremas incoerências

O Brasil é incrível. O STJ entende como insignificante o valor de até R$ 20 mil em crimes como descaminho. O caso é gaúcho. (REsp nº 1.4.657-RS, 2014/07126-). O TRF-3 também (Proc. nº 0001574-72.2010.4.03.6116).

No STF idem: a) o HC nº 101.998 sobre furto de barras de chocolate, sendo negada a insignificância face à reincidência; b) recente, em 1º de junho, em um caso de furto de bermudas, em que, inclusive, a peça de roupa foi restituída (HC nº 143.921), sendo negada ao paciente, morador de rua, a insignificância em face da reincidência.

Só que o próprio STF tem decisões que admitem a concessão da insignificância mesmo para reincidentes: por exemplo, HC nº 123.422, que citou, inclusive, um precedente do mesmo relator (ministro Toffoli - HC nº 137.290).

O próprio STF já havia decidido – em plenário (HCs nºs 123.734, 123.533 e 123.108), que a aplicação da insignificância depende de cada caso. Mas, ao mesmo tempo, para que alguém receba o favor da insignificância no crime de descaminho, não importa se há reincidência...

O advogado gaúcho Lênio Streck, que flagrou tais contradições – reveladas ontem (5) em artigo publicado pelo Consultor Jurídico, avalia que “isso serve para mostrar que nosso sistema de precedentes é esquizofrênico”.

E, então, pergunta: “Onde fica a igualdade, a isonomia e a aplicação por integridade e coerência?”


Comentários

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!

  Vídeo apresentando a magistrada federal da Lava Jato como música amadora é fake!

  Imagens e áudio – de boa qualidade - exibidos em grupos de WhatsApp confundem a magistrada com a flautista Gabriela Machado, do grupo Choronas, de Santos (SP).

  Socicredi não pode usar a marca Sicredi. Decisão é do TJRS.

 Atraso habitual de ônibus do empregador é computado como hora extra em favor de empregado.

  Caso grave de Mal de Parkinson: STJ condena Bradesco a fornecer home care, mesmo sem previsão no contrato.

Resolução do TRF-4 limita a competência dos desembargadores plantonistas

  Para evitar a repetição da lambança do “solta/prende” Lula, ocorrida em 8 de julho, o relator vinculado poderá intervir nas petições, ações e recursos encaminhados ao plantão.

  “Rádio-corredor” do tribunal diz que se trata da “Resolução Anti-Lula”.

 “Rádio-corredor” da OAB-RS prefere a troca de vocativo: “Operação Anti-Favreto”.

 Os riscos de uso político do CNJ: por quê Sérgio Moro antecipou o seu pedido de exoneração da magistratura.

 “O Brasil terá um governo militar eleito e a população precisa se aperceber disso” – uma frase às claras.

  Expectativa para dezembro: a sentença da juíza Gabriela Hardt julgando Lula.