Ir para o conteúdo principal

Edição de terça-feira , 11 de dezembro de 2018.
https://www.espacovital.com.br/images/doispontos.jpg

Complexo de vira-lata e o voto impresso



Chargista Kacio - kacio.art.br

Imagem da Matéria

PRIMEIRO PONTO. A minirreforma eleitoral de 2015 estabeleceu a exigência de impressão do voto no sistema eleitoral eletrônico, a ser parcialmente posto em prática nas eleições de 2018. Com funcionará? Você registra seu voto eletrônico na urna, gerando um voto impresso, que aparecerá em um visor acoplado. Conferido visualmente o voto, o eleitor o confirma e o voto impresso é depositado em local lacrado.

É mais ou menos como você fazer uma transação bancária via internet e imprimir em papel o lançamento realizado.

Sei que muitos ainda fazem isso, quando geram suas movimentações financeiras a partir de um computador caseiro ou de seu posto de trabalho.

Cada vez mais, porém, o usuário do sistema bancário e tantos outros se valem de seu celular para pagar contas, transferir valores, carregar bilhetes aéreos, etc., desprezando totalmente a impressão em papel. Ou seja, tais sistemas, de significativo consumo e importância, migram no sentido contrário do voto impresso: o papel se tornando anacrônico e totalmente dispensável, no mínimo tutelando o meio ambiente, vítima do lixo de papel.

SEGUNDO PONTO: A pergunta a ser feita não é se o voto impresso fornece maior segurança ao sistema eleitoral eletrônico, porque qualquer resposta positiva nesse sentido revela-se, no fundo, uma falácia.

A pergunta é: qual a relação de custo/benefício?

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral o voto impresso em 2018 (que não corresponde à totalidade dos votos, pois sua implantação será parcial) vai custar cerca de R$ 2,5 bilhões para o contribuinte. E esse é apenas um dos aspectos a ser observado, na medida em que outros também devem ser sopesados: atrasos no dia das eleições, impressora trancando, bateria falha, etc.

Mas qual, efetivamente, o bônus? Poder recontar os votos em uma determinada seção eleitoral? Ora, o Código Eleitoral disciplina, desde os anos 60, a recontagem apenas para as hipóteses de suspeita de fraude. Não meras inconformidades com o resultado final, até porque dogma do processo eleitoral é o voto secreto. A fraude tem que ser alegada e provada, pena de não ser deferida, pelo juízo eleitoral, a recontagem.

Aguardemos, pois, as eleições de 2018 para conferir quantas urnas (fala-se algo em torno de 30 mil) com votos impressos serão de fato submetidas à recontagem. Aí saberemos, concretamente, o que vale, no sistema eletrônico, o voto impresso e se ele não é mais um produto de nosso complexo de vira-lata!

>>>>>>>>>> 

elaine@fhm.adv.br


Comentários

Ricardo Leonetti De Oliveira - Analista Judiciário 13.03.18 | 14:47:13

O título dado ao artigo é perfeito, visto que, de fato, nós brasileiros temos um complexo de vira-lata, somos bons apenas no futebol e no carnaval. Desde a implementação do voto eletrônico no Brasil jamais houve a constatação de fraude no sistema de apuração. A Justiça Eleitoral tem diversos mecanismos de controle e segurança do voto, inclusive o cidadão desconfiado pode se inscrever como mesário voluntário para trabalhar nas eleições e verificar, na prática, a confiabilidade das urnas e do sistema.

Gladis Therezinha Danesi - Gerente Bancária 13.03.18 | 07:50:13
Nenhuma crítica pessoal à advogada articulista, que sei ser muito séria. Mas como ex-presidente do TRE-RS, será que ela pode me garantir que, na meia hora final da apuração que reelegeu a incompetente Dilma, não foram surrupiados votos que tinham sido dados ao corrupto Aécio Neves? Não sei porque, lembrei-me agora daquele ditado: "Ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão".
Rômulo Arseni Trender - Militar Da Reserva 13.03.18 | 07:44:13
O Brasil é ridicularizado na maioria dos países, por causa dessas urnas eletrônicas. O "case" de sucesso retratado na espirituosa charge, com a coincidente presença do Gilmar Mendes, não foi copiado pela esmagadora maioria dos países sérios do mundo. Entre os que elogiam estão Zambia, Venezuela e outras nações do mesmo naipe.
Lidiane Hongar - Gerente Comercial 13.03.18 | 07:38:57
Discordo do artigo e da segurança que ele tenta passar. E aos que têm tempo para me acompanhar a minha discordância e dúvida, sugiro acessarem o discurso histórico proferido pelo procurador de justiça Felipe Marcelo Gimenez. Ver no Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=7HRbCcM6z4g . A argumentação que ali está é avassaladora.
Alencardino Zabaletta - Aposentado 13.03.18 | 07:32:45
Interessante e instrutivo o artigo. Mas será que a douta advogada pode garantir que o sistema BRASILEIRO das urnas eletrônicas é absolutamente seguro e imune à corrupção. Quem pode me garantir que se eu teclar 25, o sistema não vai pontual votos para o 13?
Banner publicitário

Mais artigos do autor

2019: ano difícil para os cursos universitários

“Os cursos de instituições privadas sofrerão impacto direto, com significativa diminuição de vestibulandos e, portanto, de alunos do primeiro ano do ensino superior”.

As calendas gregas na rotina forense

“O recurso especial não será recebido com o efeito suspensivo. E aí, surge do nada, milagrosamente, uma decisão mais ou menos assim: ´Aguarde-se o trânsito em julgado do recurso x ou y . É a pirâmide invertida!

Agora é lei...

“A Lei nº 13.728/18, que agregou ao Estatuto dos JECs o artigo 12-A, dispõe que, na contagem de prazo em dias, estabelecido por lei ou pelo juiz, para a prática de qualquer ato processual, inclusive para a interposição de recursos, computar-se-ão somente os dias úteis”.

Uma virada histórica

Em seu discurso de vitória, Jair Bolsonaro prometeu quebrar paradigmas e fortalecer o federalismo: ´Mais Brasil e menos Brasília´. Se essa promessa for cumprida, seu mandato já se justificará”.

Sobre o voto em branco... ainda !

Qual mensagem o eleitor, que assim vota, estará transmitindo? ´Não escolho nenhum dos candidatos porque rejeito a ambos!´. Ou, ´concordo com qualquer dos candidatos!´...

Pílulas eleitorais

“O povo brasileiro, de um modo geral, se queixa de que são sempre os mesmos políticos a ocupar os cargos eletivos. A pergunta é: quem vota neles?”