Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

O “auxílio-malhação” não chegou a colocar juízes e desembargadores em forma...



Charge FunnyVooz.com

Imagem da Matéria

 Malhação jurídica

Madame Tartaruga Jurídica ficou espantada ao descobrir que, depois do já eternizado “auxílio-moradia” e outros penduricalhos, o Tribunal de Justiça do Rio vinha discretamente praticando o “auxílio-malhação”. O dinheiro não entrava na conta de Suas Excelências, mas o esquema funcionava assim:

Um convênio - sem prévio lançamento de edital para a contratação do serviço no valor de R$ 5.040.000,00 previa, pelo prazo de cinco anos, os trabalhos de oito personal trainers, dois gerentes, um assistente administrativo e uma copeira. Era uma torneira aberta de R$ 80 mil mensais.

Depois, claro, viriam os aditivos e a correção monetária.

O espaço já estava ajeitadíssimo no 2º andar do Foro Central carioca, onde juízes e desembargadores praticavam alongamentos, boxe tailandês, boxe inglês, defesa pessoal, ginástica funcional, jump, ginástica localizada, musculação, step e ioga.

Ah, o benefício era estendido gratuitamente aos cônjuges e filhos. Na quarta-feira (27) o Conselho Nacional de Justiça acabou com a farra, acolhendo um pedido do Sindicato dos Servidores do Poder Judiciário do Estado do Rio. (PCA nº 6869-13).

 A Suprema Trinca

O PT festejou a libertação de José Dirceu com alegria – mas com temor pelo futuro. A vitória petista na 2ª Turma do Supremo provavelmente terá sido uma das últimas da série que beneficiou políticos e o partido, como as recentes absolvições de Gleisi Hoffmann e Paulo Bernardo, notórios inocentes.

Com a posse de Dias Toffoli na presidência do STF em setembro, a vaga dele, na 2ª Turma, será ocupada por Cármen Lúcia.

Esta - segundo a “rádio-corredor suprema” – já deu sinais de que seguirá a linha oposta pela atual minoria, ali formada por Edson Fachin e Celso de Mello.

A propósito, a “rádio-corredor” do Conselho Federal da OAB fala abertamente sobre as eternidades temporais do STF e suas divisões. A 1ª Turma, mais rígida é chamada de “câmara de gás”. A 2ª Turma é conhecida como “jardim do Éden”.

Mas outra “rádio-corredor” próxima – a da OAB de Brasília já criou um epíteto sobre o trio Toffoli, Gilmar e Lewandowski que rege a maioria da 2ª Turma: é a Suprema Trinca.

Dos 11 ministros quase todos fazem política com a toga, o que aumenta a sensação de que a balança da justiça está desregulada. Pende conforme os “interesses”...

 Trans o quê?

A propósito de recente gritaria que – em cobrança feita por uma dupla a um político – incomodou moradores de um bem-posto prédio residencial em Petrópolis, em Porto Alegre, recente pesquisa revela que “49% dos brasileiros dizem não saber o que significa uma pessoa transgênero”. O trabalho é do Locomotiva Instituto de Pesquisa, de São Paulo.

Entre aqueles que sabem o que é trans, metade é a favor de que essas pessoas tenham o direito de alterar seus nomes nos documentos, de acordo com o gênero com o qual se identificam.

O prefixo ´trans´ pode ser definido por “além de”, “através de” - ou seja, as pessoas que estão em trânsito entre os dois gêneros (masculino e feminino). Pelo vernáculo, transgênero é o indivíduo que se identifica com um gênero diferente daquele que corresponde ao seu sexo atribuído no momento do nascimento. A transgeneridade não é uma doença ou distúrbio psicológico.

Sociólogos referem que “transgêneros transgridem as normas de gênero impostas pela cultura, estando para além do feminino e para além do masculino”. Na prática, porém, o termo transgênero é o grande guarda-chuva, que contempla travestis, transexuais, não-binários, crossdressers, drag queens.

Mas há controvérsias.

 Sem vergonha

Além de pendurar as despesas com passagens aéreas na conta da Câmara, deputados dispõem de verba pública para o aluguel de jatinhos e helicópteros. O imoral gasto é legalizado pelas regras da chamada “cota parlamentar”.

Segundo levantamento do saite Ranking dos Políticos, de fevereiro de 2015 a maio de 2018 os parlamentares gastaram, nesses vai-e-vens, R$ 9,9 milhões.

O campeão da gastação é Átila Lins (PP-AM) que usou R$ 923 mil de dinheiro oficial, com o fretamento de aeronaves para se deslocar no Amazonas. O segundo é Paes Landim (PTB-PI), com R$ 536 mil e Fernando Giacobo (PR-PR), com R$ 440 mil.

Tem mais: entre janeiro de 2015 e 2017, deputados e senadores gastaram R$ 6,2 milhões no item “segurança privada”.

Mesmo que no Congresso os parlamentares disponham dos serviços de 120 policiais legislativos no Senado e mais 275 na Câmara dos Deputados.


Comentários

Luiz Carlos Trindade - Servidor 29.06.18 | 13:02:19

Se não pode violar as leis.s e os bons costumes, arranjem outras personagens que não sejam do Judiciário ou do Legislativo Esses não merecem palavras brandas...

Anaurelino Alves - Advogado 29.06.18 | 11:03:50
Entra ano, sai ano, e ainda não vi tudo em matéria de desfaçatez praticada, frequentemente, pela magistratura brasileira. Por isso a cada ano temos um Judiciário cada vez mais inconfiável.
Aldo Ghisolfi - Advogado 29.06.18 | 10:29:41
Vergonha!
Banner publicitário

Mais artigos do autor

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!

  Vídeo apresentando a magistrada federal da Lava Jato como música amadora é fake!

  Imagens e áudio – de boa qualidade - exibidos em grupos de WhatsApp confundem a magistrada com a flautista Gabriela Machado, do grupo Choronas, de Santos (SP).

  Socicredi não pode usar a marca Sicredi. Decisão é do TJRS.

 Atraso habitual de ônibus do empregador é computado como hora extra em favor de empregado.

  Caso grave de Mal de Parkinson: STJ condena Bradesco a fornecer home care, mesmo sem previsão no contrato.

Resolução do TRF-4 limita a competência dos desembargadores plantonistas

  Para evitar a repetição da lambança do “solta/prende” Lula, ocorrida em 8 de julho, o relator vinculado poderá intervir nas petições, ações e recursos encaminhados ao plantão.

  “Rádio-corredor” do tribunal diz que se trata da “Resolução Anti-Lula”.

 “Rádio-corredor” da OAB-RS prefere a troca de vocativo: “Operação Anti-Favreto”.

 Os riscos de uso político do CNJ: por quê Sérgio Moro antecipou o seu pedido de exoneração da magistratura.

 “O Brasil terá um governo militar eleito e a população precisa se aperceber disso” – uma frase às claras.

  Expectativa para dezembro: a sentença da juíza Gabriela Hardt julgando Lula.