Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.
https://www.espacovital.com.br/images/mab_123_11.jpg

Dez meses de embrulho jurídico do caso que sacudiu advocacia e magistratura de Santa Catarina



Arte de Camila Adamoli

Imagem da Matéria

 “Este julgamento aqui é comprado”

Lembram de um incidente ocorrido na sala de sessões da 1ª Câmara de Direito Civil do TJ de Santa Catarina, em 3 de agosto do ano passado? Um advogado, na tribuna, denunciou que o julgamento tinha sido negociado. No mesmo dia, o incidente foi relatado jornalisticamente, com primazia, pelo Espaço Vital. Recordem os fatos:

  O advogado catarinense Felisberto Odilon Córdova acusou diretamente o então desembargador Eduardo Gallo Mattos Júnior de pedir propina de R$ 700 mil para julgar favoravelmente o recurso de agravo de instrumento, derivado de ação que tramita na comarca de Criciúma (SC).

  Após o voto do relator, desembargador Eduardo Gallo, o advogado pediu uma questão de ordem e foi à tribuna: "O julgamento que está acontecendo aqui é comprado. Eu estou fazendo uma denúncia. Esse cidadão foi abordado com uma proposta que veio do Rio de Janeiro, para receber R$ 500 mil; R$ 250 mil antes, R$ 250 mil depois. E o descarado chegou a mandar para o nosso escritório, que poderíamos cobrir isso por R$ 700 mil" - afirmou.

  Demonstrando profunda inconformidade, o advogado falou alto, gesticulou e chegou a bater em seus próprios óculos que caíram. E prosseguiu: "Isso aqui não é a Câmara dos Deputados, nem o Senado. Isso aqui é um Tribunal de Justiça, e é preciso que a moralidade surja e venha a termo".

  Um vídeo foi gravado com celular por um circunstante – e viralizou nos dias seguintes pelas redes sociais, tendo também sido postado no Youtube. As imagens e o áudio revelam que o advogado também se referiu ao desembargador com os termos “descarado”, "safado" e "vagabundo".

  O magistrado Gallo retrucou, dirigindo-se ao presidente da câmara: “Eu não vou admitir que um advogado me chame de vagabundo e que Vossa Excelência não tome providências. Eu nunca passei por isso na minha vida, eu tenho 25 anos de magistratura. Eu requeiro a prisão do advogado".

 Em seguida, houve a intervenção de terceiros (parecem ser advogados e um servidor da Casa) que procuraram acalmar o advogado denunciante, conduzindo-o para fora da sala de sessões. O advogado – antes de sair - ainda diz ao julgador Gallo que “vou quebrar a tua cara”.

  Em seguida, o desembargador Artur Jenichen Filho – que seria o vogal no julgamento - se manifestou pela “necessidade de refletir sobre uma eventual suspeição, diante dos gravíssimos fatos imputados da tribuna, em face da afirmação de que o julgamento estaria comprometido”.

  Para resolver o impasse, o presidente do colegiado, desembargador Raulino Brünning, pediu vista dos autos, suspendeu o julgamento, mandou oficiar ao Ministério Público e à OAB-SC para acompanharem o caso e encaminhou os autos à presidência do tribunal.

Estes são os fatos pretéritos.

 O desembargador Gallo fora!

Este mês, na sexta-feira 15, o Órgão Especial do TJ-SC, por maioria, excluiu o desembargador Gallo dos quadros da corte – não em função das acusações formuladas pelo advogado Felisberto Córdova, que até agora não foram provadas - mas em decorrência de outras situações.

Gallo já estava preventivamente afastado de suas funções desde 15 de dezembro passado.

Entrementes, na presidência da corte catarinense, o desembargador Rodrigo Collaço indeferiu um incidente de suspeição, formulado pelo advogado Córdova contra o julgamento parcial (um voto), até então proferido. A pretensão foi desacolhida – porque o advogado não fez a mínima prova acerca de suas acusações.

Foi determinado, então, o retorno do agravo à 1ª Câmara, para completar o julgamento.

Tal órgão fracionário da corte catarinense já está com nova composição. Mantem-se o presidente Raulino Brünning; o (ex) desembargador Gallo naturalmente está fora, mas o voto por ele proferido em 3 de agosto de 2017 foi considerado válido; o desembargador Artur Jenichen reclassificou-se na 5ª Câmara de Direito Público.

E o colegiado tem dois novos membros: desembargadores André Carvalho e Jorge Luís Costa Beber.

Na quinta-feira passada (21) retomou-se o julgamento que fora interrompido na tarde do escândalo. A tira é a seguinte:

Em 21/06/2018 - Agravo de Instrumento nº. 0144304-30.2015.8.24.0000 - Origem: Criciúma – A 1ª Câmara de Direito Civil, em sessão ordinária hoje realizada, decidiu suspender o julgamento diante do pedido de vista dos autos efetuado pelo Des. Jorge Luis Costa Beber, após o voto do relator no sentido de conhecer do recurso e dar-lhe provimento. E após o voto-vista do Des. Raulino Jacó Brüning no sentido de:

a) Inacolher a exceção de pré-executividade no tocante ao pleito de excesso de execução, reformando-se a decisão de Primeiro Grau quanto a este tema, restando prejudicada a análise do presente agravo quanto aos pedidos de ´ausência de preclusão para tratar da alegação de excesso de execução´ e de ´excesso de execução´;

b) Dar provimento ao pedido de afastamento da penalidade imposta na decisão dos embargos de declaração; c) negar provimento quanto aos pleitos de fixação de honorários advocatícios e de exclusão da pena de litigância de má fé.

Tomaram parte no julgamento: desembargador Eduardo Mattos Gallo Júnior, cujo voto restou consignado na sessão de julgamento realizada em 03/08/2017; desembargador Raulino Jacó Brüning; e desembargador Jorge Luis Costa Beber.

Presidiu a sessão o desembargador Raulino Jacó Brüning”.

 Outros dados do processo

Agravante: Orgânica Agronegócios S/A (Advogados: Renato Pereira Gomes e João Carlos Duarte de Toledo).

Agravada: Felisberto Córdova Advogados (Advogados: Felisberto Odilon Cordova e Jeferson da Rocha).

Interessada: Balneário Conventos S/A (Advogado: Felipe Chemale Preis).

A parte agravante está, até o momento, levando vantagem.

O prosseguimento do julgamento se dará no dia 5 de julho, às 14 h. com a coleta do voto-vista.

 

  O alto valor e uma curiosidade.

Não há dados oficiais financeiros exatos. Mas um integrante da “rádio-corredor” do TJ-SC, que conhece os autos, ontem irradiava que a questão honorária a ser decidida pela 1ª Câmara de Direito Civil envolve pagar, ou não pagar, uma verba honorária que – atualizada e com juros – “vale aproximadamente R$ 31 milhões”.

Circunstantes que escutaram a informação manearam suas cabeças, afirmativamente.

Detalhe: embora já aposentado compulsoriamente, o desembargador Eduardo Gallo Matos Júnior ainda tem seu nome constando, oficialmente, no saite do TJ-SC como integrante da 1ª Câmara de Direito Civil.

Imagens e áudio do incidente

Relembre a denúncia feita pelo advogado e ouça a reação do desembargador.

Leia na base de dados do Espaço Vital

O fim da carreira polêmica de um julgador


Comentários

Eliel Valesio Karkles - Advogado 26.06.18 | 11:04:07

Que cena lamentável para o Poder Judiciário Catarinense. Uma verdadeira vergonha!

Banner publicitário

Mais artigos do autor

Delatores premiados devem R$ 422 milhões às contas da Lava Jato

 A PGR lança uma ferramenta para tentar cobrar de notórios caloteiros que se livraram da cadeia.

• Nenhuma advogada conseguiu se eleger presidente de seccional da OAB. Eram oito candidatas, mas nenhuma teve sucesso.

 TJRS decide que a paternidade socioafetiva - declarada ou não em registro público - não impede o reconhecimento de filiação baseado na origem biológica.

 As atuais diferenças entre Lula e José Dirceu (este, ainda, um homem de supremo poder).

Futura ministra da Mulher, Família e Direitos Humanos diz que homens e mulheres “não são iguais”

 Damares Alves (foto), anunciada como titular da pasta que será criada em janeiro, é advogada e pastora evangélica. Ela contou ter sofrido violência sexual aos 6 anos. É mãe adotiva de uma filha indígena.

 Um sutil puxão de orelhas dado pelo ministro Paulo de Tarso Sanseverino em dois advogados gaúchos.

 Políticos, esses grandes devedores da Fazenda Nacional...

 Férias pagas parcialmente antes do início do descanso motivam pagamento em dobro. Decisão é do TST.

Julgamento disciplinar de magistrados por suposto envolvimento em política partidária

  CNJ decide, no dia 11, os pedidos de providências contra o gaúcho Luiz Alberto de Vargas (TRT-RS) e outros nove magistrados.

  Vitória da situação advocatícia no RS consagrou uma frase: “A OAB não é partido político”.

  Supremos jeitinhos jurídicos para amenizar a corrupção: “É caixa 2”.

Moro prepara pacote de medidas de combate ao crime organizado

 Entre os pontos que serão analisados pelo Legislativo está a proibição da progressão de regime a presos que mantêm vínculos com organizações criminosas.

 Com o efeito cascata em todo o país, o aumento para o STF traz um impacto financeiro de 1 bilhão e 400 milhões de reais, ao ano.

 O supremo séquito e os balangandans: Toffoli levou seis assessores a encontro dos juízes federais em Buenos Aires.

A juíza federal Gabriela Hardt não toca flauta!

  Vídeo apresentando a magistrada federal da Lava Jato como música amadora é fake!

  Imagens e áudio – de boa qualidade - exibidos em grupos de WhatsApp confundem a magistrada com a flautista Gabriela Machado, do grupo Choronas, de Santos (SP).

  Socicredi não pode usar a marca Sicredi. Decisão é do TJRS.

 Atraso habitual de ônibus do empregador é computado como hora extra em favor de empregado.

  Caso grave de Mal de Parkinson: STJ condena Bradesco a fornecer home care, mesmo sem previsão no contrato.

Resolução do TRF-4 limita a competência dos desembargadores plantonistas

  Para evitar a repetição da lambança do “solta/prende” Lula, ocorrida em 8 de julho, o relator vinculado poderá intervir nas petições, ações e recursos encaminhados ao plantão.

  “Rádio-corredor” do tribunal diz que se trata da “Resolução Anti-Lula”.

 “Rádio-corredor” da OAB-RS prefere a troca de vocativo: “Operação Anti-Favreto”.

 Os riscos de uso político do CNJ: por quê Sérgio Moro antecipou o seu pedido de exoneração da magistratura.

 “O Brasil terá um governo militar eleito e a população precisa se aperceber disso” – uma frase às claras.

  Expectativa para dezembro: a sentença da juíza Gabriela Hardt julgando Lula.