Ir para o conteúdo principal

Edição de sexta-feira , 21 de dezembro de 2018.

O arbítrio é a evolução do Direito Penal ?



Por Fábio Bittencourt da Rosa, advogado (OAB-RS nº 5.658)
Fabiobdarosa@hotmail.com

A questão relativa à prisão imediata após o julgamento do recurso criminal de segunda instância vem gerando uma discussão traumática na jurisdição penal brasileira.

A escancarada vulgarização da corrupção em todos os níveis da administração neste país tem justificado a aplicação da lei penal de forma um tanto arbitrária. Clara a assimilação do aforismo de que os fins justificam os meios. Um direito penal humanista, segundo proclamam alguns, não teria condições de combater a endêmica criminalidade dos poderosos.

Chegou o Ministério Público Federal a sustentar que na proporcionalidade entre os princípios da presunção de inocência e da segurança pública, este haveria de prevalecer. Certamente, a afirmação fez Carrara estremecer na tumba. As ditaduras sempre sustentaram esse pensamento do órgão do parquet. Em nome da segurança nacional todos os direitos individuais deverão ceder. Lamentável conclusão.

O respeito à lei é a forma mais civilizada no comportamento de um povo. Quando a lei é a vontade do sistema, diante de uma realidade transitória, a insegurança constitui a decorrência lógica. E isso se consolida na prática com o argumento de que ao Judiciário cabe a interpretação da ordem legal, adaptando os princípios legais à realidade histórica do momento da incidência da norma jurídica.

Assim, se é preciso combater o mal endêmico da corrupção a norma constitucional há de ser interpretada de maneira a justificar tal combate. Arbítrio disfarçado de liberdade na interpretação das leis.

O princípio da presunção de inexistência de culpa em face da imputação penal é de uma clareza meridiana, somente não visto por quem se nega a cumprir a constituição brasileira.

Com efeito, a Carta de 1988 diz em seu artigo 5º, inciso LVII: ninguém será considerado culpado até o trânsito em julgado de sentença penal condenatória. Logo, enquanto não esgotados todos os recursos, não pode haver execução de pena que pressupõe a declaração de culpa pelo poder estatal. Só isso. Nada mais.

Discutir esse conteúdo normativo é, simplesmente, mistificar.

Que o homem do povo, desconhecendo as bases elementares do direito, insista no arbítrio na aplicação da legislação penal, é compreensível ainda que deplorável. Mas os iniciados na ciência jurídica que persistem nessa mesma orientação prestam um desserviço à cultura brasileira.

Para aqueles que ainda acreditam num direito penal, que caracteriza tutela do indivíduo contra a prepotência do Estado, resta a esperança de que ainda existam juízes em Berlim.


Comentários

Carlos Alberto De Oliveira - Advogado 29.06.18 | 12:27:44

Não pretendendo obscurecer o brilhantismo da manifestação, pondero que a exacerbação do "humanismo" no Brasil nos levou à total inversão de valores éticos e morais, algo que se reproduz de forma assustadora em nossa teia social. A prática da jurisdição penal brasileira não encontra paralelo em sociedades desenvolvidas, e não falo apenas em crimes associados à corrupção. 

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Os políticos inescrupulosos e o Supremo

“Uma análise sobre o trânsito em julgado e o segundo grau de jurisdição. Essa ideia minoritária de terceiro grau de jurisdição, no próprio STF, só foi inventada após as condenações de políticos inescrupulosos que hoje estão tentando se beneficiar com uma interpretação inexistente no mundo todo”. Artigo do advogado Amadeu de Almeida Weinmann (OAB-RS nº 5.962)

Foto de Ueslei Machado, reprodução da revista IstoÉ

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

 

Operação Salva Lula e os criminosos do colarinho branco

Revista IstoÉ, em interessante artigo de seu diretor editorial Carlos José Marques, revela que já foram 78 recursos apenas no caso do tríplex. Texto critica o STF, falando em “pornografia legal”. Analisa que “o ministro Ricardo Lewandowski esforça-se para que o presidiário petista conceda entrevista em sua defesa alardeando injustiças imaginárias”. E arremata que, no caso do ex-presidente e de outros criminosos de quilate no âmbito do colarinho branco, “trata-se de uma estranha patologia nacional: bater à porta de meia dúzia de notáveis autoridades da Lei para conseguir benesses fora do habitual”.

Um alerta para superar tartarugas jurisdicionais diárias

“Chamo a atenção dos colegas sobre um pouco usado dispositivo do NCPC: ´É facultado promover a intimação do advogado da outra parte por meio do correio, juntando aos autos, a seguir, cópia do ofício de intimação e do aviso de recebimento´”. Artigo do advogado Juvenal Ballista Kleinowski (OAB-RS nº 102.262)

Von Jhering no Brasil (1880-1920)

“Herrman von Jhering, filho mais velho do grande Rudolf, viveu no Brasil e, mais particularmente, no RS durante grande parte da sua vida. vale lembrar esse alemão, cuja contribuição para a formação do Estado é deveras importante”. Artigo de Adroaldo Furtado Fabrício, advogado, jurista, ex-presidente do TJRS