Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.

Sete anos de prisão para ex-presidente do Tribunal de Contas do Rio



Somos Assim On Line

Imagem da Matéria

Jonas Lopes (D) e Jonas Neto (E): pai e filho no mesmo
esquema de corrupção e propinas

O juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal Criminal do Rio de Janeiro condenou o ex-presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, Jonas Lopes Júnior, a sete anos de prisão. Ele foi condenado pelos crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e organização criminosa.

De acordo com a sentença – em função da delação premiada – Jonas cumprirá um ano e meio de prisão domiciliar em sua Fazenda Josan, imóvel rural na cidade de Além Paraíba (MG). Em seguida, cumprirá dois anos e meio de serviços à comunidade por 15 horas semanais e outros três anos de regime aberto, com comprovação de atividades. “É a pena premiada” – segundo a “rádio-corredor” da OAB do Rio.

A sentença está em linha com o que foi acordado na delação premiada de Jones Lopes Júnior e de seu filho, Jonas Lopes Neto. Além da pena de prisão, pai e filho terão que devolver à Justiça R$ 13,3 milhões. O filho do ex-presidente do TCE-RJ também prestará serviços à comunidade por três anos.

A delação de Lopes pai foi determinante para a operação “O Quinto de Ouro”, que levou à prisão cinco dos sete conselheiros do TCE-RJ. Soltos por ordem do STJ, eles continuam afastados de suas funções. As respectivas ações penais a que respondem ainda não têm sentenças.

Além disso, o ex-presidente do TCE-RJ implicou outros nomes importantes da política fluminense, como o presidente afastado da Assembleia Legislativa do Rio (Alerj), Jorge Picciani.

Segundo Jonas Lopes Júnior, uma mesada dos empresários de ônibus para os conselheiros do TCE-RJ foi acertada na casa de Picciani. Ele teria sido chamado para o encontro depois que o TCE detectou R$ 90 milhões em créditos expirados do Bilhete Único.

Jonas Júnior era conselheiro seccional eleito da OAB carioca, eleito para o triênio 2916/2018. Desde maio do ano passado ele está suspenso preventivamente da atividade advocatícia e afastado do Conselho Seccional da entidade.

O currículo de Jonas Lopes de Carvalho Júnior

Advogado formado pela Faculdade de Direito de Campos dos Goytacazes em 1980.

Tesoureiro da OAB-RJ em 1982.

Procurador da Prefeitura Municipal de Campos (RJ) - posse em 1984.

Empossado conselheiro do TCE-RJ em abril de 2000.

Eleito por unanimidade para o cargo de vice-presidente do TCE-RJ para o biênio de 2007/2008.

Eleito por unanimidade para o cargo de presidente do TCE-RJ para o biênio 2011/2012.

Reeleito por unanimidade para o cargo de presidente do TCE-RJ para o biênio 2013/2014.

Reeleito por unanimidade para o cargo de presidente do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro para o biênio 2015/2016.

Secretário de Estado Chefe do Gabinete Civil do governador do Rio de Janeiro. Recebeu as medalhas Avante Bombeiro, do CBM-ERJ, e de Mérito Dom João VI, da Polícia Militar do Rio de Janeiro.

Recebeu homenagem dos defensores públicos no 17º Concurso Público do Estado do Rio de Janeiro e o Colar do Mérito da Justiça Eleitoral do Estado do Rio de Janeiro.

Condecorado com o Colar do Mérito Judiciário do TJ do Rio de Janeiro.


Comentários

Banner publicitário

Notícias Relacionadas

Arte EV

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

 

Balcão de negociação de liminares, via WhatsApp

Desembargadora Sérgia Maria Mendonça Miranda vira ré em investigação sobre esquema de venda de habeas corpus no Tribunal de Justiça do Ceará. Também são acusados oito advogados, três dos quais estão suspensos preventivamente pela OAB cearense

STF julga hoje novo habeas corpus de Lula

A defesa argumenta que Moro é inimigo do ex-presidente e não tinha isenção para julgá-lo, tanto que virou futuro ministro do governo Bolsonaro. A PGR rebate que “a decisão de tornar-se ministro é estritamente pessoal, e a motivação do ex-magistrado em aceitar tal convite não interessa aos autos"

Quase 200 anos de prisão!

Juiz Marcelo Bretas condena Sérgio Cabral a mais 14 anos de prisão, por lavagem de R$ 15 milhões. Total das penas chega a 197 anos e 9 meses.

Mais uma denúncia contra Lula: suposta lavagem de R$ 1 milhão

Ele teria influenciado decisões de Teodoro Obiang, presidente da Guiné Equatorial, para a contratação do grupo brasileiro ARG. Um e-mail apreendido afirma que a empresa estava disposta a fazer “uma contribuição financeira bastante importante” ao Instituto Lula. O dinheiro foi contabilizado como doação.